sábado, 14 de setembro de 2019

A MÁGICA DOS NÚMEROS DEMONSTRA QUE EXISTE ALGO ALÉM DA INTELIGÊNCIA HUMANA



Os números e suas propriedades misteriosas e incríveis fascinam a Humanidade desde os tempos mais remotos. O fato do comportamento deles ser imutável (e muitas vezes imprevisíveis) causa perplexidade aos matemáticos. Por exemplo, os números primos (que só dividem por eles mesmos e por 1): Por que os números 3, 31, 331, 3331, 33331, 333331, 3333331 e 33333331 são primos, porém, o 333333331 não é? Por que existem certos intervalos pequenos entre alguns primos e longos entre outros? Qual a lógica? Por que, até agora, ninguém conseguiu encontrar uma fórmula pra explicar o padrão dos primos?

Bem, e aqueles números chamados, pelos matemáticos, de irracionais? Que não admitem serem escritos na forma de fração, pois em suas formas decimais, consistem em números infinitos não periódicos, como, por exemplo, o número Pi (3,1415926535897932384626433832795...), ou o número PHI (descrito mais abaixo).
O comportamento dos números é tão impressionante que parece mágica. E a coisa fica mais chocante quando conectamos com a Matemática Bíblica. Leia com cuidado o exemplo a seguir.

Fato 1 - O número PHI, que começa com 1,6180339887498948482045868343656... e nunca se acaba (uma afirmação estarrecedora, mas verdadeira), é um dos números mais venerados pelos matemáticos, místicos, filósofos, etc;

Fato 2 - Existem inúmeras conexões bíblicas com esse número (na Enciclopédia Arquivo7 temos uma série com 21 capítulos e centenas de páginas dedicadas a demonstrar essas conexões);

Fato 3 - Os números 3 e 7 são os mais significativos da Matemática Bíblica (essa é, inclusive, a essência das pesquisas do Arquivo7);

Fato 4 - A raiz quadrada de 3 é também muito venerada pelos estudiosos. Ela começa com 1,7320508075688772935274463415059... outro número que nunca se acaba;

Fato 5 - A raiz de 7 é 2,6457513110645905905016157536393... também infinita;

1º Teste - A pergunta é: se dispusermos os três números em 3 colunas, onde, em qual linha, o dígito 3 coincide pela primeira vez?

Resposta: É claro que, numa lista infinita de números, em algum momento, teremos um alinhamento 3-3-3. Nesse caso, a resposta está na linha 531. Ou seja, o 531º algarismo do número PHI é 3; o 531º algarismo da raiz de 3 é 3 e o 531º algarismo da raiz de 7 é 3.

2º Teste - E, onde, pela primeira vez, o dígito 7 coincide, isto é, aparece paralelamente nos 3 números? a resposta está na linha 456. Ou seja, o 456º algarismo do número PHI é 7; o 456º algarismo da raiz de 3 é 7 e o 456º algarismo da raiz de 7 é 7.

Fato 6 - A Bíblia contém 1189 capítulos; 

Fato 7 - Bem, o 531º capítulo da Bíblia, equivalente à linha do alinhamento 3-3-3 SOMADO com o capítulo equivalente à linha do alinhamento 7-7-7 traz um resultado surpreendente.

a)    531º capítulo bíblico: Salmo 53

b)    456º capítulo bíblico: Jó 20

c)    Salmo 53 + Jó 20, ou seja, 53 + 20 e temos uma das celebridades da Matemática Bíblica, nosso amigo 73!!!


Como é possível que nessa salada de números, no final, a coisa se encaixa perfeitamente? Quem poderia ter elaborado isso? A mente humana ou a divina?

* Os detalhes desse fabuloso cálculo você encontra no capítulo 331 da Enciclopédia Arquivo7, intitulado: “SER ‘SETE’ É SABER SURPREENDER”.

"Os sábios ficarão confusos, desnorteados, e cairão no laço, pois rejeitaram a palavra de JAVÉ. Que sabedoria podem ter eles?"
(Jeremias 8.9)

Moacir R. S. Junior – morganne777@hotmail.com

sábado, 7 de setembro de 2019

73 BALAS DE PRATA... DA MATEMÁTICA NA ESTRUTURA BÍBLICA


UMA SÍNTESE DAS 73 EVIDÊNCIAS MAIS SURPREENDENTES DA SIMETRIA MATEMÁTICA NA ESTRUTURA DA BÍBLIA

          Bala de prata?

