Enciclopédia Arquivo7 no MEGA

quarta-feira, 16 de maio de 2012

UMA VITÓRIA COM GOSTO AMARGO


Caros amigos, nunca imaginei que fosse escrever um texto como este. Mas devo isso a vocês que, freqüentemente ou não, acessam meus blogs. No dia 11 de maio de 2012, sexta-feira, entre 13:00 e 13:30 horas, participei de um horrível acidente.

Os detalhes técnicos estão nos noticiários (vejam, por exemplo, o vídeo postado no link abaixo).

http://www.youtube.com/watch?v=HirJu6hBir8

Se não conseguirem visualizar, procurem no Youtube com as palavras: "Acidente grave carreta e onibus escolar".

Estávamos quase na chegada (íamos para a cidade de Pedreiras, distante 36 km da minha cidade, Igarapé Grande, na BR 119-MA). Numa curva fechada (conhecida por já ter sido testemunha de muitos acidentes), desponta uma carreta desgovernada, já na contramão, e quase tombada.

Não havia mais tempo para pensar em nada. A colisão era inevitável. Eu estava num ônibus escolar, que transportava estudantes para uma tradicional escola particular de Pedreiras (Colégio Batista). A maioria era adolescente, quase criança.

Em milésimos de segundos, em meio a gritos e desespero, o motorista do ônibus jogou o carro fora da estrada, para evitar a inevitável colisão. Não sei exatamente como, mas acredito que parte da carreta ao menos “tocou” na traseira do nosso ônibus, empurrando-o ainda mais violentamente, provocando sua virada.

A carreta tombou mais na frente. Dentro do ônibus, desespero e clamor. Pessoas ensangüentadas, machucadas, desnorteadas.

Porém, logo quase todo mundo estava fora do ônibus. Parecia que todos estavam apenas feridos e assustados. Lá fora todos em estado de choque. Eu estava sujo de sangue, minha cabeça parecia ferida, tinha a impressão que ela estava cortada, pois sentia cacos de vidros entre os cabelos.

Mas eu estava preocupado com uma pessoa. Tinha visto quase todo mundo fora do ônibus e notado que (apesar de cortes e machucados) pareciam bem. Mas não via uma certa pessoa. Depois soube que ainda havia gente dentro do ônibus e que não estava nada bem. Algumas pessoas estavam tentando resgatar esses feridos, que estavam principalmente na parte traseira do ônibus.

Meu coração estava pesado. Aparentemente eu estava bem. Mas minha angústia só aumentava ao notar que o tempo passava e uma pessoa não aparecia. Muita gente no local (pois o horário era bem transitável). Então notei quando retiraram mais alguém de dentro do ônibus. Parecia desmaiada ou coisa pior. Mas ouvi alguém garantindo que ela respirava.

Alguém se aproximou de mim e me perguntou se eu não queria ir para o hospital, para cuidar dos ferimentos e avisar minha família.

Bem, não quero contar mais detalhes.

Os fatos são que eu escapei apenas com um leve ferimento na orelha esquerda (transpassado por um caco de vidro) e uma batida na coluna (fiz exames de raios x para me certificar que não tinha quebrado nada).

Alguém, no local do acidente, ao se aproximar de mim, disse que eu tinha nascido de novo (ouvi essa expressão várias vezes depois). Mas meu coração estava tenso, uma tristeza profunda.

 Havia um óbito. Uma senhora morreu na hora do acidente. Mas de todos os sobreviventes ou feridos, havia alguém que estava em estado muito grave. Perdoem meu egoísmo, minha mesquinharia ou como queiram chamar, mas no momento da tragédia eu só estava preocupado com uma pessoa. Até porque as outras estavam de pé, gritando, pedindo socorro, mas dessa outra não havia nem sinal.

Minha filha não estava lá, mas era como se estivesse, pois a pessoa no estado mais grave era justamente A MELHOR AMIGA DE MINHA FILHA, alguém que cresceu visitando minha casa com muita freqüência, que eu considerava como se fosse minha segunda filha.

No momento eu só pensava: Meu Deus, não deixa nada de ruim acontecer com a Laísa, pois eu não saberia o que dizer para minha filha.

Foram três dias de agonia, suspense e desespero. As noticias não eram boas. Ela estava em coma e os médicos afirmavam que “SÓ DEUS”.

No domingo à noite (cerca de 22 horas), em pleno Dia das Mães, o que todos temiam aconteceu. Deus levou Laisa Sampaio para Sua glória. Nunca se viu tanta comoção em nossa cidade, tantas mensagens nas redes sociais, tanta repercussão nos blogs e noticiários da região.

Hoje buscamos forças em Deus para aceitar o que aconteceu. Os questionamentos são inevitáveis, mas DEUS É A FORÇA DA NOSSA VIDA. As lições são amargas, mas certamente mudarão nossas vidas para melhor. Descansamos na certeza de que Deus é Soberano, e que tudo isso é temporário. Cremos nas infalíveis promessas de Deus, O MELHOR AINDA VIRÁ e um dia Ele enxugará dos olhos toda lágrima.

Laisa era minha aluna (na Escola Bíblica Dominical). A mais curiosa. A garota das perguntas. Não havia debate se ela faltasse a aula. A maioria de suas perguntas era a respeito do Céu. “Será que vamos nos reconhecer no Céu?”, “Será que vamos comer por lá?”, “Vamos nos lembrar das coisas da terra?”, “Como será o nosso corpo?”, etc.

Na maioria das vezes eu não sabia o que responder a ela e apenas dizia: Quando estivermos com Jesus saberemos todas as respostas.

Quando se encontrava comigo na rua, sempre dizia: “Tenho outras perguntas.” Eu respondia: “Anota pra não esquecer. Nos veremos no próximo domingo, na Escola Dominical”.

É, queridinha, agora você sabe todas as respostas. Nós somos muitos egoístas e queríamos tanto você ao nosso lado, neste vale de lágrimas, neste mundo tenebroso, neste mundo mau, neste mundo maduro para o juízo de Deus.

Como devemos agir agora? Continuar a fazer o bem, amar-nos uns aos outros e divulgar, por todos os meios possíveis, o conhecimento da Palavra de Deus, enquanto aguardamos o cumprimento de uma oração rezada todos os dias por milhões de pessoas: “VENHA O TEU REINO! SEJA FEITA A TUA VONTADE, ASSIM NA TERRA, COMO NO CÉU.”

 “Preciosa é à vista do Senhor a morte dos seus santos.” (Salmo 116.15)

 “Naquele dia nada me perguntareis.” (João 16.23)

 “Mas a nossa pátria está nos céus, donde também aguardamos um Salvador, o Senhor Jesus Cristo, que transformará o corpo da nossa humilhação, para ser conforme ao corpo da sua glória, segundo o seu eficaz poder de até sujeitar a si todas as coisas.” (Filipenses 3.20,21)

  “Ele enxugará de seus olhos toda lágrima; e não haverá mais morte, nem haverá mais pranto, nem lamento, nem dor; porque já as primeiras coisas são passadas. E o que estava assentado sobre o trono disse: Eis que faço novas todas as coisas. E acrescentou: Escreve; porque estas palavras são fiéis e verdadeiras.” (Apocalipse 21.4,5)

 Moacir Junior

3 comentários:

  1. Eu não tenho nem palavras para descrever tantas coisas que precisamos mudar em nossas vidas.Só mesmo a misericórdia de Deus.

    ResponderExcluir
  2. só Deus mesmo para nos fazer entender pelo menos uma linha dessa fatalidade!agradeço a Deus,porque hoje eu sei que o melhor ainda estar por vir.....a nossa patria celestial...isso nos serve para refletir-mos..mudar o que precisa ser mudado e nos aproximar mais do Senhor...

    ResponderExcluir
  3. sentimos muito por essa fatalidade. mas nos fortalecemos no senhor. choramos pela falta que nos vai fazer,alegramos por ela esta ao lado do pai. JESUS CRISTO.

    ResponderExcluir