O BÁSICO PARA VOCÊ ENTENDER O ARQUIVO 7

O BÁSICO PARA VOCÊ ENTENDER O ARQUIVO 7
Tudo que você precisa saber para entender a principal linha de investigação do Arquivo7 - O BÁSICO SOBRE MATEMÁTICA BÍBLICA, SEGUNDO A TESE ARQUIVO 7.

CALCULANDO A VERDADE - A INSPIRAÇÃO DIVINA DA BÍBLIA PROVADA PELA MATEMÁTICA

 

Uma introdução à Matemática Bíblica defendida no Arquivo7, numa exposição bem didática, ideal para quem está entrando em contato com essa tese pela primeira vez ou deseja apresentá-la a algum amigo. 

O "cânon" bíblico está fechado, com 66 livros e 1.189 capítulos, e, neste livro, apresentamos a evidência matemática como prova. 

"Investigue tudo, acredite apenas no que for provado verdadeiro" (paráfrase de 1 Tessalonicenses 5.21)

Adquira esta obra por meio das seguintes opções:

1 - LIVRO DIGITAL - Leia através do aplicativo Kindle em seu celular, tablet, Kindle e computador. Clique neste link: 

https://amzn.to/3gwP0sA

2 - LIVRO FÍSICO (isto é, impresso) - Adquira a partir deste link:

https://loja.uiclap.com/titulo/ua9006/

terça-feira, 3 de agosto de 2021

CALCULANDO A VERDADE DAS ESCRITURAS – LIVE COM PASTOR DIONEI VIEIRA E MOACIR JUNIOR

 

Recentemente, 27 de julho de 2021, tive um agradabilíssimo bate papo com o ilustre Pastor Dionei Vieira (de Florianópolis, SC), a respeito de uma temática pela qual somos fascinados: MATEMÁTICA E NÚMEROS NA BÍBLIA!

           Veja os detalhes no canal do Pr. Dionei, neste endereço: 

https://www.youtube.com/watch?v=tgAwRlU4zV0

quarta-feira, 28 de julho de 2021

TRÊS ALEGAÇÕES POPULARES CONTRA A MATEMÁTICA BÍBLICA

 

E essa história de provar a inspiração sobrenatural da Bíblia usando a matemática? 

Estou bem ciente de que a maioria dos cristãos me olha de forma estranha quando me vê falando de matemática e Bíblia no mesmo discurso. Para eles, é inimaginável qualquer associação entre as duas coisas. Os mais afoitos (e ignorantes) podem até me tachar com a palavra mais negativa dirigida a um ensinador cristão: HEREGE! 

Aliás, eu soube dia desses que alguém, líder de alguma igreja em algum lugar deste Brasilzão, me “batizou” de “HEREGE NORDESTINO”, por causa das minhas teses bíblico-matemáticas. E não foi de brincadeira. Praticamente expulsaram da igreja um irmão só porque o tal estava divulgando o Arquivo7. 

E quando não me tacham de herege, me chamam de cabalista (praticante da Cabala, uma espécie de misticismo ou ocultismo judaico). Obviamente, quase 100% desses críticos nem sabem o que é Cabala, e nem conhecem as minhas teses (pra saber que entre estas e aquela existem milhões de distância de diferença). 

A seguir vou elencar algumas das razões porque acredito que muitos cristãos não dão à Matemática Bíblica, a importância que ela merece. 

Alegação 1“É UMA NOVIDADE. VOCÊ NÃO VAI ENCONTRAR, DENTRO DA BÍBLIA, ALGUM HOMEM DE DEUS MINISTRANDO SOBRE A CONEXÃO ENTRE A MATEMÁTICA E A BÍBLIA.” 

Contra argumento: você também não encontrará dentro da Bíblia, alguém usando a Arqueologia, isto é, descobertas arqueológicas, na ministração da Palavra. Ou usando a Geografia, a Geologia, etc. 

A Matemática Bíblica não é uma doutrina nova, é apenas um teste científico que evidencia a origem sobrenatural da Bíblia, por meio da matemática. Da mesma forma que a Arqueologia, que, escavando a terra, traz à tona milhares de evidências à favor da veracidade da Bíblia. Sim, você também não vai encontrar nenhum arqueólogo dentro da Bíblia. Em resumo: a Matemática, a Arqueologia, a História, a Geografia e outros ramos do conhecimento, são apenas ferramentas que nos ajudam a provar a origem divina da Bíblia. 

Dizendo de outra forma: a Matemática Bíblica pertence ao campo da Apologética, a ciência ou campo de estudo que defende a inspiração sobrenatural da Bíblia. Em Atos dos Apóstolos (inicio do Cristianismo) você não encontrará nenhum personagem bíblico defendendo a inspiração sobrenatural da Bíblia, porque nos tempos bíblicos o público (desses pregadores) geralmente acreditava que as Escrituras tinham vindo de Deus. O alvo da apologética dos primeiros cristãos era provar que Jesus era o Messias prometido nas profecias, não provar que as Escrituras eram inspiradas por Deus. 

Como exemplo, temos Apolo, um dos primeiros apologetas do Cristianismo (apesar das duas palavras serem parecidas, não significa, necessariamente, que possuem a mesma origem). 

“E chegou a Éfeso um certo judeu chamado Apolo, natural de Alexandria, homem eloqüente e poderoso nas Escrituras. (...) Porque com grande veemência, convencia publicamente os judeus, mostrando pelas Escrituras que Jesus era o Cristo.” Ats 18:24,28  

O discurso apologético de Paulo, o maior apologeta do Cristianismo, também se centralizava em duas bases: 

1 – As Escrituras consideradas sagradas pelos judeus, falavam claramente da vinda de um Salvador, um Messias; 

2 – Jesus era esse Messias. 

 “E logo nas sinagogas pregava a Cristo, que este é o Filho de Deus.” Ats 9:20 

Outro tema muito frequente na pregação dos primeiros apologetas cristãos era a Ressurreição de Cristo: 

“De sorte que disputava na sinagoga com os judeus e religiosos, e todos os dias na praça com os que se apresentavam. E alguns dos filósofos epicureus e estóicos contendiam com ele; e uns diziam: Que quer dizer este paroleiro? E outros: Parece que é pregador de deuses estranhos; porque lhes anunciava a Jesus e a ressurreição.” Ats 17:17,18  

Somente mais tarde, na história do Cristianismo, com o surgimento de numerosos críticos contra a inspiração divina da Bíblia, os apologetas cristãos passaram a recorrer as diversas áreas da ciência a fim de demonstrarem que entres essas e as Sagradas Escrituras não havia antagonismo, mas se harmonizavam. 

E com o passar dos anos, tendo em vista a quantidade de assuntos envolvendo as ciências e a Bíblia, os apologetas foram se conscientizando de que não tinha como estudarem profundamente todas as ciências e a Bíblia. A quantidade de assuntos científicos (isto é, novas descobertas) aumentava exponencialmente. Era impossível acompanhar tudo (e desnecessário). Então foram surgindo os especialistas. Em vez do apologeta cristão procurar saber um pouco (superficialmente) de História, Geografia, Matemática, Arqueologia, etc., o mais sensato seria se especializar, isto é, aprender o que pudesse sobre uma determinada área. Assim, temos hoje apologetas cristãos especialistas em Arqueologia, outros especialistas em Astronomia, outros em Filosofia, etc. 

O ideal seria cada cristão procurar saber um pouco sobre toda a Bíblia e o máximo sobre uma ou mais doutrina dela. A Igreja Cristã só teria a ganhar, pois sempre que precisasse de alguém pra palestrar sobre determinado tema, em vez de convidar um “faz tudo” ou “sabe tudo”, chamaria um especialista na área, o que traria uma rica edificação intelectual e espiritual para o povo. 

Logo, além do apologeta geógrafo, o apologeta filósofo, o apologeta astrônomo, o apologeta arqueólogo, etc., por que não também o apologeta matemático? 

Enfim, a Matemática Bíblica não traz nenhuma novidade doutrinária, ela apenas produz mais “munições” a favor da inspiração divina da Bíblia. 

Alegação 2“É NUMEROLOGIA, E DEUS CONDENA A NUMEROLOGIA.” 