É uma expressão popular (baseada no folclore). Significa uma solução simples e letal para um problema complexo. Em outras palavras: como (na crendice popular) a bala de prata é a munição mais eficaz para se eliminar os piores monstros (lobisomens e companhia), segura, definitivamente e sem deixar dúvidas; de forma análoga, uma evidência se torna uma “bala de prata”, quando é, ao mesmo tempo, simples, clara, irrefutável e suficiente para deixar a nossa incredulidade abalada, “baleada” ou “abatida”.

Em defesa das doutrinas da Inspiração, Inerrância, Imutabilidade e Plenitude da Bíblia, creio que a Matemática Bíblica é um arsenal de “balas de prata”.

Claro que já divulguei mais de 100 padrões matemáticos encontrados na estrutura dos livros e capítulos bíblicos. Ou seja, um número muito além do suficiente para provarmos que a mente humana seria incapaz de elaborar tais coisas. Hoje quero simplesmente elencar as 73 evidências que eu considero mais incríveis dentre todas que já foram divulgadas (é sempre uma tarefa difícil, escolher poucas entre tantas). Para não ocupar muito espaço ou deixar o texto muito grande (e assustador para a maioria das pessoas), apenas elencarei as evidências, com algumas explicações rápidas e indicações dos capítulos da Enciclopédia Arquivo7 onde os detalhes poderão ser consultados.

Se você ainda tem dúvidas se a Matemática Bíblica (como Projeto Divino) existe ou é apenas mera coincidência (ou pior, manipulação humana), considere as seguintes evidências:

1 – De todos os livros bíblicos, somente um contém, ao todo, 7 capítulos. E esse livro (Miquéias) está localizado onde? Exatamente no CENTRO da Bíblia. E mais: Na lista dos 66 livros só existe um lugar onde 3 e 7 se encontram (na ordem e total de capítulos dos livros). Na ordem 33, com os 7 capítulos de Miquéias. Outra coisa: A Bíblia contém 66 livros (canônicos), e como 66 é um número par, o centro deve conter DOIS LIVROS. Em outras palavras, contando a partir de Gênesis até o 33º livro, chegamos a Miquéias, com 7 capítulos; e se contarmos, a partir de Apocalipse (pra trás), até o 33º livro, chegaremos a Naum, com 3 capítulos. Os dois livros CENTRAIS da Bíblia, Miquéias e Naum, contém, respectivamente, 7 e 3 capítulos! Os dois principais números da Matemática Bíblica estão no centro da Bíblia.

2 – O primeiro livro, cuja quantidade total de capítulos é múltipla exata de 3, é justamente o 3º (Levítico, com 27 capítulos: 3 x 3 x 3). E o primeiro cuja quantidade total de capítulos é múltipla exata de 7 é justamente o 7º (Juízes, com 21 capítulos, ou 3 x 7).

3 – Primeiro, selecione todos os livros que estão nas ordens múltiplas de 3, tipo: Levítico (3º livro), Josué (6º livro), 1 Samuel (9º livro), etc. Em seguida, calcule o total dos capítulos desses livros. O resultado é claro e surpreendente: 343. Ou seja, 7 x 7 x 7.
  
Agora faça a mesma experiência com todos os livros que ocupam as ordens de 7 e seus múltiplos. A soma total é 120. Primeiro, este número é significativo na Bíblia; segundo, é um tríplice 40 (não somente o 40, mas a sua triplicidade é significativa na Bíblia); e terceiro, 120 é múltiplo de 3.

Ou seja, a soma dos capítulos dos livros que ocupam a ordem 3 é igual a um múltiplo de 7; e a soma dos que ocupam a ordem 7 geram um múltiplo de 3.

4 – Selecione somente os livros cujo número de ordem seja múltiplo de 3 e 7, ao mesmo tempo. Nos 66 livros, existem somente 3 que preenchem esse requisito:
21º livro (3 x 7): Eclesiastes, com 12 capítulos;
42º livro (2 x 3 x 7): Lucas, com 24 capítulos;
63º livro (3 x 3 x 7): 2 João, com 1 capítulo.

Soma total: 12 + 24 + 1 = 37!!!

A evidência é incontestável e clara: a soma dos capítulos dos livros que ocupam a ordem 3 é igual a um múltiplo de 7; a soma dos que ocupam a ordem 7 geram um múltiplo de 3; e os que ocupam as ordens divisíveis por 3 e 7, ao mesmo tempo, somam exatamente 37. Veja os detalhes aqui: 315 - O CÓDIGO GÊNESIS PARA QUEM NUNCA OUVIU FALAR

O que foi revelado nos 4 itens anteriores já é o suficiente para despertar a suspeita de que esses padrões não podem ter sido arranjados por mero acaso. Entretanto, as evidências seguintes irão transformar toda suspeita em certeza.

5 – A conexão com o nome ELOHIM nas 5 datas do Dilúvio – versão 1 – No calendário bíblico, alinhando cada dia com os 28 valores de Gênesis 1.1, no final, constataremos que os valores relacionados aos 5 dias exatos citados no Dilúvio, somam exatamente 86, o valor do Nome ELOHIM.

Veja os detalhes aqui: 309 - EXPLICA ESSA INCREU - MAIS GOLPES INÉDITOS NA INCREDULIDADE

          Aparentemente, este tópico não tem nada a ver com a Matemática na estrutura da Bíblia, mas o item seguinte vai deixar a coisa bem clara e impressionante.

6 – A conexão com o nome ELOHIM nas 5 datas do Dilúvio – versão 2 – No calendário bíblico, alinhando cada dia com os 66 livros bíblicos, no final, constataremos que o total dos capítulos de todos os livros relacionados aos 5 dias exatos citados no Dilúvio, somam exatamente 86, o valor do Nome ELOHIM.

Veja os detalhes aqui: 309 - EXPLICA ESSA INCREU - MAIS GOLPES INÉDITOS NA INCREDULIDADE

          Agora a coisa se torna ainda mais interessante. Dois cálculos envolvendo coisas diferentes apontam para o mesmo resultado. Se Moisés, ao escrever o Gênesis, de alguma forma planejou a simetria citada no item 5, seria impossível arquitetar a matemática do item 6, pois seria impossível saber quantos livros a Bíblia teria um dia e quantos capítulos. De qualquer forma, até a simetria do item 5 seria impossível para Moisés, pois as letras hebraicas só foram convertidas em valores numéricos cerca de 1.200 anos depois dele.

7 – O valor do Nome de Jesus que abre e fecha o calendário – Relacionando todos os 360 dias do calendário bíblico com os 66 livros bíblicos, constataremos que a soma total dos capítulos dos livros equivalentes ao primeiro mês é igual a 888 (valor numérico do Nome de JESUS, em grego), e a soma total encontrada no último mês é exatamente a mesma.

Veja os detalhes aqui: 309 - EXPLICA ESSA INCREU - MAIS GOLPES INÉDITOS NA INCREDULIDADE

8 – 3 elevado a 3 é igual a 27 (e o 27º capítulo bíblico é Gênesis 27); 7 elevado a 7 é 823.543 e o capítulo bíblico equivalente é Jeremias 10 (somando os dois capítulos encontrados, teremos 37).

Veja os detalhes aqui: 328 - AQUILO QUE REALMENTE SURPREENDE - Parte 3

9 – Agora se SOMARMOS 3 elevado a 3 COM 7 elevado a 7, teremos 823.570, e o capítulo bíblico equivalente é exatamente Jeremias 37. Ou seja, um dos raros 7 capítulos 37 da Bíblia.

Veja os detalhes aqui: 328 - AQUILO QUE REALMENTE SURPREENDE - Parte 3

10 – Tem mais: se usarmos a mesma experiência anterior, só que separando os dois Testamentos, no final, o resultado nos levará ao número 73!!!

Veja os detalhes aqui: 328 - AQUILO QUE REALMENTE SURPREENDE - Parte 3

Considerando os itens 8, 9 e 10, são 3 coincidências espantosas, e como estão interligadas (e não isoladas) tudo indica que foram planejadas.

11 – Quando elevamos 7337 a 37, iremos parar em Êxodo 37.

Veja os detalhes aqui: 327 - AQUILO QUE REALMENTE SURPREENDE - Parte 2

12 – Se elevarmos 7337 a 337, iremos parar, novamente, em Êxodo 37.

