Enciclopédia Arquivo7 no MEGA

terça-feira, 17 de novembro de 2009

NOVOS ESTUDOS EM SLIDES POWER POINT



O Código Gênesis - parte 7

Para quem acompanhou as 6 partes do estudo "O CÓDIGO GÊNESIS" apresento agora a 7.ª parte, intitulada: O DESAFIO. Neste estudo faço uma análise de 7 versões de Gênesis 1.1 (7 linguas diferentes), para descobrir se a maravilhosa estrutura numérica (envolvendo os números 7, 37, 73 e 137) também aparece nelas. Ou se isto é exclusividade do texto em hebraico.
Também apresento um desafio que pode provar se tudo é coincidência ou evidência de um projeto.
Ainda neste estudo, apresento a relação entre o valor numérico de Gênesis 1.1 e a data da criação do mundo, segundo a tradição judaica. A coincidência é enorme. Que vocês analisem com cuidado e tirem suas próprias conclusões.
O número do slide é 40.

COINCIDÊNCIAS OU EVIDÊNCIAS?

Um passeio arrepiante pelo mundo do ocultismo, usando como transporte famosos filmes satanistas (O BEBÊ DE ROSEMARY, POLTERGEIST, O EXORCISTA e A PROFECIA). Fatos estranhos que merecem uma investigação. No final você decide: Coincidências ou Evidências? Se seu amigo duvida da existência do Diabo... Bem, desafie ele a se trancar num quarto, apagar a luz, ligar o computador e ler este slide... e se possível ouvindo a música "AVE SATANI", de Jerry Goldsmith.
O número do slide é 41.

A EXATIDÃO MATEMÁTICA DA BÍBLIA

Apresento a todos um novo estudo bíblico mostrando a exatidão matemática da Bíblia. São abordados três temas:
1 - COMO DEUS CALCULA NOSSO TEMPO NA TERRA? - Quanto tempo houve entre a saida de Israel do Egito e a construção do Templo por Salomão? 480 anos (como afirma o autor do primeiro livro dos Reis) ou 573 (como afirma o apóstolo Paulo em Atos)? Alguém está mentindo ou existe uma verdade que harmoniza as duas quantidades de anos?
2 - QUANDO NASCEU E MORREU JESUS DE NAZARÉ? - Siga as pistas espalhadas pela Bíblia e descubra o mês exato em que Jesus nasceu (e não foi dezembro). Se não concordar com as conclusões expostas, apresente evidências que conteste tudo isso.
3 - A MATEMÁTICA DA PROFECIA E A RESTAURAÇÃO DE ISRAEL - Deus disse ao profeta Ezequiel que as assolações de Israel durariam 390 + 40 anos. Acompanhe um cálculo simples que conduzirá a uma surpreendente conclusão.
O número do slide é 42.

O MISTERIOSO INTERVALO ENTRE 6 E 7

Pelos números e datas reveladas na Bíblia se passaram 6.000 anos entre os dias de Adão e os nossos dias. São datas apenas aproximadas, pois creio que é impossível sabermos com exatidão tendo em vista os complicados cálculos que envolveram a criação do nosso atual calendário. Não há como saber quando Deus criou o mundo (pelo menos eu não sei). Mas, desde que Adão está na terra, fora do Paraíso, quando seu tempo passou a ser contado, podemos saber com quase 100% de certeza - se levarmos a sério as datas reveladas na Bíblia - que não existe mais de 7.000 anos e nem menos de 5.000 entre os dias de Adão e os nossos.
Bem, então se já se passaram, pelo menos, 6.000 anos desde Adão, estaríamos no inicio do 7.º Milênio, um tempo importante à luz das profecias. Mas o Plano de Deus é cheio de surpresas. A Bíblia cita vários números e datas, mas o faz de uma forma tão interessante que torna IMPOSSÍVEL qualquer tentativa humana de se calcular a data do Retorno de Cristo.
Apesar disso, pelos números bíblicos podemos saber que estamos muito próximo do Retorno de Cristo, mas, repito, é impossível sabermos dia, mês, ano e coisas semelhantes. E se estivéssemos vivendo hoje apenas nos ACRÉSCIMOS de Deus? Ou seja, e se o TEMPO DO HOMEM na terra já tiver acabado, restando apenas uns ACRÉSCIMOS dados por Deus? Antes de criticar precipitadamente conheça a maluca teoria do INTERVALO ENTRE O 6 E O 7, em nosso novo slide.
O número do slide é 43.

O DESAFIO DAS PROFECIAS

Conheça um teste cujo gabarito foi criado muitos séculos antes das perguntas.
Um passeio pelas emocionantes e impressionantes profecias da Bíblia, tendo como ponto de partida 14 perguntas. Este estudo é dedicado especialmente às pessoas inteligentes e sinceras, que duvidam da inspiração divina da Bíblia, mas possuem a mente aberta para considerarem as evidências.
O esquema do estudo é o seguinte: uma pergunta, seguida por 7 alternativas (somente uma correta); depois a prova documental ou fotográfica da resposta; e por fim, o gabarito da profecia, provando que muitos séculos atrás Alguém já sabia das respostas. Mesmo para quem está acostumado com as incriveis profecias bíblicas não vai deixar de se impressionar.
O número do slide é 44.

Para baixar os slides, é o esquema de sempre, no link abaixo. Selecione todo o endereço abaixo, copie e cole na barra de endereço da Internet, que levará você à pasta ARQUIVO 7 - NUMEROLOGIA E PROFECIA BÍBLICA

http://cid-d2396f04ab689fc6.skydrive.live.com/browse.aspx/.res/D2396F04AB689FC6!130

- Se algum slide apresentar problema técnico, por favor me comuniquem. Desde que comecei postar os slides (44 até agora) nunca me preocupei em saber se algum deles apresentou qualquer defeito técnico. Por isso, meus amigos, qualquer coisa, me avisem.

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

O ENIGMA DO CÓDIGO GÊNESIS


Aos amigos e demais curiosos apresento (para download) o livro "O ENIGMA DO CÓDIGO GÊNESIS", onde analiso, em estilo acadêmico, o fenômeno numérico encontrado no texto hebraico de Gênesis (especialmente o primeiro versículo).

Será que esses padrões numéricos foram inseridos no texto por simples acaso ou fazem parte de um projeto? Alguns dos temas tratados:

- OS NÚMEROS NA BÍBLIA
- AS 7 PRIMEIRAS PALAVRAS DA BÍBLIA
- O FENÔMENO DO NÚMERO 37
- UM ESQUEMA DE 37 DENTRO DE GÊNESIS 1.1
- A INCOMUM RELAÇÃO ENTRE 3 E 7
- O MISTÉRIO DO NOME ELOHIM
- A PROVA DO CÉTICO - CONTESTANDO O FENÔMENO NUMÉRICO DE GÊNESIS
- JESUS E O NÚMERO 37
- MAIS DO QUE MERA COINCIDÊNCIA
- UMA ANÁLISE DO NÚMERO 373
- O MISTÉRIO DO IOTA
- NÚMEROS FENOMENAIS EM GÊNESIS 1
- OS NÚMEROS PERFEITOS
- GÊNESIS, JOÃO E AS CONSTANTES MATEMÁTICAS UNIVERSAIS
- O MISTERIOSO NÚMERO 137
- O NÚMERO 137 E OS NÚMEROS PRIMOS
- A NUMEROLOGIA DO GÊNESIS E O TEOREMA DE PITÁGORAS
- A VELOCIDADE DA LUZ
- A SABEDORIA DE DEUS - UM DESAFIO PARA OS CÉTICOS
- AS 5 PRIMEIRAS PALAVRAS DO GÊNESIS - MAIS UM FENÔMENO NUMÉRICO E RARÍSSIMO NA MATEMÁTICA
- UM DESAFIO PARA OS CÉTICOS

Seria interessante e instrutivo que você, depois de ler o livro, olhasse 7 estudos em slides que tratam do mesmo tema e que são intitulados "O CÓDIGO GÊNESIS", também disponíveis para download no endereço abaixo:

* Para fazer o download do livro e slides, copie o link abaixo e cole no navegador, que dará acesso direto a pasta de arquivos. Qualquer dúvida ou sugestões, contate-me ou deixe um comentário.

http://cid-d2396f04ab689fc6.skydrive.live.com/browse.aspx/.res/D2396F04AB689FC6!130

Link corrigido: http://1drv.ms/1oRUpEM

sábado, 12 de setembro de 2009

POR QUE DEUS FEZ O MUNDO EM 6 DIAS... QUANDO PODERIA TER FEITO NUM SEGUNDO SÓ?



Apresento a todos os curiosos e mentes inquisidoras o livro POR QUE DEUS FEZ O MUNDO EM 6 DIAS... QUANDO PODERIA TER FEITO NUM SEGUNDO SÓ?, com estudos detalhados a respeito dos temas que temos apresentados aqui constantemente.