Contra argumento: Inicialmente, é necessário esclarecermos ou desfazermos dois erros muito comuns: 

Primeiro erro: a Matemática Bíblica NÃO É numerologia, não está interessada no significado simbólico dos números, mas nas simetrias e padrões em que os números aparecem; 

Segundo erro: numerologia é simplesmente o estudo dos números. Estudar o significado simbólico dos números na Bíblia é uma coisa, atribuir poderes mágicos a eles é outra. No primeiro caso, temos um estudo normal da Bíblia, no segundo, temos ocultismo, e este é o que a Bíblia condena. 

Assim como existe a profecia verdadeira, existe a profecia falsa. Da mesma forma, existe a numerologia comum, normal (simplesmente o estudo do simbolismo dos números) e a numerologia ocultista (que atribui poderes místicos aos números e ensina que estes influenciam a nossa vida). Isso é bem parecido com a confusão popular que muitos fazem entre a Astrologia e a Astronomia. A primeira é uma falsa ciência. 

Alegação 3“MATEMÁTICA NÃO É O MEU FORTE.” 

Contra argumento: Infelizmente, esta é a realidade de quase 100% das pessoas, pelo menos se considerarmos a situação brasileira. O fato da matemática ter provocado trauma no inicio da vida escolar de quase todo mundo, fez com que essa ciência dos números ganhasse uma péssima fama e ficasse antipatizada pelo resto da vida de muita gente. Mas creio que há uma grande injustiça aí. 

Não acredito que foi a matemática que provocou esse estrago intelecto/emocional, mas o sistema de ensino dela. Sim, como eu já deixei claro em alguns textos e capítulos da Enciclopédia Arquivo7, provavelmente a forma como a matemática nos foi ensinada é que causou toda essa fobia que vemos hoje. Não vou entrar em detalhes aqui, pra economizar espaço, só quero dizer que o fato de termos algum problema pessoal com a matemática não faz com que a Matemática Bíblica seja indigna de crédito. Resolva o seu trauma, mas não o use como desculpa pra criticar a Matemática Bíblica.  

Moacir Junior – morganne777@hotmail.comwww.arquivo7.com.br


quarta-feira, 21 de julho de 2021

SETE COISAS QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE A ENCICLOPÉDIA ARQUIVO7

 

1 – Ela é fruto de 30 anos de pesquisas, portanto, não é um amontoado de ideias e teses que nasceram da noite para o dia. E os temas abordados nela conectam a Bíblia com várias áreas do conhecimento universal, tais como: Matemática, Física, Química, Astronomia, Geografia, Geologia, História, Filosofia, Arqueologia, Antropologia, Sociologia, Psicologia, Linguística, etc. Portanto, não foi um ignorante, inculto, analfabeto ou fanático religioso que elaborou este trabalho. 

2 – Seu objetivo principal é colecionar e divulgar as evidências que provam a Inerrância, Infalibilidade, Imutabilidade, Insuperabilidade, Indestrutibilidade, Infatigabilidade e Inspiração Divina da Bíblia. Ela lida, portanto, com a DOUTRINA MAIS IMPORTANTE da Teologia, ou seja, com a BIBLIOLOGIA. Pois se a Bíblia não for a Palavra de Deus, é perca de tempo estudarmos CRISTOLOGIA, ECLESIOLOGIA, ESCATOLOGIA ou qualquer outra disciplina teológica. 

3 – Ela apresenta uma tese exótica e audaciosa: QUE DEUS USOU A MATEMÁTICA PARA AUTENTICAR A BÍBLIA COMO A SUA PALAVRA. INCLUSIVE PARA SELAR A QUANTIDADE DE LIVROS E CAPÍTULOS! Rejeitar esta tese, automaticamente, sem conhecer seus fundamentos, revela extrema ignorância e preconceito intelectual. 

4 – Apesar do autor pertencer a uma denominação religiosa (evangélica), esta Enciclopédia é interdenominacional em suas pesquisas. Melhor dizendo: a filosofia entranhada nesta Enciclopédia, é seguir a verdade aonde ela estiver, ou aonde ela nos levar. Porque SE JESUS É A VERDADE, NENHUMA VERDADE LEVARÁ ALGUÉM PARA LONGE DELE! 