Veja os detalhes aqui: 327 - AQUILO QUE REALMENTE SURPREENDE - Parte 2

13 – E quando elevado a ele mesmo (7337^7337), incrivelmente iremos parar, mais uma vez, em Êxodo 37.

Novamente, temos 3 coincidências incríveis em volta do mesmo número. E o tamanho do número (resultante de 7337^7337), com 28.362 dígitos, é absurdo demais para a simples mente humana calcular.

Veja os detalhes aqui: 328 - AQUILO QUE REALMENTE SURPREENDE - Parte 3

14 – Só existem 7 capítulos 37 na Bíblia (e um capítulo 73), que se encontram nos livros: Gênesis, Êxodo, Jó, Salmos, Isaías, Jeremias e Ezequiel. Estes livros pertencem a três grupos distintos: Lei, Poesia e Profecia. Somando seus números de ordem, eis a surpresa:

Gênesis e Êxodo (1º e 2º), ou seja, 3;
Jó e Salmos (18º e 19º), ou seja, 37;
Isaías, Jeremias e Ezequiel (23º, 24º e 26º), ou seja, 73.

Veja os detalhes aqui: APÊNDICE 2 - MUITO ALÉM DA ENCICLOPÉDIA ARQUIVO7

15 – Os números de ordem de todos os capítulos 37 e 73 da Bíblia, formam um numerozão (37.087.473.515.551.716.782.839) que, no final, corresponde exatamente à Êxodo 37, outro dos raros 7 capítulos 37 da Bíblia.

Veja os detalhes aqui: 329 - AQUILO QUE REALMENTE SURPREENDE - Parte 4

16 – Os números 3, 7, 37 e 73 (as quatro celebridades da Matemática Bíblica) ocupam uma posição imutável (e eterna) na infinita reta numérica. Um gigantesco número (formado de 1 a 73, com os zeros ocupando o espaço de todos os números diferentes de 3, 7, 37 e 73
(003000700000000000000000000000000000370000000000000000000000000000000000073), é equivalente ao capítulo 37 de Jeremias. Isso já seria uma coincidência chocante, mas:

17 - O inverso do numerozão acima
 (730000000000000000000000000000000000037000000000000000000000000000007000300) está conectado justamente com outro capítulo 37 da Bíblia, Jó 37!!!

Veja os detalhes aqui: APÊNDICE 1 - MUITO ALÉM DA ENCICLOPÉDIA ARQUIVO7

18 – A soma total dos capítulos de todos os livros onde aparecem as expressões “três vezes” ou “sete vezes” é exatamente 777.

Veja os detalhes aqui: 319 - 777 - XEQUE MATE

19 – Em 73 horas temos 262.800 segundos. Se alinharmos todos os 1.189 capítulos, formando um único número, teremos um numerozão que, na Roleta dos 262.800 segundos, nos levará exatamente ao segundo de número 183.822, que corresponde exatamente ao capítulo 37 de Isaías!!!

Veja os detalhes aqui: APÊNDICE 12 - MUITO ALÉM DA ENCICLOPÉDIA ARQUIVO7

20 – O fatorial de 3 multiplicado pelo fatorial de 7 é equivalente ao Salmo 37.

Veja os detalhes aqui: 327 - AQUILO QUE REALMENTE SURPREENDE - Parte 2

21 – 7 elevado a 7 (elevado a 3 elevado a 3) MULTIPLICADO por 7 elevado a 7 (MULTIPLICADO por 3 elevado a 3) produzirá um número de 168 dígitos, que é equivalente à Ezequiel 37.

Veja os detalhes aqui: 327 - AQUILO QUE REALMENTE SURPREENDE - Parte 2

A BÍBLIA, O JORNAL DE AMANHÃ ESCRITO HÁ 2.000 ANOS...


A Bíblia é um livro de profecias – aliás, o maior e mais confiável que existe. Essas predições não são adivinhações ou prognósticos baseados na obviedade, mas profecias verdadeiras, facilmente comprovadas pela História.

O ex-presidente de Israel, Chaim Herzog, disse certa vez: “A Bíblia apresenta uma proporção de forças em uma dada situação política no final dos tempos, a qual se lida no contexto de hoje, começa realmente a parecer familiar.”