Conteúdo:

INTRODUÇÃO – UMA LOUCA OBSESSÃO QUE LEVOU A UMA EXTRAORDINÁRIA REVELAÇÃO

CAPÍTULO 1 – POR QUE 7?

CAPITULO 2 – A LEI DOS SETES - A MARAVILHOSA ESTRUTURA HÉPTICA DA BÍBLIA

CAPITULO 3 – AFINAL, POR QUE DEUS FEZ O MUNDO EM 6 DIAS QUANDO PODERIA TER CRIADO TUDO NUM SEGUNDO SÓ?

CAPITULO 4 – O FIM REVELADO NO PRINCIPIO

CAPITULO 5 – ISRAEL – O RELÓGIO DE DEUS

CAPÍTULO 6 – ISRAEL NO CENTRO DOS ACONTECIMENTOS MUNDIAIS

CAPITULO 7 – O ENIGMA DAS 70 SEMANAS

CAPITULO 8 – COMO DEUS DIVIDE OS TEMPOS E AS ESTAÇÕES

CAPITULO 9 – AS 7 PARÁBOLAS PROFÉTICAS

CAPITULO 10 – AS 7 FESTAS PROFÉTICAS DE ISRAEL

CAPITULO 11 – A PEDRA QUE ESMIUÇARÁ TUDO

CAPITULO 12 – SETE PRINCIPIOS SOBRE AS PROFECIAS BÍBLICAS

CAPITULO 13 – A LEI DOS SETES E AS PROFECIAS BÍBLICAS – UMA RELAÇÃO IMPOSSIVEL DE SER NEGADA

CAPITULO 14 – O SIGNO DA PROFECIA

CONCLUSÃO – COMO DEUS CALCULA NOSSO TEMPO NA TERRA?

* Para fazer o download, copie o link abaixo e cole no navegador, que dará acesso direto a pasta de arquivos. Qualquer dúvida ou sugestões, contate-me ou deixe um comentário.

http://cid-d2396f04ab689fc6.skydrive.live.com/browse.aspx/.res/D2396F04AB689FC6!130

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

OS NÚMEROS NA BÍBLIA - ACASO OU PROJETO?

Existem muitos números na Bíblia. Alguns deles aparecem em contextos que levam a crer que possuam significados ocultos. Por exemplo, quando Jesus ressuscitou, o Evangelho de João conta que os discípulos, que passaram a noite sem pescar nada, sob o comando de Cristo, apanharam surpreendentemente 153 grandes peixes (João 21.11). Por que exatamente 153? Se é simplesmente história de pescador por que não falar de 150, 160, 200 ou 300 peixes? Por que exatamente 153?

Coincidentemente o número 153 não é um número qualquer, mas possui algumas propriedades interessantes. É um número triangular (a soma de 1 a 17). E é também um dos quatro números (abaixo de 1000) que possuem a estranha propriedade da soma do cubo de cada algarismo ser igual ao próprio número.

• 153 = 1³ + 5³ + 3³
Os outros são:
• 370 = 3³ + 7³ + 0³
• 371 = 3³ + 7³ + 1³
• 407 = 4³ + 0³ + 7³

Em outro exemplo, quando aconteceu o naufrágio do navio em que o apóstolo Paulo era mantido como prisioneiro dos romanos, a Bíblia declara, de forma inequívoca, que o número dos tripulantes era de exatos 276 (Atos 27.37). Novamente um número exato. Por que não 250, 300, etc.?

Surpreendentemente 276 é um número triangular. E triangular do número 23.
Voltando ao número 153. Há alguma relação entre ele e o contexto em que foi citado? Bem, como explicado anteriormente, 153 peixes foram apanhados depois da ressurreição de Cristo, conforme o Evangelho de João. 153 é o triangular de 17, e pelo calendário judaico, Jesus teria ressuscitado no dia 17 do primeiro mês (Nisan). Pela gematria (sistema antigo em que valores eram atribuídos às letras), existem algumas palavras, em grego, cujos valores têm o fator 153. E elas possuem uma ligação muito forte com o incidente conhecido como “pescaria milagrosa”.

Fonte:E. W. Bullinger, OS NÚMEROS NAS ESCRITURAS.

O número 666 – Esse, certamente é o número bíblico mais famoso do mundo. Centenas de teses foram levantadas no decorrer da história, em várias (e muitas vezes vãs) tentativas de se desvendar o significado desse número misterioso.
Ele é citado num contexto sinistro. É o número da Besta (Apocalipse 13.18), que seria o símbolo de um grande ditador, o qual governaria o mundo em um futuro próximo.

O interessante é que o texto bíblico afirma que 666 é o número do nome de alguém e que, os sábios poderão calcular esse número. Como é que alguém pode calcular um nome? Para aqueles que viviam há 2000 anos, quando a língua grega era a língua do comércio, a língua internacional (semelhantemente o que o inglês é na época atual), não era mistério que qualquer palavra grega possuía um valor numérico. É que o alfabeto grego (da mesma forma que o hebraico) possuía valores numéricos.

Como se sabe, os gregos não conheciam os algarismos e, portanto, usavam as letras como números. Isso deu margem para todo tipo de enigma e superstições.
Por exemplo, havia uma conhecida frase sobre Nero, conforme nos conta o especialista em história dos números, o marroquino Georges Ifrah:

"Evocando o assassinato de Agripina, Suetônio (Nero, 39) aproxima o nome de Nero, escrito em grego, da frase Idian Metera apekteine (“Matou sua própria mãe”), tendo os dois grupos correspondentes exatamente o mesmo valor no sistema numeral grego.” (História Universal dos Algarismos, págs. 540-541).



Na citada obra de Ifrah existem inúmeros exemplos de enigmas, brincadeiras e poesias envolvendo os valores alfas-numéricos das línguas hebraica e grega.



Observemos que faltam as letras correspondentes aos valores 6 e 90. Ifrah explica:
“A numeração em questão emprega, com efeito, as vinte e quatro letras do alfabeto grego clássico às quais acrescentava os três sinais alfabéticos digama, kopa e san, que pouco a pouco caíram em desuso.” (pág. 467).

As letras digama, kopa e san, correspondiam, respectivamente, aos valores 6, 90 e 900 (diga-se de passagem que essas três letras não aparecem no texto grego do Novo Testamento - Peter Bluer, in “A PROOF SET IN STONE”).

Mas por que o número da Besta seria 666? Em muitas passagens bíblicas o número 6 aparece relacionado ao homem em algum momento especial de rebelião contra o Criador. Exemplos:

a) O gigante Golias, que desafiou o povo de Deus, tinha 6 côvados de altura (aprox. 3 metros) e a ponta de sua lança pesava 600 siclos (100 x 6). 600 siclos era aprox. 7 kg. O gigante possuía ainda 6 armas ou peças de defesas (1 Samuel 17.4-7). Portanto, é evidente o destaque do número 6 na vida de Golias. Surpreendentemente seu nome aparece apenas 6 vezes na Bíblia.

b) O rei Nabucodonosor ordenou a construção de uma estátua, que tinha exatamente 60 côvados de altura (aprox. 30 metros) e 6 de largura, e ordenou que ela fosse adorada (Daniel 3.1).

c) O Faraó do Egito perseguiu o povo de Israel com 600 carros (Êxodo 14.7).

d) Foi no ano 600 de Noé que veio o Dilúvio sobre a terra e justamente no versículo 6 do 6.º capítulo do primeiro livro da Bíblia (Gênesis), DEUS SE ARREPENDE DE HAVER CRIADO O HOMEM! É exatamente no capítulo 6 da Bíblia que ocorre a corrupção universal do ser humano.

e) O primeiro livro da Bíblia com nome de homem (JOSUÉ), é justamente o 6.º e no capítulo 6 desse livro mostra a destruição de Jericó uma cidade rebelde. É bom observar também que esse 6.º livro tem exatamente 24 capítulos, ou seja, 4 x 6.

f) Na Bíblia, o homem sem Deus é chamado de VELHO HOMEM e esta expressão aparece no 6.º livro do Novo Testamento (ROMANOS), no 6.º capítulo e no 6.º versículo.

g) O tempo do homem na terra está dividido em ciclos de 6. A demonstração é simples: O ano está dividido em 12 meses (2 x 6). O mês está dividido em 30 dias (5 x 6). O dia está dividido em 24 horas (4 x 6). A hora tem 60 minutos (10 x 6). De igual forma o minuto, que tem 60 segundos.

h) Jesus sofreu 6 horas na cruz, no 6.º dia da semana, para resgatar o homem de volta para Deus. E além do mais, Ele teve 6 ferimentos especiais (nas duas mãos, nos dois pés, no peito e na cabeça).

i) Quando criou o homem, Deus lhe outorgou 6 domínios. 6 são revelados em Gênesis 1.26:

01 - Sobre os peixes do mar;
02 - Sobre as aves do céu;
03 - Sobre os animais domésticos;
04 - Sobre toda a terra;
05 - Sobre todo réptil que se arrasta sobre a terra;
06 - O 6.º é revelado em Gênesis 4.7, quando Deus fala para Caim: “Porventura se procederes bem, não se há de levantar o teu semblante? e se não procederes bem, o pecado jaz à porta, e sobre ti será o seu desejo; mas sobre ele tu deves dominar”. O 6.º domínio é o domínio próprio, ou seja, o domínio de si mesmo.

j) Há exatamente 6 palavras significando HOMEM, nos textos originais da Bíblia: São 4 em hebraico e duas em grego: 1- ADAM (Gn 1.26; 2.7; 3.24, etc.), que significa somente HOMEM; 2 – ICHE (Zc 6.12), significa VARÃO COMPLETO, HOMEM FORTE; 3 – ENOX (Sl 8.4; 73.5): quer dizer: MORTAL, HOMEM FRACO; 4 – GEHVER (Ex 10.11; Zc 13.7), é HOMEM DE VALOR OU DE PRESTIGIO; 5 – ÂNTROPOS, em grego é igual a ADAM, do hebraico; 6 – ÂNER, no grego, é igual ao hebraico ICHE - E. W. Bullinger, NÚMEROS NAS ESCRITURAS.

Nos exemplos citados observamos claramente a relação entre o homem e o número 6. Se lembrarmos que, de acordo com a Bíblia, Deus criou o homem no 6.º dia da criação, e mais tarde ordenou-lhe que trabalhasse 6 dias na semana, é impossível não relacionar esse número com a humanidade.

Portanto, o escritor do Apocalipse não citou o número 666 de forma aleatória. Outro fato surpreendente é que a palavra BESTA, relacionada ao futuro ditador mundial (conforme os profetas bíblicos) aparece 36 vezes em Apocalipse. E 666 é exatamente o triangular de 36. Seria puramente coincidência?

Por isso, excetuando-se as teorias mirabolantes que “provam” que este ou aquele líder mundial é o Anticristo, a maioria dos teólogos cristãos concorda que o número 6 simboliza o homem e 666 representaria o homem na sua rebelião total contra o Deus Trino da Teologia Cristã.

Se 6 é o número do homem, na outra extremidade temos o número 1, que claramente indica a Divindade Suprema. Existem dezenas de referências bíblicas mostrando a identificação do Criador com o número 1.

a) Deuteronômio 6.4: “Ouve, ó Israel; o Senhor nosso Deus é o ÚNICO Senhor”;

b) João 17.3 “E a vida eterna é esta: que te conheçam a ti, como o ÚNICO Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, aquele que tu enviaste”;

c) 1 Timóteo 1.17 “Ora, ao Rei dos séculos, imortal, invisível, ao ÚNICO Deus, seja honra e glória para todo o sempre. Amém.”;

d) Efésios 4.6: “[Há] UM só Deus e Pai de todos, o qual é sobre todos, e por todos e em todos”;

e) I Timóteo 2.5: “Porque há UM só Deus, e UM só Mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus, homem”;

f) “Eu, eu sou o Senhor, e fora de mim não há salvador” (Isaias 43.11); “Assim diz o Senhor, Rei de Israel, seu Redentor, o Senhor dos exércitos: Eu sou o primeiro, e eu sou o último, e fora de mim não há Deus” (Isaias 44.6); “Lembrai-vos das coisas passadas desde a Antigüidade; que eu sou Deus, e não há outro; eu sou Deus, e não há outro semelhante a mim” (Isaias 46.9);

g) “E o Senhor será rei sobre toda a terra; naquele dia UM será o Senhor, e UM será o seu nome” (Zacarias 14.9).

Por toda a Bíblia, a mensagem é clara: Há um Único Deus, e os outros são falsos. Nos tempos antigos (como hoje), a humanidade sempre foi tentada a adorar centenas de deuses. Mas as Sagradas Escrituras se destacam de todas as outras escrituras religiosas por enfatizar que o Universo foi criado por apenas um Deus.

Se o número do homem é 6 e o número de Deus é 1, fica fácil entender porque o número 7 é, de longe, o número mais célebre da Bíblia – além de possuir um destaque notável em outras tradições religiosas.

A mensagem dos escritores bíblicos é que o homem (número 6) não pode viver alienado de Deus (número 1). Por isso, 6 + 1 ou HOMEM + DEUS é igual a 7. É impressionante o número de coleções envolvendo o número 7 e a importância que as religiões e filosofias dão a ele.

Nonato Masson, autor maranhense, escreveu em 07 de janeiro de 1988, no jornal “O Estado do Maranhão”:

“O número 7 na Bíblia é o número divino; no judaísmo é o da mensagem; para os budistas é o místico; para os teosofistas é o da sorte; para os muçulmanos é o do céu; para os gregos é o da sabedoria; para a numerologia é o do mistério; para a maçonaria é o absoluto; para a umbanda é o da magia branca; e para a quimbanda é o da magia negra.”


Existem muitas coisas e acontecimentos ao redor do mundo, destacando o número 7.

