O BÁSICO PARA VOCÊ ENTENDER O ARQUIVO 7

O BÁSICO PARA VOCÊ ENTENDER O ARQUIVO 7
Tudo que você precisa saber para entender a principal linha de investigação do Arquivo7 - O BÁSICO SOBRE MATEMÁTICA BÍBLICA, SEGUNDO A TESE ARQUIVO 7.

CALCULANDO A VERDADE - A INSPIRAÇÃO DIVINA DA BÍBLIA PROVADA PELA MATEMÁTICA

 

Uma introdução à Matemática Bíblica defendida no Arquivo7, numa exposição bem didática, ideal para quem está entrando em contato com essa tese pela primeira vez ou deseja apresentá-la a algum amigo. 

O "cânon" bíblico está fechado, com 66 livros e 1.189 capítulos, e, neste livro, apresentamos a evidência matemática como prova. 

"Investigue tudo, acredite apenas no que for provado verdadeiro" (paráfrase de 1 Tessalonicenses 5.21)

Adquira esta obra por meio das seguintes opções:

1 - LIVRO DIGITAL - Leia através do aplicativo Kindle em seu celular, tablet, Kindle e computador. Clique neste link: 

https://amzn.to/3gwP0sA

2 - LIVRO FÍSICO (isto é, impresso) - Adquira a partir deste link:

https://loja.uiclap.com/titulo/ua9006/

domingo, 28 de junho de 2020

A PALAVRA ESCRITA DE DEUS, A PALAVRA VIVA E A MATEMÁTICA BÍBLICA


Uma das afirmações recorrentes dos cristãos é que a Bíblia é a Palavra Escrita de Deus e Jesus é a Palavra Viva; ambos estão intimamente conectados; Jesus é O Centro das Sagradas Escrituras, toda a Bíblia fala dEle, do primeiro ao último capítulo. Diante disso, temos bem firmados os seguintes fatos:

1 – A Bíblia contêm 66 livros;
2 – Jesus é O Centro da Bíblia;
3 – Um dos símbolos da Bíblia é o Candelabro.

Estas três declarações são facilmente provadas e – o que é altamente interessante – são também corroboradas pela Matemática Bíblica. Atente para os seguintes fatos:

1 – OS 66 LIVROS BÍBLICOS, REPRESENTADOS POR SUAS RESPECTIVAS QUANTIDADES DE CAPÍTULOS:

050.040.027.036.034.024.021.004.031.024.022.025.029.036.010.013.010.042.
150.031.012.008.066.052.005.048.012.014.003.009.001.004.007.003.003.003.
002.014.004.028.016.024.021.028.016.016.013.006.006.004.004.005.003.006.
004.003.001.013.005.005.003.005.001.001.001.022

2 – O Nome de JESUS, em grego, tal como aparece na maioria dos textos no Novo Testamento, possui 6 letras que, no alfabeto grego, correspondem aos seguintes valores numéricos:
010.008.200.070.400.200

A soma total dessas letras é 888 (um valor altamente significativo, um múltiplo exato de 37, um dos números-chave da Matemática Bíblica).

ATENÇÃO!!! PARA QUE VOCÊ NÃO FIQUE CONFUSO QUANDO FOR LER O NOME DE JESUS NO GREGO DO NOVO TESTAMENTO...

Algumas pessoas, ao lerem os estudos do Arquivo7 sobre Matemática Bíblica, já me escreveram questionando o seguinte: “Fui calcular o valor numérico do nome Jesus em grego e encontrei um resultado diferente. Como você explica isso?”

Inicialmente, observe três versículos do capítulo 1º de Mateus, em grego (preste especial atenção às palavras negritadas):

Mat_1:1  βιβλος γενεσεως ιησου χριστου υιου δαυιδ υιου αβρααμ
Livro da geração de Jesus Cristo, filho de Davi, filho de Abraão.

Mat_1:16  ιακωβ δε εγεννησεν τον ιωσηφ τον ανδρα μαριας εξ ης εγεννηθη ιησους ο λεγομενος χριστος
E Jacó gerou a José, marido de Maria, da qual nasceu JESUS, que se chama o Cristo.

Mat_1:21  τεξεται δε υιον και καλεσεις το ονομα αυτου ιησουν αυτος γαρ σωσει τον λαον αυτου απο των αμαρτιων αυτων
E dará à luz um filho e chamarás o seu nome JESUS; porque ele salvará o seu povo dos seus pecados.

Ficou curioso?