Ninguém pode negar a gigantesca influência da Bíblia na História da Humanidade. Quase todos (até mesmo muitos ateus) reconhecem seus elevados valores éticos e morais. Mas o sagrado Livro do Cristianismo é muito mais do que isso. Suas palavras, escritas há mais de 2000 anos, possuem estarrecedoras coincidências com as notícias que lemos no dia a dia, especialmente em relação à política internacional.

UM DESAFIO PARA OS CÉTICOS

Inicialmente, algumas informações essenciais:

1 – Até 2013, a ONU só reconhecia 193 países;

2 – Mas existem listas com até 256 países, porque muitos ainda estão lutando pela Independência (http://www.online24.pt/quantos-paises-existem-no-mundo/). Portanto, é comum se afirmar que o planeta possui, atualmente, cerca de 200 países. Vamos ao desafio:

Considere os seguintes fatos e tente contestá-los:

1º - O planeta Terra possui, atualmente, cerca de 200 países (sem contarmos os que ainda não são oficialmente reconhecidos como tais);

2º - No Oriente Médio estão apenas cerca de 9% desses países;

3º - Esses 9% aparecem mais nos jornais do que os 91% restantes, considerando-se as devidas proporções (tente ver uma página do noticiário internacional que não fale de Israel, Irã, Iraque, Egito, Síria, Turquia, etc);

4º - A grande maioria desses países é citada literalmente na Bíblia (alguns até com o mesmo nome geográfico atual – tais como Israel, Egito, Síria, Arábia, etc.);

5º - Esses países são citados na Bíblia conectados com os acontecimentos em torno da Segunda Vinda de Cristo;

6º - O palco das guerras profetizadas na Bíblia para os Tempos Finais envolve justamente a mesma área ocupada atualmente por esses países;

7º - Portanto, exatamente os países citados na Profecia Bíblica para o Fim dos Dias, são os mais citados nos jornais de hoje. Ou seja: Ninguém é capaz de contestar que a Profecia Bíblica hoje é mais atual do que o jornal de amanhã.

Lembrando ainda que todos esses países (com exceção de 1) são países islâmicos, cuja ideologia tem como um dos objetivos principais exterminar os judeus e apagar o Estado de Israel do mapa – E ESSE É EXATAMENTE O ROTEIRO APONTADO PELA BÍBLIA PARA O CENÁRIO DO FINAL DOS TEMPOS, POUCO ANTES DE JESUS VOLTAR.

OS CONFLITOS NO ORIENTE MÉDIO DESCRITOS LITERALMENTE NA BÍBLIA.

As centenas de textos que encontramos na Bíblia trazem uma linguagem tão clara que nenhum esforço interpretativo é necessário de nossa parte. Alguns exemplos:

quarta-feira, 28 de agosto de 2019

A APOSTA QUE NINGUÉM CONSEGUE VENCER


- O número 73 é um dos números-chave da Assinatura de Deus ao inspirar a Bíblia. No texto original do Gênesis, especialmente na primeira frase, podemos encontrar centenas de padrões envolvendo os números 37 e 73. Na Bíblia toda, o 73 aparece como número de capítulo somente uma vez (no Salmo 73).

Bem, usando a quantidade total de capítulos bíblicos (1.189) como um círculo, um grande círculo, vamos imaginar o seguinte jogo:

Primeiro, você escolhe um número qualquer acima de 3.000;

Segundo, você faz uma contagem, a partir do primeiro capítulo da Bíblia, e vai contando, capítulo por capítulo, até parar no número que escolheu.

Digamos que tenha escolhido o número 3.150. Contando desde Gênesis 1, até parar em 3.150, você irá parar, inevitavelmente, no 772º capítulo da Bíblia, que é Jeremias 27.

- Sim. E daí?

- E se, por exemplo, você tivesse escolhido o número 800.000? Contando desde Gênesis 1, no círculo dos 1.189 capítulos, iria parar exatamente no 992º capítulo, que é Lucas 19.

- Sim, e daí? O que você pretende com esses cálculos sem sentido?

- Bem, quais as chances de você, aleatoriamente, sem usar lógica nenhuma, escolher um número, acima de 3.000, que coincida exatamente com o 551º da Bíblia, ou seja, exatamente o Salmo 73?

- Não sei quais as chances, mas deve ser bem difícil, né? Matematicamente, existem infinitos números que devem coincidir com esse capítulo. O problema é saber quais, né? Você conhece algum número que dê certo?