• 7 são os dias da semana;
• 7 são as cores do arco-íris;
• 7 são os algarismos romanos;
• 7 são as colinas de Roma;
• 7 são as cidades sagradas da India;
• 7 as torres de Constantinopla;
• 7 eram as Artes na Antiguidade;
• 7 eram as Belas-Artes;
• 7 eram as Maravilhas do mundo antigo;
• 7 eram os sábios da Grécia;
• 7 as notas musicais;
• 7 os anões da Branca de Neve;
• 7 os edifícios sagrados da antiga Babilônia;
• 7 foram os reis da antiga Roma;
• 7 rainhas na História foram chamadas de CLEÓPATRA;
• 7 eram os deuses da antiga mitologia chinesa;
• 7 é a nota mínima para aprovação em muitas escolas;
• O canário nasce aos 14 dias (2 x 7); a galinha aos 21 dias (3 x 7); os patos e gansos aos 28 dias (4 x 7); o ganso silvestre aos 35 dias (5 x 7); e os papagaios e avestruzes aos 42 dias (6 x 7).
• No ciclo genital da mulher, a ovulação ocorre no 14.º dia ( 2 x 7); a implantação do óvulo na cavidade interna é no 21.º dia (3 x 7); o ciclo menstrual é de 28 dias (4 x 7), e a gravidez se completa em 280 dias (40 x 7).
• Na religião Islâmica, são 7 os céus e são 7 as portas do inferno;
• O peregrino do islã deve dar 7 voltas em torno da Caaba Sagrada (um ídolo); e, em certo ritual, lança para trás de si 7 pedras, para afugentar o demônio.
• De acordo com a religião Budista, Buda passou 49 dias (7 x 7), em meditação debaixo da árvore Bô; há as 7 jóias de Chakravarti; há 7 meios para o homem se tornar puro: domínio de si mesmo, investigar a verdade, energia, alegria, serenidade, concentração e magnanimidade.
• Na religião Egípcia, são 7 os sábios nascidos do olho direito de Amon Rá, o deus-sol.
• No antigo Egito, a múmia de um Faraó era colocada de frente para o Oriente, para “ver” o sol nascer 7 vezes.
• Os egípcios guardavam no leito do filho recém-nascido 7 pedras de cores diferentes. Para eles, o número 7 era símbolo de longa vida.
• Na religião Católica Romana, 7 são as glórias da Virgem, 7 são os Sacramentos, 7 são os pecados mortais,7 são as virtudes,7 são as ordens eclesiásticas, há a missa de 7.º dia. Há ainda na tradição católica: as 7 quedas de Cristo, do jardim à casa de Anás, 7 mistérios da coroa, 7 gozos de São José, 7 espadas cravadas no peito da Virgem da Amargura, etc.
• Na Mitologia greco-romana, Vênus possuía um cinto mágico com as 7 armas da sedução feminina; são 7 os tubos da flauta de Pã; são 7 as cordas da lira de Apolo; são 7 os véus de Íris; o minotauro (monstro fabuloso) exigia como sacrifício 7 moças e 7 rapazes anualmente.
Na linguagem popular,
• Atingir o 7.º céu – significa o máximo de felicidade;
• Pintar o 7 – fazer travessuras;
• Fechar a 7 chaves – bem trancado;
• Homem de 7 instrumentos – pessoa que exerce muitas atividades diferentes;
• 7 fôlegos – ser resistente ou persistente;
• bola 7 – a bola preta no jogo de Sinuca, que vale 7 pontos.
• 7 costados – pessoa de linhagem nobre;
• 7 ameixeira – na Hungria, significa pessoa muito pobre;
• Tipo 7 – pessoa fina (no sentido de elegante), coisa de valor, objeto raro;
• Barriga de 7 almoços – individuo comilão, também chamado de barriga de 7 malas;
• Bicho de 7 cabeças – coisa muito complicada;
• 7 cães e um osso – alusão feita a uma coisa que é desejada por muita gente;
• Andar nas suas 7 quinas – significa viver contente, cheio e alegria;
• Viajar pelos 7 mares – viajar pelo mundo todo;
• 7 falas doces usa uma pessoa quando engana alguém;
• O gato tem 7 vidas;
• Há 7 anos de azar para quem quebrar um espelho;
• 7 virtudes – apelido de cachaça, no Nordeste. Dizem os viciados que ela aquece, refresca, anima, clareia, sara, alegra e faz esquecer.
Existem centenas de livros, filmes, novelas, contos, músicas e poesias envolvendo algum tema ou título envolvendo o número 7.
Alguns destaques do número 7 na Bíblia:
• Quando Caim matou Abel, Deus disse-lhe que, quem o matasse, seria punido 7 vezes (Gênesis 4);
• Um descendente de Caim, chamado Lameque, matou um homem e exclamou: “Aquele que matar Lameque será castigado 70 x 7!”;
• Deus fez 7 promessas para Abraão (Gn 12.1-3) ;
• Havia 7 peças de roupa no Sumo Sacerdote (Ex 28.4,42);
• Havia 7 objetos que eram ungidos com óleo santo;
• Eles eram ungidos 7 vezes;
• 7 vezes era feita a unção de azeite no altar (Lv 8.10,11);
• No 7.º mês era feito um sacrifício expiatório por todo o povo (Lv 16.29);
• 7 vezes no dia Davi louvava a Deus pela sua justiça (Sl 119.164);
• No tempo do profeta Elias, 7 mil permaneceram fiéis a Deus, quando a nação de Israel caiu na idolatria (I Rs 19.18);
• 7 pessoas na Bíblia foram chamadas por Deus, com a repetição dos seus nomes: Abraão (Gn 22.11), Jacó (Gn 46.2), Moisés (Ex 3.4), Samuel (I Sm 3.10), Marta (Lc 10.41), Simão Pedro (Lc 22.31), e Saulo (At 9.4);
• No pacto entre Abraão e o rei Abimeleque, foram separados 7 cordeiros (Gn 21.27-31);
• Jacó trabalhou 7 anos por Raquel e depois mais 7 anos (Gn 29.20);
• Um Faraó do Egito sonhou com 7 vacas magras comendo 7 vacas gordas, e 7 espigas mirradas comendo 7 espigas cheias; José interpretou o sonho dizendo que haveria de vir sobre o Egito 7 anos de fartura, seguidos de 7 anos de fome (Gn 41);
• José chorou a morte do seu pai por 7 dias (Gn 50.10).
• O candelabro do tabernáculo tinha 7 braços, com 7 lâmpadas (Ex 25.31-40).
• Sansão tinha 7 tranças (Jz 16.7,13).
• Salomão levou 7 anos para construir o Templo de Deus (I Rs 6.38).
• O general Naamã, para ser curado da lepra, de acordo com o profeta Eliseu, mergulhou 7 vezes no rio Jordão (II Rs 5.14).
• A criança que Eliseu ressuscitou, espirrou 7 vezes (II Rs 4.35).
• Salomão escreveu que a Sabedoria tem 7 colunas (Pv 9.1).
• Nabucodonosor, rei da Babilônia, mandou aquecer a fornalha 7 vezes mais para queimar os três jovens que não quiseram se ajoelhar diante da estátua (Dn 3.19).
• O livro dos Salmos foi escrito por 7 autores (Davi, os filhos de Coré, Asafe, Hemã, o ezraita, Etã, o ezraita, Moisés e Salomão).
• No Antigo Testamento, 7 pessoas foram chamadas de “homens de Deus” : Moisés (Dt 33.1), Davi (2 Cr 8.14), Samuel (I Sm 9.6), Semaías (I R 12.22), Eliseu (II Rs 4.7), Elias (I Rs 17.18) e Jigdalias (Jr 35.4).
• 7 homens foram escolhidos para administrar a área social da Igreja, no livro de Atos (At 6.1-7).
• Jesus curou o filho de um oficial, à hora 7.ª (Jo 4.52).
• Jesus expulsou 7 espíritos malignos de Maria Madalena (Mc 16.9).
• No capítulo 7 do 7.º livro da Bíblia (= Juízes), a palavra “trombeta” aparece 7 vezes.
• Na multiplicação dos pães para quatro mil pessoas (sem contar mulheres e crianças), Jesus usou 7 pães e dois peixes. E no final, ainda sobraram 7 cestas cheias (Mt 14 e 15).
• Quando estava crucificado, Jesus falou 7 vezes (Lc 23.34; Lc 23.43; Jo 19.26-27; Mc 15.34-36; Jo 19.28; Lc 23.46; Jo 19.30).
• A famosa oração do Pai Nosso tem exatamente 7 petições (Mt 6.9-13).
• Deus ordenou que 7 sacerdotes tocando 7 trombetas rodeassem a cidade de Jericó durante 6 dias, e no 7.º dia rodeassem a cidade 7 vezes (Js 6).
• Jesus disse para Pedro que devemos perdoar nossos irmãos 70 x 7 (Mt 18.21-22).
• Deus disse ao profeta Daniel que libertaria o seu povo após 70 x 7 semanas (Dn 9.24-27).
Só no livro de Apocalipse, encontramos:
• As 7 Bem-Aventuranças especiais, 7 castiçais, 7 estrelas e 7 Igrejas;
• Um Cordeiro com 7 chifres e 7 olhos, que fica entre 7 tochas de fogo e é adorado com 7 palavras de louvor;
• Um livro selado com 7 selos, 7 anjos com 7 trombetas, 7 trovões, 7 personagens misteriosos, um dragão com 7 cabeças e uma fera selvagem também com 7 cabeças, representando 7 reis;
• 7 mensagens de advertências, 7 taças da ira de Deus, 7 clamores sobre Babilônia;
• 7 aberturas, 7 promessas para os mártires e 7 “jamais” contra Babilônia;
• 7 julgamentos, 7 notas de vitória, 7 coisas novas da Eternidade, etc.
Não há como negar a importância que os escritores bíblicos dão ao número 7.

Em segundo lugar temos o número 3.

- 3 as fases da existência humana: nascimento, vida e morte.
- 3 as divisões do tempo: passado, presente e futuro.
- 3 os reinos da Natureza: animal, vegetal e mineral.
- 3 as partes principais do corpo humano: cabeça, tronco e membros.
- 3 as dimensões do espaço: comprimento, largura e altura.
- 3 as palavras do lema da Revolução Francesa: Liberdade, Igualdade e Fraternidade.
- 3 os poderes que regem a nação: Executivo, Legislativo e Judiciário.
- 3 medalhas olímpicas (ouro, prata e bronze).
- Geralmente numa competição existe premiação para o 1.º, 2.º e 3.º lugar.
- A educação brasileira (e em muitos países) é dividida em três graus: Ensino fundamental, Médio e Superior.
- 3 estados da água: líquido, sólido e gasoso.
- 3 Mosqueteiros, 3 Patetas, 3 porquinhos, 3 sobrinhos do Pato Donald, 3 Cavalheiros da Terezinha de Jesus, 3 toques na madeira e o azar se vai, 3 pontos na assinatura dos Maçons, Um é pouco, dois é bom, três é demais, etc.

Existem centenas de fatos bíblicos relacionados ao número 3.

Alguns exemplos somente nos dois primeiros capítulos da Bíblia:

- Está escrito 3 vezes que Deus “criou” (Gn 1.1,21 e 27);
- 3 vezes diz que Deus “fez” (Gn 1.7,16,25);
- 3 vezes Deus nomeia as coisas (Gn 1.5,8,10);
- 3 vezes Deus separa ou divide (Gn 1.4,7,18);
- 3 vezes Deus abençoa (Gn 1.22,28 e 2.3);
- Deus criou 3 tipos de vida (vegetal, animal e humana), etc.

Há centenas de exemplos bíblicos:

- Os 3 filhos de Noé, 3 amigos de Jó, 3 companheiros de Daniel; O Tabernáculo tinha 3 partes (Pátio, Lugar Santo e Santo dos Santos); o homem tem 3 partes (Espírito, Alma e Corpo); na tentação de Jesus houve 3 propostas do Diabo; 3 apóstolos acompanharam Jesus em 3 ocasiões especiais (Pedro, Tiago e João); Jesus é O Caminho, A Verdade e A Vida; haviam 3 cruzes no Calvário; a inscrição na cruz de Jesus foi feita em 3 línguas (hebraico, grego, latim); Jesus ressuscitou no 3.º dia, há 3 virtudes no Cristianismo (Fé, Esperança e Amor), etc.

Por que esses dois números são tão freqüentes em nossa vida?
É fato que as religiões antigas (não somente a judaica e cristã) tinham uma preferência misteriosa pelo número 7. Pesquisadores atribuem isso ao fato de que muitos povos antigos acreditavam na existência de somente 7 planetas (e que o sol e a lua eram dois deles). Mas a Bíblia não fala de 7 planetas em lugar nenhum, porém mostra, logo de inicio, Deus criando o mundo em 7 dias.

Os fatos bíblicos são que o número 1 está relacionado a Deus, o 6 ao homem, e que o homem não pode viver sem Deus (1 + 6). E quanto ao 3? O maior mistério do Cristianismo é a crença num ÚNICO DEUS EM TRÊS PESSOAS DIVINAS, a Doutrina da Santíssima Trindade. Basta este fato para realçar a importância do número 3.
E por que existe um padrão numérico oculto nos textos originais da Bíblia envolvendo os números 3 e 7? É o que iremos estudar a seguir.

A RELAÇÃO ENTRE OS NÚMEROS E DEUS

Desde os tempos mais antigos da humanidade, sábios e filósofos sempre imaginaram haver alguma relação entre a Divindade e os números. Incontáveis obras foram escritas, originando-se uma infindável série de teorias das mais simples às mais fantasiosas. Era comum um filósofo ou matemático ter um pensamento relacionando os números (ou a matemática) à Divindade.

• “A matemática é o alfabeto com o qual Deus escreveu o mundo” Galileu Galilei

• “Pela evidência intrínseca da sua criação, o Grande Arquiteto do Universo começa agora a parecer um puro matemático” Sir James Jeans

• “Tudo é número” Pitágoras

• “O número domina o Universo” Pitágoras

• “Deus é o Grande Geômetra. Deus geometriza sem cessar” Platão

• “Deus arimetizou a Terra e o Céu” Jacobi

• “Os números ímpares agradam a Deus” Virgilio.

É inegável que a Matemática alcançou um progresso extraordinário nas mentes desses homens que não viam problema nenhum em investigar os mistérios das ciências e ao mesmo tempo acreditar numa entidade superior, chamada Deus.

No passado a Matemática era irmã da Teologia e viviam em harmonia. Santo Agostinho, grande teólogo cristão, disse: “Sem a Matemática não nos seria possível compreender muitas passagens das Santas Escrituras”.
Por outro lado, os atributos de Deus (conforme a Bíblia) possuem um paralelo inegável com o caráter dos números, o que aumenta a suspeita da existência de uma intricada relação Números-Deus.

Os números – tal como Deus – não possuem inicio e nem fim;
Os números – tal como Deus – são exatos e perfeitos;
Os números – tal como Deus – não fazem acepção de pessoas ou raças. Qualquer calculadora, em qualquer parte do mundo, se efetuada a operação correta, terá o mesmo resultado;
Os números – tal como Deus – são imutáveis. 3 + 4 sempre será 7;
Os números – tal como Deus – possuem uma linguagem universal. O quadrado de 8 é 64 em qualquer língua e idioma. As fórmulas matemáticas são universais;
Os números – tal como a Mente Divina – são extremamente profundos. Nunca ninguém conseguirá entender tudo.
Os números – tal como Deus – são onipresentes.

No final do século XIX, um matemático russo, Ivan Panin, desenvolveu uma tese matemática afirmando existir um código numérico nos textos originais da Bíblia e que, através de tal código, Deus queria demonstrar aos homens a prova matemática da inspiração sobrenatural das Escrituras judaicas, as quais deram origem a religião cristã.
Tomando como base inicial as pesquisas do Dr. Panin e fundamentando-se em novas descobertas de pesquisadores recentes (tais como o inglês Dr. Peter Bluer, o americano Vernon Jenkins, etc.) e trabalhos pioneiros como os dos grandes teólogos E. W. Bullinger e F. W. Grant, desejamos apresentar uma série de artigos, demonstrando a existência da conexão Números-Deus nos textos bíblicos e citar as evidências da estrutura matemática oculta nos escritos originais das Escrituras judaico-cristãs; desejamos também:

 Citar exemplos do uso de números significativos nas histórias bíblicas;
 Analisar o primeiro versículo da Bíblia na sua escrita original hebraica;
 Mostrar como os antigos hebreus e gregos usavam as letras do seu alfabeto para executarem cálculos matemáticos;
 Expor as coincidências numéricas ocultas nos textos bíblicos;
 Apresentar exemplos irrefutáveis de padrões matemáticos relacionando os textos bíblicos com importantes constantes das ciências exatas (Número π, número de Euler, Velocidade da Luz, Constante de Estrutura Fina, etc.).
 Provocar reflexões sobre a existência de Deus, o porquê da nossa existência exatamente neste planeta, a Bíblia como a Revelação de Deus à Humanidade e da necessidade do homem moderno se voltar para Deus, conforme as normas do Evangelho de Jesus Cristo.

sábado, 25 de julho de 2009



Até aqui temos estudado muitas profecias interessantes – e existem muitas outras na Bíblia, em lugares que você nem imagina. Hoje desejo falar um pouco a respeito de alguns princípios que descobri estudando as profecias bíblicas e obras relacionadas ao tema, escritas por estudiosos que dedicaram a vida pesquisando os mistérios de Deus.

1 – A PROFECIA BÍBLICA SE APRESENTA DE TRÊS FORMAS:

a) LITERAL

Quando as palavras querem dizer exatamente aquilo que estão claramente dizendo. Exemplo:

“Dize portanto à casa de Israel: Assim diz o Senhor Deus: ...Pois vos tirarei dentre as nações, e vos congregarei de todos os países, e vos trarei para a vossa terra.” (Ezequiel 36.22, 24).

O profeta não está usando uma linguagem simbólica. Israel é Israel mesmo. Tentando negar que Deus ainda tem um plano para o povo de Israel, alguns teólogos tentam espiritualizar versículos como estes, afirmando que: Israel aqui simboliza a Igreja Cristã. Ser tirado do meio das nações e ser trazido para sua terra significa Deus tirando o pecador do mundo e trazendo para a Igreja – Que imaginação exagerada!

A profecia é simples e clara: Deus vai tirar o povo de Israel de entre as nações e os trará para sua própria terra – e isso Ele já começou fazer desde o ano de 1948. A maioria das profecias bíblicas devem ser interpretadas literalmente.

b) SIMBÓLICA

A própria linguagem do texto desperta na mente de um estudioso prudente e sensato a sensação de que o texto é simbólico e não literal. Exemplo:

“Então vi subir do mar uma besta que tinha dez chifres e sete cabeças, e sobre os seus chifres dez diademas, e sobre as suas cabeças nomes de blasfêmia.” (Apocalipse 13.1)

Lendo o contexto da história percebemos claramente que essa besta é um homem e seu reino anticristão, que se levantará nos últimos dias contra Deus e Seu povo. Cada chifre e cabeças têm um significado, o qual descobrimos quando, pacientemente, estudamos as profecias, e comparamos versículos com versículos. E a profecia pode ser também...

c) TIPOLÓGICA

O que é isto? Um tipo, segundo os estudiosos das profecias, é uma pessoa, objeto ou acontecimento que refletem acontecimentos e pessoas que se levantarão no futuro. É como se fossem representados de forma dramatizada antes de ocorrer.

Muitos personagens do Antigo Testamento foram figuras tipológicas de Jesus, e suas ações muitas vezes prefiguravam coisas que Jesus iria fazer quando aparecesse na terra. Existem incontáveis exemplos na Bíblia, e mostramos vários deles nos slides e estudos postados no site www.arquivosete.webs.com

2 – TODA BÍBLIA É PROFECIA

Outra verdade que nos leva a ver a Bíblia com outros olhos. Todas as histórias reais da Bíblia, são, ao mesmo tempo, reflexos dos acontecimentos futuros. Deus escreve a história mundial por trás de cada história da Bíblia. Vejamos um exemplo:

Em Lucas 8.41-56, Jesus estava indo curar a filha de Jairo, quando, no meio do caminho é interrompido por uma mulher que há muitos anos sofria com uma terrível hemorragia. Depois de cuidar da mulher volta-se novamente para Jairo e seu problema, que, nesse intervalo de tempo havia piorado – agora sua amada filha estava morta.

Jesus entra na casa de Jairo, pede para todos os estranhos saírem, ficando somente Ele, os pais da menina e seus três discípulos mais chegados: Pedro, Tiago e João. Então a menina é ressuscitada. Sabemos que isso é uma história real. Mas poucos sabem que há uma interessante profecia oculta. Como assim?

No Plano de Deus Jesus veio primeiramente para o povo de Israel, mas foi rejeitado por eles. Então Deus se voltou para os Gentios (povos não judeus) e fez deles um novo povo chamado Igreja. De acordo com as profecias, quando a Igreja Cristã alcançar um determinado número de membros (somente conhecidos por Deus), ela será levada para o céu, e Jesus se voltará para salvar Israel, que estará diante de sua maior tragédia – ameaçado por todos os lados pelo Anticristo e seus exércitos. Como podemos ver tudo isso na história de Jairo?