O Nome JESUS aparece no texto grego do Novo Testamento em diferentes formas. Segundo a famosa Concordância de Strong, no NT há 923 ocorrências do Nome Jesus, em três diferentes formas:
Ἰησοῦν129 ocorrências
Ἰησοῦ332 ocorrências
Ἰησοῦς462 ocorrências

Fonte: https://biblehub.com/greek/ie_soun_2424.htm

Por que essa variação? Coisas da gramática grega (na verdade, a gramática de qualquer língua tem suas peculiaridades e esquisitices). Essas variações nos nomes são chamadas pelos estudiosos de CASO NOMINATIVO, CASO ACUSATIVO, CASO DATIVO, etc. O nome original pertence ao caso Nominativo (como a palavra já indica, NOMEADO, NOME), no caso Ἰησοῦς, que é a forma que mais aparece no grego do Novo Testamento. As demais variações do Nome Jesus são derivações conforme a exigência da gramática grega no contexto da frase em que estiver inserida (os detalhes poderão cansar e afastar os leitores, mas os interessados façam uma pesquisa básica na gramática grega).

Nos exemplos citados acima, o nome completo de Jesus, isto é, no seu Nominativo, aparece pela primeira vez em Mateus 1.16.

          Os três nomes possuem os seguintes valores, em grego (os nomes aparecem abaixo, partindo do menos para o mais citado, que é o NOMINATIVO):

Ἰησοῦν
010+008+200+070+400+050 = 738
Ιησου
010+008+200+070+400 = 688
Ἰησοῦς
010+008+200+070+400+200 = 888
         
Veja bem! Justamente o valor do nome de Jesus mais citado na Bíblia (caso nominativo) tem o valor mais significativo, 888 (24 x 37), múltiplo exato de um dos números mais significativos da Bíblia! Portanto, tudo se encaixa.


AGORA UMA EXPERIÊNCIA MATEMÁTICA SIMPLES, MAS DE RESULTADO ESPETACULAR

Se dividirmos o numerozão formado pelos 66 livros (representados por seus respectivos capítulos) pelo número formado a partir dos valores das letras do Nome de Jesus em grego, como não é uma divisão exata, teremos uma sobra. Quanto?

5.140.092.383.791.222

E, se dividirmos essa sobra por 1.189 (total de capítulos bíblicos), como também não é uma divisão exata, teremos um resto de .....................................................................87!!!

E por que destacamos esse valor?

Porque ele corresponde exatamente ao capítulo 37 de Êxodo!!! (e se você é um leitor frequente do Arquivo7 já percebeu o tremendo significado disso, não é mesmo?).

Uma outra forma de ver a coisa: os 66 livros (representados por seus capítulos) contados dentro de uma Roleta de 010.008.200.070.400.200 (as letras do Nome Jesus, em grego), e iremos parar exatamente em Êxodo 37. Não somente um dos raríssimos capítulos bíblicos de número 37, mas justamente o que fala do Candelabro, um dos símbolos mais claros da Palavra de Deus!  (Veja, por exemplo, um artigo em várias partes, intitulado: “A SIMETRIA DO CANDELABRO” – publicado anteriormente neste site).

E não se esqueça de que existem dezenas de simetrias matemáticas que nos levam diretamente para Êxodo 37 (como temos provado na Enciclopédia Arquivo7).

Gosto de enfatizar isso: uma leve mudança de livro ou de capítulo e destruiria essa simetria. Por exemplo, se o Evangelho de João tivesse 20 ou 22 capítulos, ao invés de 21, destruiria não só a simetria revelada hoje aqui, mas todas as demais que já foram publicadas na Enciclopédia Arquivo7. Ou digamos que o Evangelho de João mudasse de lugar. Em vez de estar na 43ª posição da Bíblia, estivesse na 42ª ou 44ª... também alteraria tudo. Para mim, o argumento da Matemática Bíblica detona de vez toda teoria que ensina que a Bíblia está incompleta, que está faltando este ou aquele livro nela, etc. A BÍBLIA CONTÉM SOMENTE 66 LIVROS E 1.189 CAPÍTULOS! NÃO FALTA LIVRO NENHUM, E NÃO CABE MAIS LIVRO NENHUM, NEM UM CAPÍTULO A MAIS, NEM UM CAPÍTULO A MENOS!

Para alguém provar que esta declaração sobre a Bíblia está errada, só precisa demonstrar que as mais de 100 simetrias matemáticas envolvendo os livros e capítulos da Bíblia (e divulgadas no Arquivo7) são meras obras do acaso ou manipulação humana.