- Pegue o PRIMEIRO capítulo da Bíblia (Gênesis 1, obviamente), o capítulo CENTRAL (Salmo 117) e o ÚLTIMO capítulo (Apocalipse 22), e transforme os números desses capítulo num único número. Teremos 001.117.022 (mais de UM MILHÃO). Bem, agora coloque esse número numa calculadora científica (de computador), em seguida aperte a tecla MOD (que dá o resultado de uma divisão, deixando somente o resto). Por fim, coloque agora o número total de capítulos bíblicos (1.189) e aperte ENTER. Em questão de segundos a calculadora vai informar que o número 001.117.022, numa lista de 1.189 capítulos, corresponde exatamente ao capítulo 551. Ou seja, ao Salmo 73!!!

Foi uma operação simples e um resultado chocante. E o melhor: FÁCIL DE SE PROVAR E IMPOSSÍVEL DE SE CONTESTAR.

Veja bem: Em toda a Bíblia existe somente UM CAPÍTULO de número 73, um Salmo. O capítulo CENTRAL da Bíblia fica também no livro dos Salmos.

Aí quando juntamos o primeiro capítulo da Bíblia, com o central e o último, temos um número diretamente conectado... AO SALMO 73!!!

Quem pode imitar isso?

- Hummm!!! Não poderia ser somente uma coincidência?

- Poderia, se o número de exemplos não fosse tão grande.

- Por exemplo?

- E este numerozão aqui? 26.008.608.881.480? Na casa dos trilhões... Coloque-o na calculadora, faça o mesmo processo que fizemos anteriormente, e vai comprovar que esse numerozão para no 551º capítulo bíblico, ou seja, no Salmo 73.

- ???!!! Mas você encontrou esse número aleatoriamente?

- Claro que não! Peguei 4 importantes Nomes e Títulos na Bíblia e troquei por seus respectivos valores numéricos (e na ordem lógica):

- YHWH (o Mais Sagrado Nome de Deus na Bíblia), de valor numérico 26;

- ELOHIM (que significa DEUS, em hebraico), de valor numérico 86;

- JESUS, que, no grego do Novo Testamento, tem o valor numérico 888;

- E CRISTO, que, no grego do Novo Testamento, tem o valor numérico 1480.

Portanto, juntando os valores de YHWH ELOHIM (SENHOR DEUS) JESUS CRISTO, ou 0026008608881480, teremos o número que, na roda dos 1.189 capítulos, corresponde ao 551º capítulo, ou Salmo 73. Isso seria apenas coincidência?

Deixando bem claro que o simples fato de você encontrar um número qualquer que dê certo com o Salmo 73 seria interessante, mas não significativo. Mas o desafio fica ainda mais complexo se você encontrar um número que dê certo e, ao mesmo tempo, que esteja claramente relacionado a algum evento, coisa ou personagem bíblico. Aí acho que já se torna mais parecido com IMPOSSÍVEL do que com DIFÍCIL, né, meu filho?

Ah, e tem muito mais exemplos... na Enciclopédia Arquivo7.

“Verdadeiramente bom é Deus para com Israel, para com os limpos de coração.”
(Salmos 73.1)

Moacir R. S. Junior – morganne777@hotmail.com

quarta-feira, 21 de agosto de 2019

O ENIGMA DA BESTA – QUEM OU O QUE? – Parte 2



 1 – Por que o leão simbolizaria o Império Babilônico?


         Evidência 1 – No capítulo 2 de Daniel, Deus revela o futuro na forma de uma grande estátua, formada por ouro (cabeça), prata (peitos e braços), bronze (ventre e quadris), ferro e barro (pés). Claramente a profecia diz que a cabeça de ouro simboliza a Babilônia (Dn 2.38). O ouro é o mais precioso dos metais, o “rei”.

          Evidência 2 - rei dos animais (esse conceito é não somente popular, mas bíblico). Ex.: leão como símbolo da tribo de Judá, tribo da realeza: “Judá é um leãozinho. (...) O cetro não se arredará de Judá, ...” (Gênesis 49.9,10). Jesus, Rei dos reis, é o Leão da tribo de Judá (Apocalipse 5.5).