01 – JAIRO – UMA FIGURA DE ISRAEL

a) Chefe da Sinagoga – Ele era judeu, ou seja, um filho de Israel.
b) Chamado pelo nome – Israel tem vários nomes na Bíblia, dado por Deus, enquanto que as nações gentias sempre são chamadas de nações, povos, línguas, etc.
c) A idade de sua filha – 12 anos – número profético – As 12 tribos

02 – A MULHER DO FLUXO DE SANGUE = UMA FIGURA DA IGREJA

a) Sem nome – Uma desconhecida, que apareceu de repente, do meio da multidão.
b) Imunda – até ser purificada por Jesus. Da mesma forma os Gentios eram considerados um povo imundo pelos judeus.
c) Sofrendo há 12 anos – número profético – Os 12 apóstolos.

* Importante ressaltar que a mulher ficou doente no mesmo ano em que a filha de Jairo nasceu. Isso seria por acaso?

03 – A MULHER ABENÇOADA ANTES DE JAIRO

- O tempo dos Gentios e o tempo de Israel no Plano de Deus. De acordo com as profecias, Jesus veio primeiro para Israel, foi rejeitado, então se voltou para os Gentios.

04 – A AFLIÇÃO DE JAIRO = A AFLIÇÃO DE ISRAEL = ARMAGEDOM

A grande angústia que se abateu sobre Jairo, enquanto Jesus cuidava da mulher estranha simboliza o grande medo que se abateu sobre Israel durante sua longa dispersão entre as nações (enquanto Jesus cuidava de Sua noiva, a Igreja), e que culminará na pior das guerras, Armagedom, quando Jesus voltará para salvar o Seu povo da antiga aliança.

a) “Tua filha está morta” – O mundo desabou para Jairo ao receber tal noticia. Da mesma forma durante o Holocausto parecia tudo perdido para os judeus, e durante a guerra de Armagedom, quando eles estarão cercados por todos os lados, a situação estará desesperadora.

b) Jesus mandou sair a todos os estranhos – Essa atitude de Jesus possui forte sentido profético, pois existem alguns paralelos na história passada e futura de Israel:

- Jacó ficou só quando teve o encontro decisivo com Deus – Gênesis 32
- José mandou sair todos os egípcios, e ficando a sós com seus irmãos revelou sua verdadeira identidade – Gênesis 45
- A mulher adúltera (João 8), que também é uma figura profética de Israel, ameaçado por todas as nações, ficou sozinha, quando foi perdoada por Jesus.
- E no final de tudo, Israel ficará sozinho, pois todas as nações estarão contra ele – Zacarias 12 e 14

05 – A RESSURREIÇÃO DA FILHA DE JAIRO – Aponta para a restauração final de Israel, que é comparada a uma ressurreição dentre os mortos em Ezequiel 36 e 37.

3 – TODOS OS NÚMEROS QUE APARECEM NAS PROFECIAS SÃO SIGNIFICATIVOS

Já temos visto vários exemplos. Existem números com fortes significados na Numerologia Bíblica (tais como 6, 7, 10, 12, 40, 50, etc.). Outros números (que nem aparecem no texto bíblico, tais como 47, 51, 95, etc.) não possuem significado nenhum. Portanto, não são todos os números que possuem significados dentro da Bíblia. Existem números significativos e não significativos. Quando um número significativo aparece numa história com certos reflexos proféticos, certamente esse número não está ali por acaso.

Exemplo: Na história de Jairo, que acabamos de analisar, com inegáveis paralelos proféticos, aparece um certo número, duas vezes. A mulher sofria há 12 anos e a menina tinha 12 anos de idade. Será que esse 12 está nessa história por simples coincidência? Se lembrarmos que esse número está relacionado ao povo de Deus da antiga aliança (Israel, formado por 12 tribos) e da nova aliança (A Igreja Cristã, formada a partir dos 12 apóstolos), tudo fica claro. Se outro número (por exemplo, 15) aparecesse nessa história não faria sentido.

Às vezes o número aparece de forma oculta. Jesus mandou sair a todos os estranhos, ficando somente Ele, os pais da menina e os três discípulos mais chegados, ao todo... exatamente 7 pessoas no quarto! Por que 7?

Portanto, todos os números que aparecem nos textos proféticos (e nas histórias com forte sentido profético) são significativos.

4 – DEUS DIVIDE OS TEMPOS PROFÉTICOS EM CICLOS DE SETES

Isso já foi provado no texto “COMO DEUS DIVIDE OS TEMPOS E AS ESTAÇÕES”, publicado no site www.arquivosete.webs.com e nos slides “OS SEGREDOS DA AGENDA DE DEUS”.

5 – HÁ SEMPRE UMA AMOSTRA GRÁTIS

Um dos princípios mais interessantes das profecias é que antes do cumprimento final, completo, as profecias costumam apresentar um cumprimento parcial, uma espécie de pré-cumprimento. Alguns exemplos:

a) Os profetas falaram muito sobre o Dia do SENHOR, um dia de julgamentos sobre o mundo, quando Jesus voltar. Muitas vezes, quando a nação de Israel pecava contra Deus e era atacada por nações estrangeiras, era como se o Dia do Senhor tivesse chegado. Quando os profetas anunciavam a chegada do fim para Israel (Ezequiel 7), isso indicava a invasão iminente de uma poderosa nação inimiga, mas ao mesmo tempo apontava para a pior angústia de Israel no fim dos tempos (Sofonias 1).

b) A destruição da Babilônia de Nabucodonosor foi ao mesmo tempo uma amostra grátis da destruição da futura Babilônia anticristã – Isaias 13; Jeremias 50 e 51; Apocalipse 18.

c) Antes da 1.ª Vinda de Jesus, muitos homens santos parecidos com Ele (Moisés, Elias, João Batista, etc.) andaram na terra. Muita gente perguntou para João Batista: “ES TU O MESSIAS?” (João 1.19-21).

d) Antes da vinda do verdadeiro Anticristo, muitos Anticristos têm se levantado (1 João 2.18): A lista é grande: Nero, Napoleão, Stalin, Hitler, Saddam Hussein, Osama Bin Laden, etc.

6 – GERALMENTE HÁ UM CUMPRIMENTO ESPIRITUAL ANTES DO CUMPRIMENTO LITERAL

A profecia é proferida pelo homem de Deus e registrada na história. Mas antes do seu cumprimento real (ou literal), muitas vezes ela se cumpre de forma espiritual. Isso não significa que não haverá um cumprimento literal. O cumprimento espiritual é apenas um pré-cumprimento. Alguns exemplos:

a) Na 1.ª Vinda de Jesus Ele trouxe LIBERTAÇÃO ESPIRITUAL para Israel – por isso foi rejeitado pela nação que aguardava um libertador político; na Sua 2.ª Vinda, Ele trará LIBERTAÇÃO ESPIRITUAL e FÍSICA para Israel.

b) As profecias indicam que o Anticristo se assentará no Templo (físico) de Deus em Jerusalém (2 Tss 2); já atualmente o espírito do Anticristo têm procurado se assentar no Templo (espiritual) de Deus (que é a Igreja Cristã e também o corpo do Cristão, 1 Cor 3.16; 6.19).

c) Atualmente os Cristãos estão (espiritualmente) assentados com Cristo nas regiões celestiais (Ef 2.6); mas futuramente estarão com Cristo assentados em tronos no futuro reino (Ap 3.21)

d) A redenção começa com a transformação do nosso homem interior, e na Ressurreição e Arrebatamento será também transformado nosso homem exterior (1 Cor 15.51-54).

e) Atualmente, muitas estrelas (= homens de Deus) estão (espiritualmente) caindo do firmamento (Dn 12.3; I Co 10.12); na Tribulação futura, as estrelas cairão literalmente dos céus (Ap 6.13).

f) Primeiro foi estabelecido o REINO ESPIRITUAL do Messias na terra, por meio da Igreja; futuramente seu REINO LITERAL será estabelecido na terra, por meio da Igreja e Israel.

g) Hoje, Jesus nos livra da morte espiritual (Ef 2.1); futuramente nos livrará da morte física (1 Cor 15.54).

7 – A CHAVE DAS PROFECIAS É ISRAEL

Não preciso comentar este 7.º princípio, pois em nosso site www.arquivosete.webs.com existem muitos estudos e slides sobre este tema.

A essência literária da Bíblia é a profecia. Deus se revela como o Único capaz de dizer o que vai acontecer amanhã... ou daqui a um milhão de anos! Na verdade, Ele desafia os deuses falsos, com o DESAFIO DA PROFECIA.