5 – São 52.000 páginas, distribuídas em 333 capítulos e 60 apêndices (até o momento). Todas repletas de imagens, tabelas, gráficos, etc. Escrever é difícil, mas elaborar textos conectando ao mesmo tempo com ferramentas visuais, é ainda mais complexo, além de extremamente cansativo e muitas vezes estressante. Ou seja, o autor se esforçou o máximo para que os assuntos abordados, por mais complexos que alguns sejam, possam ser de fácil (ou razoável) entendimento por qualquer pessoa, de qualquer faixa etária, que saiba ler. 

6 – Ela não foi elaborada para criar polêmica e criticar, de maneira leviana, as crenças religiosas ou destruir a fé das pessoas. Ninguém nunca vai perder a fé em Jesus ou ficar com a fé enfraquecida ao ler a Enciclopédia Arquivo7. O que pode acontecer (e vai acontecer) é ter algumas de suas crenças tradicionais abaladas, quando as tais forem confrontadas com as evidências. Sim, ao ler esta Enciclopédia, você não corre nenhum risco de perder a fé em Deus ou na Bíblia, mas sim em suas próprias crenças e crendices. 

7 – As teses bíblico-proféticas e bíblico-matemáticas defendidas nesta Enciclopédia, são fundamentadas em bases sólidas e fatos difíceis de se contestar; porém, é claro que o autor não ousa ter a pretensão de achar que suas teses são infalíveis. Isto é: creio que a Bíblia é infalível, mas a minha interpretação dela está aberta à críticas e (prováveis) contestações. 

Enfim, a Enciclopédia Arquivo7 está disponível, gratuitamente, para acesso e download, a partir de vários serviços de armazenamentos de arquivos da internet, divulgados no site do Arquivo7, www.arquivo7.com.br – portanto, você pode alegar qualquer razão para não conhecê-la, menos que ela seja de difícil acesso ou inacessível. 

Moacir Junior – morganne777@hotmail.comwww.arquivo7.com.br

 


quarta-feira, 14 de julho de 2021

SETE NATUREZAS DA BÍBLIA COMO PALAVRA DE DEUS

 

Neste artigo, iremos demonstrar 7 naturezas da Bíblia, por meio de 7 palavras-chave:

1 – INSPIRAÇÃO

2 – INERRÂNCIA

3 – INFALIBILIDADE

4 – IMUTABILIDADE

5 – INSUPERABILIDADE

6 – INDESTRUTIBILIDADE

7 – INTEGRALIDADE

Deixando claro que a Bíblia possui outras características (santa, perfeita, etc.), aqui apenas selecionamos sete dentre muitas.

 1 – A BÍBLIA É INSPIRADA DIVINAMENTE

 A Bíblia alega ser a Revelação de Deus soprada aos homens. Por exemplo:

 a) 2 Pedro 1.20,21: "Sabendo primeiramente isto: que nenhuma profecia da Escritura é de particular interpretação; porque a profecia nunca foi produzida por vontade de homem algum, mas os homens santos de Deus falaram inspirados pelo Espírito Santo."

 b) 2 Timóteo 3.16: "Toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redargüir, para corrigir, para instruir em justiça;"

 A Bíblia está recheada de passagens em que os autores alegam que suas palavras são palavras de Deus. Mais exemplos:

 c) Êxodo 24.4:  "Moisés escreveu todas as palavras do SENHOR."

 d) 2 Samuel 23.2 (palavras de Davi): "O Espírito do SENHOR falou por mim, e a sua palavra está na minha boca."

 e) Zacarias 7.12: "... as palavras que o SENHOR dos Exércitos enviara pelo seu Espírito por intermédio dos primeiros profetas;"   

 f) Paulo em Gálatas 1.12: “Porque não o recebi, nem aprendi de homem algum, mas pela revelação de Jesus Cristo.”

 g) As expressões "ASSIM DIZ O SENHOR" ou "E ME VEIO A PALAVRA DO SENHOR, DIZENDO..." aparecem dezenas de vezes por toda a Bíblia.

 Entretanto, fazer alegações qualquer um faz, há muitos livros que alegam ser divinamente inspirados. O diferencial é que a Bíblia não somente alega, ela PROVA ser divinamente inspirada.

 O QUE A BÍBLIA DIZ, DEUS DIZ

 Uma das evidências mais interessantes sobre a inspiração divina da Bíblia é baseada no seguinte: Passagens do Antigo Testamento, em que fica bem claro que foi Deus quem falou, quando são repetidas no Novo Testamento, diz que quem fez tais afirmações foi “AS ESCRITURAS”

 No quadro abaixo, elaborado por Norman Geisler (em sua Teologia Sistemática), o argumento acima fica bem evidente: 

O que Deus diz

O que a Bíblia diz

Gênesis 12.3

Gálatas 3.8

Êxodo 9.16

Romanos 9.17

Gênesis 2.24

Mateus 19.4,5

Salmo 2.1

Atos 4.24,25

Isaías 55.3

Atos 13.34

Salmo 16.10

Atos 13.35

Salmo 2.7

Hebreus 1.5

Salmo 97.7

Hebreus 1.6

Salmo 104.4

Hebreus 1.7

Salmo 95.7

Hebreus 3.7

 EVIDÊNCIAS DESSAS ALEGAÇÕES: Umas das evidências mais incríveis a respeito da inspiração sobrenatural da Bíblia é a PROFECIA. Sim, o ser humano possui muitas capacidades extraordinárias, mas predizer o futuro não é uma delas. Os homens podem fazer conjecturas sobre o futuro, mas predizer, com riqueza de detalhes, e ainda acertar, não é próprio da nossa natureza. Nesse caso, como explicar a profecia?

           A própria Bíblia apresenta a profecia como uma evidência da existência de Deus.

 “Tragam e anunciem-nos as coisas que hão de acontecer; anunciai-nos as coisas passadas, para que atentemos para elas, e saibamos o fim delas; ou fazei-nos ouvir as coisas futuras. Anunciai-nos as coisas que ainda hão de vir, para que saibamos que sois deuses; ou fazei bem, ou fazei mal, para que nos assombremos, e juntamente o vejamos.” (Isaías 41.22,23)

           Mas uma coisa é fazer afirmações, outra bem diferente, é cumpri-las. Todavia, a Bíblia não somente afirma revelar o futuro, ELA O FAZ, COM CENTENAS DE EXEMPLOS! Sim, na Enciclopédia Arquivo7 temos “toneladas” desses exemplos.

 Enfim, se a Bíblia foi divinamente inspirada, as outras 6 características que atribuímos a ela (entre muitas outras), também devem ser verdadeiras.

 2 – A BÍBLIA É INERRANTE

 A palavra “inerrância” é moderna, não encontrada na Bíblia. Contudo, serve perfeitamente para definir o que estamos querendo dizer: que a Palavra de Deus NÃO ERRA. Para demonstrarmos isso, não precisamos citar versículos bíblicos (até porque não existe nenhum do tipo “A BÍBLIA NÃO ERRA”), basta usarmos a Lógica:

 Como foi demonstrado no item sobre a Inspiração, O QUE DEUS DIZ, A BÍBLIA DIZ. Portanto, segue o argumento:

Premissa 1 – Deus não comete erros;

Premissa 2 – A Bíblia é a Palavra de Deus;

Conclusão – Portanto, a Bíblia não pode cometer erros.

 Para provar que a conclusão é falsa, você só tem que provar que uma das duas premissas é falsa.

 Norman Geisler explica que “os termos inspiração, infalibilidade e inerrância guardam uma relação entre si. Inspiração significa ‘soprado por Deus’, ‘aquilo que provém do próprio Deus’ (veja 2 T m 3.16,17). Infalibilidade significa ‘aquilo que tem autoridade divina’, ‘o que não pode ser anulado’ (Jo 10.34,35). Inerrância significa ‘aquilo que não contém erro’, ‘integralmente verdadeiro’.”

 E acrescenta: “O que é inspirado é infalível, pois inspirado significa ter sido soprado por Deus, e o que é soprado por Deus não pode conter erros. De forma semelhante, o que é infalível, por possuir autoridade divina, também precisa ser inerrante — um erro portador de autoridade divina é uma contradição terminológica.”

 Agora precisamos tomar cuidado com o uso desses termos. Nem tudo que é inerrante, por exemplo, significa que foi inspirado por Deus ou que possui autoridade divina. Um cálculo matemático, uma redação bem redigida, etc.

 “Logo, a inerrância é implicada dentro de uma compreensão correta de infalibilidade, mas a infalibilidade não é uma conseqüência direta da inerrância.” (Geisler)

 EVIDÊNCIAS DESSAS ALEGAÇÕES: Provada pela harmonia entre os textos e livros. Qualquer suposta contradição desaparece com um estudo aprofundado.

 3 – A BÍBLIA É INFALÍVEL

 O parágrafo seguinte é de Norman Geisler:

 As Escrituras não utilizam a palavra infalível a respeito de si mesmas; entretanto, outras afirmações que implicam a sua infalibilidade constam no seu texto. Jesus disse: “A Escritura não pode ser anulada” (Jo 10.35) [outra versão diz: “não pode falhar]. (...) Além disso, Deus também afirmou, por intermédio do profeta Isaías: “Assim será a palavra que sair da minha boca; ela não voltará para mim vazia; antes, fará o que me apraz e prosperará naquilo para que a enviei’’ (Is 55.11; cf. Mt 15.3-6; Mt 4.4,7,10). Na verdade, Paulo fala da Palavra de Deus como sendo “os oráculos de Deus” (Rm 3.2, BJ).

 EVIDÊNCIAS DESSAS ALEGAÇÕES: Provada no cumprimento das profecias e no profundo conhecimento da natureza humana. Em outras palavras, nenhum livro descreve tão bem o comportamento humano do que a Bíblia. Ela é a biografia não autorizada dos homens. É incrível como nela encontramos o precedente de todos os tipos de comportamento humano.

 4 – A BÍBLIA É IMUTÁVEL

 Outra assertiva fácil de se provar. Primeiro, algumas passagens apontam para isso:

 Salmos 119.160: “A tua palavra é a verdade desde o princípio, e cada um dos teus juízos dura para sempre.”

 Isaías 40.7,8: “Seca-se a erva, e cai a flor, soprando nela o Espírito do SENHOR. Na verdade o povo é erva. Seca-se a erva, e cai a flor, porém a palavra de nosso Deus subsiste eternamente.”

 Segundo, a própria natureza IMUTÁVEL de Deus é uma garantia de que a Sua Palavra não muda. O que Deus disse vale para sempre, nenhum princípio precisa ser atualizado

 Malaquias 3.6: “Porque eu, o SENHOR, não mudo; por isso vós, ó filhos de Jacó, não sois consumidos.”

 EVIDÊNCIAS DESSA ALEGAÇÃO: Provada pela História e Arqueologia (Manuscritos do Mar Morto, etc.).

 5 – A BÍBLIA É INSUPERÁVEL

 Ou seja, ela é imbatível, inigualável, ímpar, única, singular. Por questão de espaço, vamos apenas sugerir que você leia o artigo “AS 7 SINGULARIDADES DA BÍBLIA”, que pode ser encontrado neste mesmo site.

 6 – A BÍBLIA É INDESTRUTÍVEL

 Alguns textos básicos deixam isso bem claro:

 Mateus 5.17,18 (Disse Jesus): “Não cuideis que vim destruir a lei ou os profetas; não vim ab-rogar, mas cumprir. Porque em verdade vos digo que, até que o céu e a terra passem, nem um jota ou um til se omitirá da lei sem que tudo seja cumprido”

 Isaías 40.8: “Seca-se a erva, e caem as flores, mas a palavra de nosso Deus subsiste eternamente”.

 Salmo 119.89: “Para sempre, ó SENHOR, a tua palavra permanece no céu” (SI 119.89).

 EVIDÊNCIAS DESSA ALEGAÇÃO: Provada nas incontáveis vezes em que a Bíblia foi proibida, queimada, banida, etc., mas que saiu vencedora em todas as batalhas e hoje é o livro mais vendido de todos os tempos. Na verdade, a Bíblia encontra-se numa posição tão isolada (no primeiro lugar) que é praticamente impossível ser superada por qualquer outro livro.