         Nabucodonosor é chamado “rei dos reis” em duas passagens bíblicas:

“Porque assim diz o Senhor Deus: Eis que eu trarei contra Tiro a Nabucodonosor, rei de Babilônia, desde o norte, o rei dos reis, com cavalos, e com carros, e com cavaleiros, sim, companhias e muito povo.” (Ezequiel 26.7).

         O profeta diz ao rei: “Tu, ó rei, és rei de reis, a quem o Deus do céu tem dado o reino, o poder, a força e a glória; e em cuja mão ele entregou os filhos dos homens, onde quer que habitem, os animais do campo e as aves do céu, e te fez reinar sobre todos eles; tu és a cabeça de ouro.” (Daniel 2.38,39).

Essas descrições se encaixariam perfeitamente com qual dos 4 animais?

        Evidência 3 - Nas ruínas da antiga Babilônia foram encontradas muitas figuras e esculturas de leões com asas de águia (portanto, era um símbolo familiar da antiga Babilônia).

        Evidência 4 - Jeremias 4.6,7 fala da invasão babilônica a Israel e chama seu rei de “leão”.

        Evidência 5 - Jeremias 50.17: “Cordeiro desgarrado é Israel, os leões o afugentaram; o primeiro a devorá-lo foi o rei da Assíria, e agora por último Nabucodonosor, rei de Babilônia, lhe quebrou os ossos.” Este texto é bem interessante: A área do império Assírio foi quase a mesma do império Babilônico, e aqui os dois são chamados de leões. Adiante voltaremos a nos lembrar desses dois.

        Evidência 6 - De todos os reis citados na Bíblia, a história de Nabucodonosor é a única que lembra perfeitamente a visão de Daniel sobre o leão: “O primeiro era como leão, e tinha asas de águia; enquanto eu olhava, foram-lhe arrancadas as asas, e foi levantado da terra, e posto em dois pés como um homem; e foi-lhe dado um coração de homem.” (Daniel 7.4).

         Nabucodonosor começou como um leão, devorando tudo, com grande velocidade nas conquistas (asas). Mas, de repente, as asas são arrancadas, a fera fica mansa (Babilônia para de conquistar reinos), e recebe um coração de homem (a fera torna-se humana – Daniel 4 mostra um homem tornando-se uma fera e voltando ao normal 7 anos depois, totalmente humilde. O selvagem deu lugar ao humano).

         Como alguém já disse: “São muitas as coincidências para serem apenas coincidências”.

         2 – Por que o urso simbolizaria o Império Medo-Persa?

Evidência 1 - Se o leão é Babilônia, o próximo reino na seqüência foi a Pérsia (aliada aos Medos).

          Evidência 2 - Há uma particularidade ligando esses DOIS reinos ao número 2: DOIS braços na estátua; DOIS chifres do carneiro em Daniel 8 (que é claramente identificado com esses dois reinos). E se em Daniel 7.5, se faz referência a um dos “lados” do urso (mostrando primazia de um em relação ao outro lado), a semelhança com os dois chifres do carneiro em Daniel 8, principalmente quando destaca que um era mais alto do que o outro, é grande demais para ser ignorada.

         3 – Por que o leopardo simbolizaria o Império Grego?

        Evidência 1 - Se os dois primeiros são Babilônia e Medo-Persa, logicamente o próximo é a Grécia, sob Alexandre Magno.

        Evidência 2 - Em Daniel 8, o Império Grego é chamado pelo nome e se divide em 4 (simbolizados por 4 chifres), e o terceiro animal em Daniel 7 tem 4 cabeças, bem como 4 asas.

        Evidência 3 - A relação entre a Grécia e o número 4 não deve ser ignorada. E com isso temos mais um indício: Em Daniel 2, a Grécia é comparada ao “ventre e quadris” da estátua. O interessante é a origem da palavra QUADRIL:

         “O quadril é a articulação que une o membro inferior ao esqueleto axial. Está formado pelos ossos ilíaco e fêmur, sendo o primeiro formado por três outros ossos íleo, ísquio e pube, totalizando quatro ossos, daí a denominação de QUADRIL.”

http://www.ortbarra.com.br/website/index.php?option=com_content&view=article&id=61:cirurgia-do-quadril&catid=37:especialidades&Itemid=67


4 – E o quarto animal? Entra em cena Roma!

