Enciclopédia Arquivo7 no MEGA

terça-feira, 28 de março de 2017

A AGENDA DO SENHOR NAS 7 PARÁBOLAS PROFÉTICAS

O Tempo da Colheita Final está próximo - Um novo capítulo da nossa Enciclopédia virtual

Em Mateus 13, Jesus revela 7 parábolas especiais sobre o Reino dos Céus. Durante Seu Ministério na terra, o Senhor usou muitas parábolas em Seus ensinos maravilhosos. Podemos classificá-las em dois tipos: ilustrativas e proféticas. Antes do capítulo 13 de Mateus, Jesus usou poucas parábolas (pelo menos uma está revelada no Sermão do Monte – a parábola dos dois fundamentos). Mas é somente aqui (Mateus 13) que Ele usa as parábolas no seu sentido profético pela primeira vez. Para entender a razão disso, devemos perguntar inicialmente:

Por que o Senhor passou a ensinar por parábolas enigmáticas?

Como afirmamos anteriormente, até Mateus 12 Jesus sempre ensinara claramente – a linguagem do Sermão do Monte não deixa dúvidas. Então, de repente, o Mestre passa a ensinar através de figuras misteriosas, incompreensíveis para muitos. Essa mudança no estilo de ensino tem relação direta com o desenvolvimento do Plano de Salvação, envolvendo Israel e os Gentios (= nações não israelitas).

Embora uma das regras para a interpretação de parábolas e alegorias seja a de que não devemos supervalorizar os detalhes, isso não significa que devemos desprezar TODOS os detalhes. E nesse capítulo 13 de Mateus, existem muitos detalhes significativos.

1 - A REJEIÇÃO DE JESUS POR PARTE DO POVO DE ISRAEL – Mateus 12 é muito claro. A tensão entre o Mestre e os fariseus chegou ao clímax. Os fariseus acusavam Jesus de realizar milagres pelo poder de Satanás. Jesus se defende dizendo que Satanás não pode expulsar a si mesmo, e aponta o dedo para os fariseus, afirmando categoricamente que toda blasfêmia contra Deus seria perdoada, mas não a blasfêmia contra o Espírito Santo. Sentindo que estava sendo rejeitado, Jesus chamou os líderes judaicos de “GERAÇÃO MÁ E ADÚLTERA”.

a) A lição do espírito imundo – “Ora, havendo o espírito imundo saído do homem, anda por lugares áridos, buscando repouso, e não o encontra. Então diz: Voltarei para minha casa, donde saí. E, chegando, acha-a desocupada, varrida e adornada. Então vai e leva consigo outros sete espíritos piores do que ele e, entretanto, habitam ali; e o último estado desse homem vem a ser pior do que o primeiro. Assim há de acontecer também a esta geração perversa.” (Mateus 12.43-45). Jesus declara aqui que a “CASA” (= isto é, o povo de Israel), seria esvaziada (da presença de Deus), e ficaria vazia. A conseqüência de alguém vazio de Deus é ficar à mercê de todo espírito imundo. Ezequiel já havia profetizado que um dia a Glória do Senhor iria abandonar o Templo (caps. 10 e 11). Jesus disse que o espírito imundo traz outros 7 espíritos (lembra-nos o capítulo 26 de Levítico, quando Deus disse que iria castigar Israel 7 vezes mais).

b) Uma nova família – É também significativo que no final de Mateus 12, Jesus, sendo informado que Sua mãe e seus irmãos queriam falar-lhe, disse aos seus ouvintes: “Quem é minha mãe? e quem são meus irmãos? E, estendendo a mão para os seus discípulos disse: Eis aqui minha mãe e meus irmãos. Pois qualquer que fizer a vontade de meu Pai que está nos céus, esse é meu irmão, irmã e mãe.” (Mateus 12.48-50). A mensagem é clara: Israel não era mais o povo privilegiado. A partir de agora, qualquer pessoa entre as nações (qualquer pagão) poderia fazer parte da família do Senhor, se abandonasse os caminhos do pecado.

02 – JESUS SAI DE CASA – Mateus 13.1, diz: “No mesmo dia, tendo Jesus saído de casa, sentou-se à beira do mar;” Parece uma frase sem importância, mas possui um forte conteúdo profético.

a) A CASA É ISRAEL - Em Mateus 23.37-39, Jesus lamenta: “Jerusalém, Jerusalém, que matas os profetas, apedrejas os que a ti são enviados! Quantas vezes quis eu ajuntar os teus filhos, como a galinha ajunta os seus pintos debaixo das asas, e não o quiseste! Eis aí abandonada vos é a vossa casa. Pois eu vos declaro que desde agora de modo nenhum me vereis, até que digais: Bendito aquele que vem em nome do Senhor.”

b) O MAR REPRESENTA AS NAÇÕES – “Disse-me ainda: As águas que viste, onde se assenta a prostituta, são povos, multidões, nações e línguas.” (Apocalipse 17.15).

c) ISRAEL ABANDONADO TEMPORARIAMENTE – As profecias ensinam claramente que, por terem rejeitado Jesus, os judeus seriam colocados temporariamente de lado, enquanto que os Gentios (= Nações) seriam privilegiados com a mensagem do Evangelho (Veja, por exemplo, Romanos 11).

O fato é que nas 7 parábolas apresentadas no capítulo 13 de Mateus, Jesus traça um panorama profético da história do Cristianismo nesses 2000 anos, e, observando os sinais dos tempos, é fácil constatarmos que chegamos aos Tempos Finais.

Bem, mais detalhes sobre as parábolas proféticas de Mateus 13, acesse este link (ENCICLOPÉDIA ARQUIVO 7) e você será direcionado a uma página contendo todos os estudos em slides já publicados (cerca de 33.000 páginas). Daí é só escolher o estudo e fazer o download para o seu computador.

Também disponível no formato PDF: 
http://sdrv.ms/1a28Cw8

O número (e o título) deste novo estudo é: “256 – A AGENDA DO SENHOR NAS 7 PARÁBOLAS PROFÉTICAS”

Qualquer sugestão, crítica ou questionamento, escreva-me.

Moacir R. S. Junior – morganne777@hotmail.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário