Enciclopédia Arquivo7 no MEGA

terça-feira, 28 de março de 2017

A AGENDA DO SENHOR NAS 7 PARÁBOLAS PROFÉTICAS

O Tempo da Colheita Final está próximo - Um novo capítulo da nossa Enciclopédia virtual

Em Mateus 13, Jesus revela 7 parábolas especiais sobre o Reino dos Céus. Durante Seu Ministério na terra, o Senhor usou muitas parábolas em Seus ensinos maravilhosos. Podemos classificá-las em dois tipos: ilustrativas e proféticas. Antes do capítulo 13 de Mateus, Jesus usou poucas parábolas (pelo menos uma está revelada no Sermão do Monte – a parábola dos dois fundamentos). Mas é somente aqui (Mateus 13) que Ele usa as parábolas no seu sentido profético pela primeira vez. Para entender a razão disso, devemos perguntar inicialmente:

Por que o Senhor passou a ensinar por parábolas enigmáticas?

Como afirmamos anteriormente, até Mateus 12 Jesus sempre ensinara claramente – a linguagem do Sermão do Monte não deixa dúvidas. Então, de repente, o Mestre passa a ensinar através de figuras misteriosas, incompreensíveis para muitos. Essa mudança no estilo de ensino tem relação direta com o desenvolvimento do Plano de Salvação, envolvendo Israel e os Gentios (= nações não israelitas).

Embora uma das regras para a interpretação de parábolas e alegorias seja a de que não devemos supervalorizar os detalhes, isso não significa que devemos desprezar TODOS os detalhes. E nesse capítulo 13 de Mateus, existem muitos detalhes significativos.

1 - A REJEIÇÃO DE JESUS POR PARTE DO POVO DE ISRAEL – Mateus 12 é muito claro. A tensão entre o Mestre e os fariseus chegou ao clímax. Os fariseus acusavam Jesus de realizar milagres pelo poder de Satanás. Jesus se defende dizendo que Satanás não pode expulsar a si mesmo, e aponta o dedo para os fariseus, afirmando categoricamente que toda blasfêmia contra Deus seria perdoada, mas não a blasfêmia contra o Espírito Santo. Sentindo que estava sendo rejeitado, Jesus chamou os líderes judaicos de “GERAÇÃO MÁ E ADÚLTERA”.

a) A lição do espírito imundo – “Ora, havendo o espírito imundo saído do homem, anda por lugares áridos, buscando repouso, e não o encontra. Então diz: Voltarei para minha casa, donde saí. E, chegando, acha-a desocupada, varrida e adornada. Então vai e leva consigo outros sete espíritos piores do que ele e, entretanto, habitam ali; e o último estado desse homem vem a ser pior do que o primeiro. Assim há de acontecer também a esta geração perversa.” (Mateus 12.43-45). Jesus declara aqui que a “CASA” (= isto é, o povo de Israel), seria esvaziada (da presença de Deus), e ficaria vazia. A conseqüência de alguém vazio de Deus é ficar à mercê de todo espírito imundo. Ezequiel já havia profetizado que um dia a Glória do Senhor iria abandonar o Templo (caps. 10 e 11). Jesus disse que o espírito imundo traz outros 7 espíritos (lembra-nos o capítulo 26 de Levítico, quando Deus disse que iria castigar Israel 7 vezes mais).

b) Uma nova família – É também significativo que no final de Mateus 12, Jesus, sendo informado que Sua mãe e seus irmãos queriam falar-lhe, disse aos seus ouvintes: “Quem é minha mãe? e quem são meus irmãos? E, estendendo a mão para os seus discípulos disse: Eis aqui minha mãe e meus irmãos. Pois qualquer que fizer a vontade de meu Pai que está nos céus, esse é meu irmão, irmã e mãe.” (Mateus 12.48-50). A mensagem é clara: Israel não era mais o povo privilegiado. A partir de agora, qualquer pessoa entre as nações (qualquer pagão) poderia fazer parte da família do Senhor, se abandonasse os caminhos do pecado.

02 – JESUS SAI DE CASA – Mateus 13.1, diz: “No mesmo dia, tendo Jesus saído de casa, sentou-se à beira do mar;” Parece uma frase sem importância, mas possui um forte conteúdo profético.

a) A CASA É ISRAEL - Em Mateus 23.37-39, Jesus lamenta: “Jerusalém, Jerusalém, que matas os profetas, apedrejas os que a ti são enviados! Quantas vezes quis eu ajuntar os teus filhos, como a galinha ajunta os seus pintos debaixo das asas, e não o quiseste! Eis aí abandonada vos é a vossa casa. Pois eu vos declaro que desde agora de modo nenhum me vereis, até que digais: Bendito aquele que vem em nome do Senhor.”

b) O MAR REPRESENTA AS NAÇÕES – “Disse-me ainda: As águas que viste, onde se assenta a prostituta, são povos, multidões, nações e línguas.” (Apocalipse 17.15).

c) ISRAEL ABANDONADO TEMPORARIAMENTE – As profecias ensinam claramente que, por terem rejeitado Jesus, os judeus seriam colocados temporariamente de lado, enquanto que os Gentios (= Nações) seriam privilegiados com a mensagem do Evangelho (Veja, por exemplo, Romanos 11).