 Por exemplo, o famoso Guiness Book (Livro dos Recordes) diz o seguinte sobre a Bíblia:

 “Embora seja impossível obter números exatos, há poucas dúvidas de que a Bíblia é o livro mais vendido e mais amplamente distribuído do mundo. Uma pesquisa da Sociedade Bíblica concluiu que cerca de 2,5 bilhões de cópias foram impressas entre 1815 e 1975, mas estimativas mais recentes colocam o número em mais de 5 bilhões.”

 https://www.guinnessworldrecords.com/world-records/best-selling-book-of-non-fiction

 7 – A BÍBLIA É INTEGRAL – Isto é, PLENA, COMPLETA, INTEIRA, sem necessidade de acréscimos de qualquer natureza.

 Considerando que o mesmo Deus que inspirou a Bíblia, cada livro, que moveu pessoas a descobrirem (isto é, selecionarem) os livros inspirados, no meio dos não inspirados e que disse algumas vezes que a Sua Palavra está completa, sem necessidade de quaisquer acréscimos, com certeza também deve ter providenciado meios ou evidências pra comprovar isso.

 Os três textos mais conhecidos sobre isso são:

 “Agora, pois, ó Israel, ouve os estatutos e os juízos que eu vos ensino, para os cumprirdes; para que vivais, e entreis, e possuais a terra que o SENHOR Deus de vossos pais vos dá. Não acrescentareis à palavra que vos mando, nem diminuireis dela, para que guardeis os mandamentos do SENHOR vosso Deus, que eu vos mando.” (Deuteronômio 4.1,2)

 Toda a Palavra de Deus é pura; escudo é para os que confiam nele. Nada acrescentes às suas palavras, para que não te repreenda e sejas achado mentiroso.” (Provérbios 30.5,6)

  “Porque eu testifico a todo aquele que ouvir as palavras da profecia deste livro que, se alguém lhes acrescentar alguma coisa, Deus fará vir sobre ele as pragas que estão escritas neste livro; E, se alguém tirar quaisquer palavras do livro desta profecia, Deus tirará a sua parte do livro da vida, e da cidade santa, e das coisas que estão escritas neste livro.” (Apocalipse 22.18,19)

 EVIDÊNCIAS DESSA ALEGAÇÃO: Temos, por exemplo, A EVIDÊNCIA DA MATEMÁTICA COMO PROVA DO CÂNON FECHADO. E, na Enciclopédia Arquivo7, você encontrará “toneladas” dessas evidências..

 Moacir Junior – morganne777@hotmail.comwww.arquivo7.com.br


quarta-feira, 7 de julho de 2021

O INCRÍVEL ELEVADO À 37ª POTÊNCIA

 

A experiência matemática de hoje será baseada em dois modelos: um que divulgamos recentemente, e outro bem mais antigo. 

Primeiramente, vamos elaborar uma tabela, com quatro colunas, e 7.777.777 linhas. Por que esse número? Porque é o único formado somente pelo algarismo 7, cuja quantidade de dígitos é igual a ele mesmo! 

Na coluna 1, todos os números de 1 a 7.777.777;

Na coluna 2, todos os 1.189 capítulos da Bíblia, repetindo até a última linha;

Na coluna 3, todos os 66 livros da Bíblia, repetindo até a linha final;

E, por fim, na coluna 4, todos os 28 valores das 28 letras que formam o primeiro versículo da Bíblia (Gênesis 1.1). Abaixo, um exemplo, com as 37 primeiras linhas: 

Coluna 1

Coluna 2

Coluna 3

Coluna 4

 

Nº de ordem

Capítulos

Total de capítulo por livro

 