“Apresentai a vossa demanda, diz o Senhor; trazei as vossas firmes razões, diz o Rei de Jacó. Tragam-nas, e assim nos anunciem o que há de acontecer; anunciai-nos as coisas passadas, quais são, para que as consideremos, e saibamos o fim delas; ou mostrai-nos coisas vindouras. Anunciai-nos as coisas que ainda hão de vir, para que saibamos que sois deuses; fazei bem, ou fazei mal, para que nos assombremos, e fiquemos atemorizados.”
(Isaias 4.21-23)

“Assim diz o Senhor, Rei de Israel, seu Redentor, o Senhor dos exércitos: Eu sou o primeiro, e eu sou o último, e fora de mim não há Deus. Quem há como eu? Que o proclame e o exponha perante mim! Quem tem anunciado desde os tempos antigos as coisas vindouras? Que nos anuncie as que ainda hão de vir.” (Isaias 44.6-7).

Minha investigação sobre o número 7 deparou-se com um assunto que eu nunca tinha estudado antes: As profecias bíblicas. Para mim, profecia era apenas um amontoado de palavras horríveis falando do fim do mundo, destruição, catástrofe e mortes... nada mais! A figura de um profeta (como eu estava acostumado a ver na televisão e nos livros) era a de um homem de enorme barba branca, tão grande que atingia os pés, um eremita que vivia escondido nas montanhas, só aparecendo no meio da civilização de vez em quando para anunciar catástrofes e coisas semelhantes.

Mas eu estava totalmente enganado. É claro que as profecias falam muitas vezes de catástrofes, mas sempre trazem uma mensagem de esperança, de confiança no futuro. Descobri na Bíblia que as profecias foram reveladas ao povo de Deus para animá-los e ajudá-los a suportarem uma presente situação ruim, sabendo que O MELHOR AINDA ESTARIA POR VIR.

Depois de falar dos acontecimentos futuros relacionados à Segunda Vinda de Cristo, o apóstolo Paulo escreve aos Cristãos de Tessalônica:

“Portanto, consolai-vos uns aos outros com estas palavras.” (I Tessalonicenses 4.18).

Isso é o principal objetivo das revelações proféticas: consolar e animar o povo de Deus, avivando sua esperança na chegada de um mundo melhor. Mas a ordem natural das coisas tem tudo a ver com as profecias: PRIMEIRO A TEMPESTADE, DEPOIS A BONANÇA; PRIMEIRO A NOITE, DEPOIS O AMANHÃ.

“O choro pode durar uma noite, mas a alegria vem pela manhã.” (Salmo 30.5)
- Moacir R. S. Junior

segunda-feira, 25 de maio de 2009

COLEÇÃO SLIDES ARQUIVO7










São 39 estudos bíblicos (até agora)sobre profecias e numerologia, repletos de gráficos e imagens em formato slide power-point, perfeitos para serem apresentados com datas-show, em palestras e conferências.
As imagens acima são capas ilustrativas de cada slide. Quando puder farei a resenha de todos. Para baixar qualquer slide copie o endereço seguinte:

http://cid-d2396f04ab689fc6.skydrive.live.com/browse.aspx/.res/D2396F04AB689FC6!130

sábado, 14 de março de 2009

INTRODUÇÃO AO ARQUIVO7



Resenhas dos quatro primeiros slides da Coleção ARQUIVO7

- APRESENTANDO O ARQUIVO7
Em 1988 me envolvi com uma série de coincidências relacionadas ao número 7. Tentando entender o porque disso, comecei uma investigação obsessiva que culminou com uma série de descobertas nos textos bíblicos, onde eu iria encontrar a história e os significados do número que deu inicio a tudo. Este slide é apenas uma introdução a toda investigação.

- A MATEMÁTICA DA VIDA ETERNA
Neste slide, a investigação começa a ser esmiuçada nos mínimos detalhes. Acompanhe o rastro da simbologia do número 7 na História, nas Religiões mundiais, na ciência, nos ditados populares, na literatura, no cinema, e, claro, na Bíblia, mostrando um dos seus principais significados.

- A LEI DOS SETES
Muitos sábios do passado dedicaram um tempo de sua vida a tentar entender o porque da mística em torno do número 7. Um sábio judeu, vivendo na Alemanha, no século XIX, fez uma descoberta bíblica, a qual viria a chamar de "LEI DOS SETES". Este slide mostra os detalhes a respeito.

- 7 PRINCIPIOS SOBRE AS PROFECIAS BÍBLICAS
Aprofundando a investigação sobre o número 7 observei uma relação bem íntima com as profecias bíblicas. Passei então a estudar as profecias. Descobri (com base nos escritos de muitos especialistas no assunto) alguns principios interessantes que tornam a Bíblia mais fascinante do que já é. Quer conhecer os detalhes? Baixe o slide.

Todos os slides podem ser baixados no link:

sexta-feira, 9 de janeiro de 2009

AMOR, ENIGMAS E FILOSOFIAS - A 1.ª AVENTURA DOS "SETES"


Uma história de amor e mistérios, quando, pela primeira vez os "SETES" descobriram que "existem mais mistérios entre o céu e a terra do que sonha a nossa vã filosofia" no dizer de Shakespeare. Uma jornada bizarra ao mundo espiritual onde histórias de amor se confundem com pactos demoníacos e a busca pela juventude eterna.

Leia a seguir o PRÓLOGO do romance, para ter uma idéia do que vem pela frente.

PRÓLOGO

Cidade do Cairo, Egito, 1977.

Dentro de uma enorme sala, de forma oval, ao redor de uma comprida mesa, estavam 18 pessoas, portando capuzes e vestes vermelhas. No centro das vestes, e também sobre a mesa, havia um círculo branco,com o desenho de um escorpião dourado. Em cada capuz havia um círculo branco com um número em vermelho. Sentado numa cadeira diferente das outras, um dos encapuzados (o de número 1) que parecia ser o chefe naquela reunião, levantou-se e disse:
- Meus irmãos, quero dar as boas vindas a todos. Antes de discutirmos o assunto de hoje vamos ouvir os relatórios. Que se apresente o irmão Número 2.
O encapuzado chamado de Número 2, levantou-se e disse inicialmente:
- O infiel Douglas Malik foi enviado para o reino de Anúbis.

*******

Durante algum tempo, o Número 2 relata, cuidadosamente o desenrolar da missão sob sua responsabilidade. No final, o “Número 1” faz um agradecimento e um elogio. Logo em seguida, vários outros encapuzados fazem seus relatos. Cerca de meia hora depois, o Número 1 dá por encerrada a apresentação dos relatórios e apresenta uma nova pauta na reunião.
- Irmãos, hoje o irmão Número 7 receberá sua primeira missão. Como todos sabem, o ocupante do capuz número 7 morreu de forma trágica recentemente e de acordo com nossa Lei o herdeiro mais próximo deve ocupar o lugar do falecido. Ele já cumpriu e passou em todos os rituais de iniciação no mês passado, e hoje receberá sua primeira missão – O Número 1 aponta para o Número 7 e ordena – irmão, pode abrir o envelope.
O Número 7 apanha o envelope ao seu lado e abre. Enquanto examina a foto e as informações constantes num papel vermelho, ouve as palavras do Número 1:
- Você fará uma longa viagem ao Ocidente. Sua missão será realizada numa cidade chamada Porto Alegre, no Brasil. Nesse envelope está o rosto daquele que deve morrer.

*******

Porto Alegre, Brasil, duas semanas depois.
Jamal Kandahar, um jovem egípcio, professor de Arqueologia e História do Médio Oriente, está participando de uma conferência há dois dias. Há cientistas, professores, jornalistas e estudantes de várias partes do mundo. É uma conferência importantíssima sobre as mais recentes descobertas arqueológicas da Mesopotâmia e Egito. Um dos palestrantes é o famoso professor americano Victor Santinni, que reside há cinco anos no Brasil, e leciona História na mais tradicional Universidade de Porto Alegre.

Jamal estava tenso, muito tenso. Cuidadosamente, abriu sua maleta e ficou alguns segundos examinando a foto que levava consigo. Ele estava ali para matar Victor Santinni. Não sabia a razão, mas por algum motivo, o professor Santinni tinha ficado na mira da Ordem dos Escorpiões, uma sociedade tão secreta, que nenhum historiador ocidental jamais tinha ouvido falar. Essa sociedade possuía laços de união com outras sociedades secretas, mas era temida por todas as outras. Um dos seus objetivos era recuperar todos os tesouros egípcios saqueados por arqueólogos e caçadores ao longo dos séculos. Mas seu objetivo final era restaurar a milenar monarquia egípcia, e colocar o Egito novamente como o único Império da Terra. É claro que, para alcançar tais objetivos, os Escorpiões estavam dispostos a tudo. Qualquer historiador ou cientista que eles considerassem um empecilho, seria tirado do caminho. E sua forma de matar era inusitada: um escorpião venenoso!