De maneira similar à declaração acima, sobre a COMPLETUDE ou PLENITUDE da Palavra Escrita de Deus, o JESUS apresentado na Bíblia é completo, perfeito, não falta nada. Qualquer acréscimo (ou alteração) de qualquer natureza à Sua Sagrada Pessoa, é heresia, artimanha maligna e uma ofensa contra Deus e à Sua Palavra.

"Porque a palavra do SENHOR é reta, e todas as suas obras são fiéis."
(Salmos 33.4)

Moacir R. S. Junior – morganne777@hotmail.com

domingo, 21 de junho de 2020

A COINCIDÊNCIA DENTRO DA COINCIDÊNCIA – O IMPACTO DAS COINCIDÊNCIAS MÚLTIPLAS


Entre os vários conceitos populares sobre COINCIDÊNCIA, selecionamos os seguintes:

1 – Ação ou resultado de coincidir; concomitância;

2 – Condição de dois ou mais fatores ou coisas que se acertam na perfeição e harmoniosamente;

3 – Conjuntura ou circunstância em que duas ou mais coisas ocorrem em simultâneo sem que essa simultaneidade seja planejada.

A própria palavra nos dá uma ideia do significado: Etimologicamente, ela se origina da junção de co + incidência. Juntando o termo latino “co” (junto) + incidência (ocorrência, acontecimento, evento). Em suma, coincidência é o AJUNTAMENTO de DOIS ou mais eventos em situações semelhantes, apesar de, aparentemente, não haver nada em comum nos acontecimentos.

Coincidência é o ato de coincidir, é o indicativo de acontecimentos que ocorrem em simultâneo, e tem como sinônimos coexistência, concordância, simultaneidade. Podemos considerar coincidência como um acontecimento duplo, ocorrido ao mesmo tempo e num mesmo local.

Portanto, pelo próprio conceito da palavra, uma coincidência é um evento no mínimo DUPLICADO. Exemplo: Nas ruas de uma cidade grande, você esbarra, acidentalmente, em alguém e, após uma rápida conversa, descobre que ele é da mesma cidade do interior que você.

Portanto, não faz sentido falarmos em COINCIDÊNCIAS DUPLAS, pois qualquer coincidência já é, no mínimo, um evento que, de certa forma, se duplicou. Agora, quando falamos em COINCIDÊNCIAS MÚLTIPLAS, queremos dizer 3 ou mais eventos que, de alguma forma, se alinharam. É o que chamamos de COINCIDÊNCIA DENTRO DA COINCIDÊNCIA!

Um exemplo histórico e bizarro tem a ver com o famoso navio Titanic (inclusive tem um capítulo da Enciclopédia Arquivo7 todinho dedicado a ele, o 124, intitulado “A MALDIÇÃO DOS 3 TITANICS”):

1 COINCIDÊNCIA = 14 anos antes do naufrágio do Titanic real, foi escrito um livro sobre um navio fictício chamado TITAN, que também afundava em sua viagem inaugural, ao colidir com um iceberg, no mês de abril, etc.

domingo, 14 de junho de 2020

JESUS, A BÍBLIA E O ARGUMENTO “A FORTIORI” – ou: O ARGUMENTO DO HULK


Jesus, além de Deus e Homem perfeito, era também um grande filósofo, (isto é, Ele não abriu mão de usar argumentos lógicos em seus debates com os líderes religiosos da sua época). Aliás, Ele foi o filósofo por excelência (estou enfatizando isto porque existem alguns "cabeças de vento" em nosso meio que acham que Filosofia é coisa do diabo).

Em tempo: usei a palavra “era” em referência ao Jesus histórico, que andou sobre a Terra há dois mil anos, porém, ELE, COMO DEUS (E HOMEM), ESTÁ VIVO E TEM EM SUAS MÃOS AS RÉDEAS DA HISTÓRIA.

Dos muitos tipos de argumentos que Jesus costumava usar um dos mais conhecidos é o chamado "a fortiori" (em latim, DO MAIS FORTE). É um argumento simples na sua elaboração e letal na sua eficácia.

Como funciona esse tipo de argumento?

1 - A verdade da ideia "a" é aceita;

2 - Os fundamentos em defesa da ideia "b" (que é parecida com a ideia "a"), são ainda mais fortes do que os fundamentos para a ideia 'a";

3 - Se a ideia "a" foi aceita, a ideia "b" tem que ser aceita também, pois possui fundamentos ainda mais poderosos que os da ideia "a".