28 letras de Gênesis 1.1

1

Gênesis

1

Gênesis

50

2

2

Gênesis

2

Êxodo

40

200

3

Gênesis

3

Levítico

27

1

4

Gênesis

4

Números

36

300

5

Gênesis

5

Deuteronômio

34

10

6

Gênesis

6

Josué

24

400

7

Gênesis

7

Juízes

21

2

8

Gênesis

8

Rute

4

200

9

Gênesis

9

1 Samuel

31

1

10

Gênesis

10

2 Samuel

24

1

11

Gênesis

11

1 Reis

22

30

12

Gênesis

12

2 Reis

25

5

13

Gênesis

13

1 Crônicas

29

10

14

Gênesis

14

2 Crônicas

36

40

15

Gênesis

15

Esdras

10

1

16

Gênesis

16

Neemias

13

400

17

Gênesis

17

Ester

10

5

18

Gênesis

18

42

300

19

Gênesis

19

Salmos

150

40

20

Gênesis

20

Provérbios

31

10

21

Gênesis

21

Eclesiastes

12

40

22

Gênesis

22

Cantares

8

6

23

Gênesis

23

Isaías

66

1

24

Gênesis

24

Jeremias

52

400

25

Gênesis

25

Lamentações

5

5

26

Gênesis

26

Ezequiel

48

1

27

Gênesis

27

Daniel

12

200

28

Gênesis

28

Oséias

14

90

29

Gênesis

29

Joel

3

2

30

Gênesis

30

Amós

9

200

31

Gênesis

31

Obadias

1

1

32

Gênesis

32

Jonas

4

300

33

Gênesis

33

Miquéias

7

10

34

Gênesis

34

Naum

3

400

35

Gênesis

35

Habacuque

3

2

36

Gênesis

36

Sofonias

3

200

37

Gênesis

37

Ageu

2

1

  É uma lista tão colossal de números que não cabe numa página do Excel (cujo limite, nas versões mais populares, é de 1.048.576 linhas!). Portanto, para registrar essa tabela com mais de 7 milhões de linhas, tivemos que usar 7 páginas do Excel.

 Depois de elaborada tal tabela gigantesca, faremos algumas seleções:

 1ª SELEÇÃO: Todos os números, entre 1 e 7.777.777 que contenham somente 3 ou 7 ou 3 e 7 ao mesmo tempo (e o zero, obviamente).

 Importante destacar que essa seleção só foi possível (rigorosamente exata, sem a mínima chance de erro), porque fizemos o uso de fórmulas e estratégias lógicas, programamos o computador e ele completou todo o trabalhão... em poucos minutos! Caso essa seleção tivesse sido feita manualmente, sem o auxílio do computador, além de ser muito desgastante, seria bastante demorada e estaria repleta de falhas. Ou seria impossível escapar da sensação de que poderia ter havido erro humano e que algum número importante foi omitido. Mas pode ter absoluta certeza de que a seleção abaixo é perfeitamente exata, plenamente verdadeira.

Infelizmente, a tabela não pode ser publicada aqui, porque contém 2.186 linhas. Mas pode ser acessada no Apêndice 63 da Enciclopédia Arquivo7, que revela os detalhes da tese defendida aqui (a imagem desta postagem é a capa do tal estudo).

Bem, o fato é que: entre 1 e 7.777.777, existem somente 2.186 números que cumprem as exigências acima (formados exclusivamente por dígitos 3, 7 ou 3 e 7, sem contar o zero). Vamos ao próximo passo: Focando nas colunas 2 e 3, selecionaremos somente as que contenham capítulos 3 e 7 e livros com apenas 3 e 7 capítulos.

 2ª SELEÇÃO: Todos os números, entre 1 e 7.777.777 que coincidam com  capítulos bíblicos 3 e 7 e com livros com apenas 3 ou 7 capítulos.

 No final, restaram somente 9 linhas:

Coluna 1

Coluna 2

Coluna 3

Coluna 4

 

Nº de ordem

 

Capítulos

 

Total de capítulo por livro

 

 

28 letras de Gênesis 1.1

7030

2CO7

7

Naum

3

200

703330

PV3

3

Naum

3

1

777377

MC3

3

Joel

3

10

3030377

EZ3

3

2 Tessalonicenses

3

40

3330000

LM3

3

Sofonias

3

400

7007777

João3

3

Joel

3

40

7073777

NE3

3

Joel

3

5

7077737

EZ7

7

Joel

3

1

7737737

ZC3

3

Joel

3

40

    Último passo: Calcule a soma da coluna 4.

                             200+1+10+40+400+40+5+1+40 = 737

 Um resultado evidente, impressionante e incontestável!

Para que você tenha a real dimensão dessa simetria e o profundo impacto para a doutrina da PLENITUDE BÍBLICA, acesse o Apêndice 63 da Enciclopédia Arquivo7.

Moacir Junior – morganne777@hotmail.comwww.arquivo7.com.br