Durante um intervalo, Jamal passeava pelos corredores da Universidade que estava sediando a conferência. Naquele momento, um grupo de estudantes discutia sobre os mistérios da mitologia egípcia, e um deles pronunciou a palavra “escorpião”. Foi como uma agulhada no peito de Jamal. Ele se aproximou, curioso e ficou atônito ao ver uma bela moça sorridente e de lindos olhos verdes e brilhantes, que parecia estar dominando a conversa.

- Sou fascinada pela cultura egípcia e meu grande sonho é visitar o Egito um dia. Tenho certeza de que em alguma biblioteca egípcia haverá algo sobre essa sociedade dos Escorpiões.
- Onde você leu sobre isso? – Perguntou um jovem ruivo, que estava na frente de Jamal.
- Quando estive nos Estados Unidos no ano passado, encontrei um professor de Egiptologia, que sabia muitas coisas. Enquanto pesquisava numa biblioteca americana, tive a oportunidade de me aproximar dele e fazer algumas perguntas. E foi assim, que, quase sussurrando, e olhando para todos os lados, desconfiado, ele me falou que um parente seu havia lhe contado sobre essa secretíssima sociedade de assassinos.
“Parece que não é mais tão secreta assim” Pensou Jamal, com os olhos fixos na moça, como se estivesse hipnotizado.
- Oi, você é egípcio? – Ela perguntou de repente, olhando para Jamal, que ainda mais atônito ficou, e tentou não tremer nas bases.
- Co - como disse?
- Se eu não me engano, sua fisionomia é de um egípcio bem natural – disse ela, aproximando-se. Muito prazer, eu sou Agnes Hannah.
- Você conhece bem os egípcios – disse Jamal, tentando controlar suas emoções e apertando a mão da moça – meu nome é Jamal Kandahar, professor de Arqueologia e História do Médio Oriente.
-Puxa vida! Quanta honra – disse a moça.

*******

Enquanto tomava banho, Jamal não conseguia pensar em outra coisa. Durante mais de uma hora, ele havia conversado com Agnes. Quanto mais conversava com ela, mais ficava fascinado. Era um sentimento estranho e muito bom. Seu coração batia de forma descontrolada. Nunca antes ele havia sentido tal coisa. Na verdade, tinha nascido e crescido em meio a tristeza e o ódio. Ainda criança viu sua mãe sendo morta acidentalmente quando tentava barrar o duelo de dois tios que se matavam com agudas espadas mortais. Cresceu vendo parentes sendo mortos a cada instante por causa de disputas religiosas, dentro do misticismo egípcio. Anos mais tarde, pouco depois de concluir seu curso universitário, testemunhou sua casa pegando fogo, matando seu pai e suas duas irmãs. Ao descobrir que seu pai fazia parte de uma sociedade secreta milenar, tentou seguir sua carreira, aceitando o convite da Ordem. Na verdade, ele pretendia se vingar de um tio, a quem culpava pelo incêndio e pela morte do pai. Mas, ao entrar na sociedade, teve que frear seus instintos, ou pelo menos adiar sua vingança, pois a Ordem não permitia vinganças pessoais.
Tudo que seu coração conhecia era ódio, desconfiança e vingança. Mas naquele dia, durante aquela conferência, uma reviravolta estava fazendo todo seu corpo tremer.

*******

É o quarto e último dia da conferência. Hoje ele deve executar sua missão. Há um grande conflito dentro de sua mente. O misterioso sentimento chamado amor havia invadido seu coração e ele só pensava em Agnes, que por sua vez também estava sentindo algo por aquele jovem egípcio. Mas ao mesmo tempo, uma força sinistra o impelia a cumprir a missão que o trouxera ao Brasil. Em seu quarto, ele abre uma maleta e apanha uma pequena garrafa de vidro. Olha bastante tempo para o pequeno escorpião preso. O que fazer agora? Não tinha tempo a perder. A sociedade não tolerava falhas ou hesitação.

Cheio de conflitos, Jamal consegue entrar no quarto do professor Santinni, enquanto este começava sua palestra. Calmamente, retira o escorpião da garrafa e o esconde dentro da mala do velho professor. Sai rapidamente do quarto e vai assistir o restante da palestra.

Procura Agnes com o olhar e sorri ao vê-la bem na frente, bastante atenta às palavras do professor. Tenta se aproximar dela, mas todas as cadeiras da frente já estavam ocupadas. Algum tempo depois, Victor Santinni pede desculpas aos conferencistas e, olhando para Agnes, faz um pedido:
- Filha, você poderia apanhar aquele documento sobre Hieróglifos que digitei ontem à noite? Infelizmente esqueci de trazê-los hoje. Está na minha maleta, no lugar de sempre.
Agnes se levanta, e Jamal tem um choque.
“Filha? Não é possível!” – Pensa ele, bastante atônito. Ele corre desesperado para impedir uma tragédia. Dentro do seu coração há um turbilhão de emoções, dominadas pelo desespero. Agnes estava muito mais próxima do quarto do que ele. Inocentemente, ela entra no quarto e abre a maleta do pai. Lá dentro, o pequeno assassino preparava seu aguilhão mortal.

*******

Jamal escancara a porta. Há um silêncio de morte dentro do quarto. Agnes Hannah está estendida no chão, enquanto o pequeno e diabólico escorpião passeia sobre seu braço direito, como se nada tivesse acontecido. Jamal joga-se ao chão, em prantos, desesperado.

Para baixar este ou os outros romances, acesse os links indicados nas postagens anteriores.

APRESENTANDO OS ROMANCES ARQUIVO7



ELES DESCOBRIRAM QUE É PERIGOSO SABER DEMAIS;
ELES DESCOBRIRAM QUE EXISTEM VERDADES QUE PODEM MATAR;
ELES OUSARAM PESQUISAR OS SEGREDOS DAS SOCIEDADES SECRETAS;
ELES DESPERTARAM A FÚRIA DE INIMIGOS CRUÉIS...
AGORA É TARDE DEMAIS PARA VOLTAR ATRÁS!

NINGUÉM É OBRIGADO A SER MAU;
SER BOM OU SER MAU É UMA QUESTÃO DE ESCOLHA;
JESUS ERA A IMAGEM DE DEUS NA TERRA...
MAS ESTÁ CHEGANDO ALGUÉM QUE SERÁ A IMAGEM DE SATANÁS!
E HÁ ALGUMAS PESSOAS QUE JÁ TIVERAM O DESPRAZER DE CONHECÊ-LO PESSOALMENTE!

MUITAS PESSOAS LERAM O APOCALIPSE, O LIVRO DAS REVELAÇÕES;
MUITOS O ESTUDARAM DURANTE SÉCULOS;
MUITOS GOSTARIAM DE ENTENDÊ-LO...
MAS HÁ UMA GERAÇÃO QUE IRÁ VIVÊ-LO!

"SETES - OS JOVENS QUE SABIAM DEMAIS" - A história de um grupo de jovens em busca da verdade sobre as profecias bíblicas, os mistérios envolvendo o número 7 e os segredos das sociedades secretas que tentam implantar na terra a Nova Ordem Mundial. Uma ficção inspirada em pessoas e fatos reais.
Você será levado a uma jornada misteriosa, onde os acontecimentos atuais parecem provar que os eventos do Romance não são ficção.

APRESENTANDO O ARQUIVO7

Por que o número 7 aparece com tanta freqüência na História, na Filosofia, na Literatura, na Ciência, nas Religiões e especialmente na Bíblia? É fato comprovado que existem mais títulos de livros, teses e filmes envolvendo o número 7 do que qualquer outro número.Por que? A Bíblia foi toda escrita numa estrutura de setes – nela o número 7 aparece na quantidade de palavras, letras, frases, histórias, visões, profecias, julgamentos, etc. É incontestavelmente o número mais usado pelos escritores sagrados. Por que?Em busca de respostas, realizei uma investigação incansável durante 10 anos. Encontrei um fascinante mundo de mistérios, e descobri que o número 7 está profundamente ligado aos acontecimentos futuros e ao misterioso Plano de Deus para a redenção da Humanidade. Descobri que o 7 não é simplesmente a marca do mistério, mas A MARCA DOS MISTÉRIOS DE DEUS. Os detalhes dessa investigação estão publicados em duas páginas:www.777.blig.com.br e www.morganne.blig.com.br

Este blog foi criado especialmente para divulgar estudos sobre numerologia e profecia bíblica em forma de slides (power-point), usados pelo autor em várias palestras.

Mais de 20 slides já foram publicados e iremos falar de cada um no tempo certo. Para baixá-los é só acessar o link abaixo:
http://cid-d2396f04ab689fc6.skydrive.live.com/browse.aspx/.res/D2396F04AB689FC6!130

APRESENTANDO O ARQUIVO 7