Outra forma de explicar a coisa: Se “A” é mais forte do que “B” e se “C” é mais fraco do que “B”, com certeza “A” é mais forte do que “C”.

Ou ainda: Quem já derrotou todo o alfabeto, não tem medo de qualquer letrinha.

E mais: Quem já viu o oceano não se impressiona com riachos.

Mas vejamos alguns exemplos na Bíblia, principalmente relacionados diretamente a Jesus:

          Exemplo 1:

“E eis que estava ali um homem que tinha uma das mãos atrofiadas; e eles, para poderem acusar a Jesus, o interrogaram, dizendo: É lícito curar nos sábados? E ele lhes disse: Qual dentre vós será o homem que, tendo uma só ovelha, se num sábado ela cair numa cova, não há de lançar mão dela, e tirá-la? Ora, quanto mais vale um homem do que uma ovelha! Portanto, é lícito fazer bem nos sábados.” (Mateus 12.10-12)

Premissa 1 – Mesmo num sábado, os judeus ajudariam uma ovelhinha, se ela caísse num buraco.

Premissa 2 – Um ser humano é mais importante do que uma ovelha.

Conclusão – Portanto, se é legal salvar um animal no sábado, por que seria ilegal cuidar dos seres humanos no sábado?

          Exemplo 2:

Porque, se isto se faz no lenho verde, que se fará no seco?” Lucas 23.31

Se os romanos crucificavam quem consideravam inocentes, como não tratariam aqueles que considerassem culpados? Ou como diz Pedro:

“E, se é com dificuldade que o justo é salvo, onde vai comparecer o ímpio, sim, o pecador? 1 Pedro 4.18

          Exemplo 3:

“Olhai para as aves do céu, que não semeiam, nem ceifam, nem ajuntam em celeiros; e vosso Pai celestial as alimenta. Não valeis vós muito mais do que elas?” Mateus 6.26

          Exemplo 4:

Quem é fiel no pouco, também é fiel no muito; quem é injusto no pouco, também é injusto no muito.” Lucas 16.10:

UM EXEMPLO NA APOLOGÉTICA MODERNA

A confiabilidade histórica dos textos do Novo Testamento

Premissa 1 – Os historiadores consideram confiáveis os textos sobre a vida de Alexandre Magno (embora tenham sido escritos cerca de 400 anos depois da morte dele).

Premissa 2 – Os textos do Novo Testamento foram escritos menos de 100 anos depois da Morte e Ressurreição de Cristo.

Conclusão – Se a premissa 1 é aceita pelos estudiosos, a premissa 2 (que é mais forte) deve, logicamente, ser aceita também.

Mas o tremendo preconceito que muitos estudiosos têm em relação ao Cristianismo faz com que os tais contrariem a lógica, desconsiderem os argumentos, etc.

          O fato é que praticamente todo mundo faz uso do argumento “a fortiori” de vez em quando, mesmo sem ter a mínima ideia do quão importante é esse argumento. Ele aparece, por exemplo, nas cantigas populares: “um elefante incomoda muita gente, dois elefantes incomodam muito mais,...”

          Parodiando: Se 3 coincidências incomodam muita gente, 7 coincidências incomodam muito mais.

O ARGUMENTO “A FORTIORI” E A BÍBLIA

Nenhum livro do mundo possui um currículo como a Bíblia!

          Se imaginarmos qualquer combate entre qualquer livro e a Bíblia, esta sempre sairá, como disse alguém “vencedora em todas as batalhas”. A Bíblia tem inspirado e influenciado mais escritores, escultores, artistas, cientistas, políticos, educadores, etc., do que qualquer outro livro.

          Qualquer que seja a área do conhecimento, História, Arqueologia, Literatura, Geografia, Política, Direito, Sociologia, Psicologia, Filosofia, etc., nenhum livro supera a Bíblia. Qualquer currículo de qualquer outro livro se torna insignificante diante do currículo da Bíblia!

"Se você quiser, empilhe-os [livros orientais] no lado esquerdo de sua escrivaninha; mas coloque a sua Bíblia do lado direito - apenas ela, só ela - e que haja uma boa distância entre a pilha de livros e a Bíblia. Pois existe uma grande distância entre ela e os chamados livros sagrados do Oriente, de modo que estes se opõem àquela total, completa e definitivamente... um abismo real que nenhuma ciência do pensamento religioso conseguirá transpor".
(M. Montiero-Williams, antigo professor de sânscrito, que passou 42 anos estudando livros orientais e comparando-os com a Bíblia.)

Você vai num museu, numa exposição de arte, numa biblioteca, no cinema... em tudo vemos a influência da Bíblia (e do Cristianismo). Se a Bíblia não tivesse sido escrita, nosso mundo seria culturalmente mais pobre, a literatura seria mais pobre, as artes seriam mais pobres,... Pra deixar mais claro:

Nas páginas da Bíblia encontramos todos os fundamentos ou princípios que fizeram do mundo um lugar melhor (apesar da desobediência dos homens). Sim, nas páginas da Bíblia qualquer pessoa poderá encontrar:

1 – O fundamento e o desenvolvimento da ciência moderna e do direito;

2 – O fundamento e o desenvolvimento da medicina e do cuidado com a saúde, incluindo a criação dos primeiros hospitais;

3 – Os fundamentos da educação moderna, incluindo a fundação de praticamente todas as principais universidades norte-americanas, tais como Princeton, Harvard, Yale e Dartmouth (sem citar muitas europeias ou de outras partes do planeta);

4 – O fornecimento de base lógica por meio de valores absolutos para o avanço da ética em geral, incluindo a moralidade sexual, que em nossa época tem salvado milhões de vidas;

5 – Os fundamentos para a proteção da dignidade do casamento e da vida familiar, o que contribui grandemente para a estabilidade da sociedade;

6 – Os fundamentos da liberdade política e direitos humanos em geral, incluindo a abolição da escravatura e a proteção do feto, bebês, crianças, e mulheres;

7 – A inspiração para as grandes contribuições nas artes, literatura, música e arquitetura;

E muitas outras áreas.

(Estes 7 itens foram retirados e adaptados de "OS FATOS SOBRE A BÍBLIA”, de John Ankerberg, John Weldon e Dillon Burroughs).

Sem a influência da Bíblia e do Cristianismo, meu amigo, o mundo não teria o menor sentido - e, se atualmente, ele se tornou um lugar meio difícil pra se viver, a razão é clara:

"Na verdade a terra está contaminada por causa dos seus moradores; porquanto têm transgredido as leis, mudado os estatutos, e quebrado a aliança eterna. Por isso a maldição tem consumido a terra;" (Isaías 24.5,6).

O ARGUMENTO DO HULK

          No filme “Os Vingadores”, de 2012, o vilão da história, Loki, chega todo se gabando: “EU TENHO UM EXÉRCITO”. Sem se alterar, Tony Stark, o Homem de Ferro, diz simplesmente: “NÓS TEMOS O HULK!”          

Imagine a seguinte cena: Dois habitantes de planetas diferentes, se encontram em algum lugar das galáxias. Um deles bate no peito e diz:

- Nós temos o Alcorão, o livro de Mórmon, o livro dos espíritos (de Alan Kardec), os Vedas, Bhagavad Gita, e o Mahabharata (literaturas sagradas do Hinduísmo), o Dhammapada (os escritos de Buda), os Analectos (diálogos) de Confúcio, o Livro do Tao, os livros sagrados da Umbanda, os livros poderosos da Quimbanda, os arquivos secretos da Maçonaria,... e vocês?

O outro simplesmente sorri e fala:

- NÓS TEMOS A BÍBLIA!

Seja qual for o currículo do seu livro sagrado, a Bíblia ganha dele, de goleada. E eu posso provar.

Moacir R. S. Junior – www.arquivo7.com.br

domingo, 7 de junho de 2020

QUANDO UMA COINCIDÊNCIA É SIGNIFICATIVA? – Parte 3



Se puder, tente executar as duas seguintes experiências:

1ª Experiência:

1 – Pegue 7 livros do mesmo autor, com diferentes quantidades de capítulos (contanto que sejam maiores que 37);

2 – Organize os livros numa certa ordem (lógica, cronológica, como quiser);

3 – Só para facilitar a compreensão, vamos imaginar que você organizou seus livros na seguinte ordem, e que eles contenham as seguintes quantidades de capítulos:

Livro 1 – 40 capítulos;
Livro 2 – 60 capítulos;
Livro 3 – 40 capítulos;
Livro 4 – 45 capítulos;
Livro 5 – 50 capítulos;
Livro 6 – 55 capítulos;
Livro 7 – 75 capítulos.

Total: 365 capítulos.

4 – Elabore uma lista com todos os capítulos numa ordem geral. Exemplo: se o primeiro livro tiver 40 capítulos e o segundo, 60, significa que o último capítulo desse segundo livro, numa ordem geral será o 100º da lista;