O fato é que nas 7 parábolas apresentadas no capítulo 13 de Mateus, Jesus traça um panorama profético da história do Cristianismo nesses 2000 anos, e, observando os sinais dos tempos, é fácil constatarmos que chegamos aos Tempos Finais.

Bem, mais detalhes sobre as parábolas proféticas de Mateus 13, acesse este link (ENCICLOPÉDIA ARQUIVO 7) e você será direcionado a uma página contendo todos os estudos em slides já publicados (cerca de 33.000 páginas). Daí é só escolher o estudo e fazer o download para o seu computador.

Também disponível no formato PDF: 
http://sdrv.ms/1a28Cw8

O número (e o título) deste novo estudo é: “256 – A AGENDA DO SENHOR NAS 7 PARÁBOLAS PROFÉTICAS”

Qualquer sugestão, crítica ou questionamento, escreva-me.

Moacir R. S. Junior – morganne777@hotmail.com

terça-feira, 21 de março de 2017

PROJETO MATEMÁGICA BÍBLICA – O 4º Show

Os números governam o mundo; e Deus governa os números - Um novo capítulo da nossa Enciclopédia virtual

Se você se deparasse, de repente, com as duplas numéricas abaixo, seria capaz de explicar a conexão entre elas?

Qual a conexão entre:

·        7 e 13?
·        19 e 37?
·        37 e 73?
·        61 e 121?

Para aqueles acostumados com os estudos do Arquivo7, está bem claro que as duplas numéricas acima representam números hexagonais e estrelares hexagonais, respectivamente.  E cada um com o seu par matemático.

Isto é, o número estrelar hexagonal 13 tem como centro o hexagonal 7; o 37 tem o 19, o 73 possui como centro o 37; o 121 tem o 61, etc.

O fascinante da Matemática é que essas verdades são universais e eternas. Ou seja: 37 SEMPRE será o “coração”, isto é, o hexágono central do número estrelar hexagonal 73.

Agora, procure a ESPIRAL DOS NÚMEROS e faça a seguinte experiência: procure pelo quadrado do estrelar hexagonal 13. Você vai descobrir que ele (169) está localizado exatamente no 7º
 quarteirão da ESPIRAL DOS NÚMEROS. E daí? Ora, o quadrado do estrelar hexagonal 13 fica no quarteirão 7, que é o hexágono central de 13. Coincidência?

Não. É uma verdade matemática, pois:

·        O quadrado do estrelar hexagonal 37 (isto é, 1369) está justamente no 19º quarteirão (lembre-se: 19 é o centro hexagonal de 37);
·        O quadrado do estrelar hexagonal 73 (isto é, 5329) está no quarteirão 37, e este é o hexágono central de 73;
·        O quadrado do estrelar hexagonal 121 (isto é, 14.641), está no quarteirão 61, e este é o hexágono central de 121;
·        Etc.

Existe uma lógica matemática por trás disso e essa lógica gera uma simetria fascinante.

A simetria da Matemática deveria ser mais valorizada e estudada pela Humanidade. E essa simetria conectada com a Bíblia deveria causar um impacto positivo entre os estudiosos.

Nesta 4ª parte do Projeto Matemágica Bíblica, selecionamos outros 28 fatos bíblico-numéricos surpreendentes, provando que existe algo mais neste Universo, além do que possa imaginar os nossos mais profundos pensamentos.

Mais detalhes sobre o Projeto Matemágica Bíblica – o 4º show, acesse este link (ENCICLOPÉDIA ARQUIVO 7) e você será direcionado a uma página contendo todos os estudos em slides já publicados (cerca de 33.000 páginas). Daí é só escolher o estudo e fazer o download para o seu computador.

Também disponível no formato PDF: 
http://sdrv.ms/1a28Cw8

O número (e o título) deste novo estudo é: “255 – PROJETO MATEMÁGICA BÍBLICA - O 4º Show”

Qualquer sugestão, crítica ou questionamento, escreva-me.
Moacir R. S. Junior – morganne777@hotmail.com


terça-feira, 14 de março de 2017

PROJETO MATEMÁGICA BÍBLICA – O 3º Show

Deus, os Números e o Universo - Um novo capítulo da nossa Enciclopédia virtual

Mais 28 fatos bíblico-numéricos extraordinários, provando que as histórias bíblicas não podem ser meramente invenções humanas. O jeito como os números formam padrões e simetrias, harmonizando fatos bíblicos e doutrinas, merece uma investigação séria e profunda.

Alegar que tudo são meras coincidências é uma desculpa intelectual simplista, fraca, preguiçosa e desonesta. Avalie, por exemplo, os fatos numéricos abaixo (que não estão incluídos no presente estudo em slides):

Se você escolhe, ao acaso, cinco números grandes (formados por 3 ou 4 algarismos), quais as chances da média deles ser exatamente igual a um dos números?

Exemplo 1 – Imaginemos os números 560, 781, 1001, 1056 e 2045.

Agora, vamos somar: 560 + 781 + 1001 + 1056 + 2045 = 5443

Agora, vamos calcular a média, ou seja, 5443 dividido por 5: 1.088,60 (não é nenhum dos cinco números).

Exemplo 2 – Agora imaginemos os números 490, 1260, 1290, 1335 e 2300.

Somando tudo: 490 + 1260 + 1290 + 1335 + 2300 = 6675

A média deles é: 6675 / 5 = 1335 (exatamente um dos números da soma).

O primeiro exemplo, escolhido aleatoriamente por mim, não gerou um resultado significativo. Mas o segundo exemplo é impressionante. E os tais números não foram tirados de um lugar qualquer, mas da Bíblia. E aqui alguém poderia objetar:

“É claro! Você tirou esses números da Bíblia, mas isso não prova simetria nenhuma, pois a Bíblia cita muitos números e você pode muito bem ter escolhido os números certos, entre centenas de exemplos”.

Porém, essa objeção cai por terra quando consideramos que:

1 – Os cinco números foram tirados de apenas um e mesmo contexto, um cenário profético, citado em dois livros, Daniel e Apocalipse;
2 – Ou seja, os cinco números aparecem em dois livros tematicamente conectados e relacionados aos mesmos eventos.

O que eles significam? Bem, aí você precisa conhecer os outros capítulos da nossa Enciclopédia, para mais detalhes.

Mais detalhes sobre o Projeto Matemágica Bíblia – o 3º show, acesse este link (ENCICLOPÉDIA ARQUIVO 7) e você será direcionado a uma página contendo todos os estudos em slides já publicados (cerca de 33.000 páginas). Daí é só escolher o estudo e fazer o download para o seu computador.

Também disponível no formato PDF: 
http://sdrv.ms/1a28Cw8

O número (e o título) deste novo estudo é: “254 – PROJETO MATEMÁGICA BÍBLICA - O 3º Show”

Qualquer sugestão, crítica ou questionamento, escreva-me.
Moacir R. S. Junior – morganne777@hotmail.com


terça-feira, 7 de março de 2017

PROJETO MATEMÁGICA BÍBLICA – O 2º Show

A Medida Perfeita - Um novo capítulo da nossa Enciclopédia virtual

Neste trabalho são apresentados 28 fatos matemáticos fascinantes envolvendo a Razão Áurea e a Bíblia. A quantidade e qualidade dos fenômenos divulgados estão além da mera coincidência. E se os céticos rejeitarem a interpretação dada a esses fatos, são desafiados a apresentarem uma explicação melhor.

A maioria dos estudiosos cristãos interpreta o Evangelho de Marcos, como o Evangelho de Jesus, se apresentando como o Servo. Esses mesmos estudiosos ensinam que o texto-chave de Marcos está no capítulo 10:

Pois também o Filho do homem não veio para ser servido, mas para servir, e para dar a sua vida em resgate de muitos.” (Marcos 10.45)

Esse é o 418º versículo de Marcos. Ora, se o Evangelho de Marcos possui 678 versículos, divida-se 678 por 418 e teremos 1,622009..., ou seja, bem próximo da Razão Áurea.

Divida-se a quantidade de capítulos de Marcos (16) pelo capítulo do tema central (10), e teremos novamente a Razão Áurea, ou seja: 1,6.

Marcos é o 41º livro da Bíblia. Divida-se 66 (total dos livros bíblicos) por 41 e teremos novamente ela, nossa amiga Razão Áurea, abreviada em 1,6.

Portanto, a Razão Áurea está, biblicamente, relacionada com Jesus no papel de Servo de Deus e da Humanidade.

E falando em Servo, o capítulo 53 de Isaías é universalmente conhecido como o capítulo do SERVO SOFREDOR, uma visão chocante (e antecipada 700 anos antes) do Calvário de Cristo.

Bem, Isaías 53 é o 732º capítulo da Bíblia. Divida-se 1189 (total de capítulos da Bíblia) por 732 e teremos mais uma vez: 1,6 (a Razão Áurea).

Se você se impressionou com esses fatos, precisa ver os 28 citados neste novo estudo.

O Projeto Matemágica Bíblica já foi explicado, em detalhes, na postagem anterior.

Mais detalhes, acesse este link (ENCICLOPÉDIA ARQUIVO 7) e você será direcionado a uma página contendo todos os estudos em slides já publicados (cerca de 33.000 páginas). Daí é só escolher o estudo e fazer o download para o seu computador.

Também disponível no formato PDF: 
http://sdrv.ms/1a28Cw8

O número (e o título) deste novo estudo é: “253 – PROJETO MATEMÁGICA BÍBLICA - O 2º Show”

Qualquer sugestão, crítica ou questionamento, escreva-me.

Moacir R. S. Junior – morganne777@hotmail.com