         “Depois disto, eu continuava olhando, em visões noturnas, e eis aqui o quarto animal, terrível e espantoso, e muito forte, o qual tinha grandes dentes de ferro; ele devorava e fazia em pedaços, e pisava aos pés o que sobejava; era diferente de todos os animais que apareceram antes dele, e tinha dez chifres.” (Daniel 7.7)

          Evidência 1 - “terrível e espantoso” – As maldades e depravação moral dos césares romanos superaram as de todos os reis anteriores. Não se tem notícia, por exemplo, que Nabucodonosor, ou Alexandre ou alguns dos muitos reis da Média e Pérsia tenham matado a própria mãe, como fez Nero. Babilônia jogou o povo de Deus na fornalha, os persas na cova dos leões, mas os romanos superaram a todos com a crucificação, a arena dos leões, as tochas de fogo humanas e outras atrocidades que a História registrou. Só em falar a palavra “romano” todo o mundo tremia (Atos 16.37-39).

          Evidência 2 - “muito forte” – Roma governou o mundo durante mais de 1000 anos (nenhum dos outros reinos anteriores chegou ao menos próximo disso).

          Evidência 3 - “tinha grandes dentes de ferro.” Será por acaso que o elemento FERRO (relacionado a Roma em Daniel 2) seja citado aqui?

          Evidência 4 - “ele devorava e fazia em pedaços” – A primeira coisa que Roma fazia ao conquistar uma nação era dividir suas terras em regiões, tetrarquias, províncias e distritos.

          Evidência 5 - “pisava aos pés o que sobejava” – Aqui se fala dos seus PÉS (outra ligação com Daniel 2, quando relaciona as PERNAS e OS PÉS com Roma).

          Evidência 6 - “era diferente de todos os animais” – Roma foi diferente dos reinos anteriores em muitos aspectos: não foi conquistada por nenhum reino posterior, acabou se mesclando com o Cristianismo (gerando um império romano religioso), sua forma de administrar, e suas leis continuam influenciando o mundo até hoje, etc. Porém, mais adiante, veremos uma outra razão (talvez a principal) do porque esse animal era diferente de todos os outros.
        
Evidência 7 - Agora vamos comparar duas declarações em dois capítulos diferentes:

         “E haverá um quarto reino, forte como ferro, porquanto o ferro esmiúça e quebra tudo; como o ferro quebra todas as coisas, assim ele quebrantará e esmiuçará.” (Daniel 2.40)

          “Assim me disse ele: O quarto animal será um quarto reino na terra, o qual será diferente de todos os reinos; devorará toda a terra, e a pisará aos pés, e a fará em pedaços.” (Daniel 7.23)

           No primeiro texto quase todo mundo concorda que é Roma. Quanto ao segundo texto, há controvérsias. Mas se os dois textos não estão falando do mesmo reino, por que tantas coincidências? Se fossem em livros diferentes ainda restaria alguma dúvida, mas textos coincidentes escritos num mesmo livro logicamente têm que estar falando do mesmo tema.

          Portanto, para o “quarto reino” em Daniel 7 não ser uma referência ao Império Romano, o “quarto reino” de Daniel 2 também não pode ser. Mas se o profeta chamou Nabucodonosor, rei da Babilônia de “cabeça de ouro”, ou seja, o primeiro império, a lógica (pelos fatos históricos) é clara: Babilônia foi sucedida pela Média-Pérsia, que por sua vez foi conquistada pela Grécia. Após o período do Império Grego, o próximo império a dominar o mundo foi, sem um pingo de dúvidas, Roma.

          Mais uma peça que se encaixa:

        Evidência 8 - Logo após Daniel citar o “quarto reino” no versículo 40 do capítulo 2, suas próximas palavras são para os pés e dedos (10 dedos) da estátua.

         “Quanto ao que viste dos pés e dos dedos, em parte de barro de oleiro, e em parte de ferro, isso será um reino dividido; contudo haverá nele alguma coisa da firmeza do ferro, pois que viste o ferro misturado com barro de lodo.” (Daniel 2.41).

         E logo depois de falar do “quarto reino” no versículo 23 do capítulo 7, suas próximas palavras fazem referência aos 10 chifres.

         “Quanto aos dez chifres, daquele mesmo reino se levantarão dez reis; e depois deles se levantará outro, o qual será diferente dos primeiros, e abaterá a três reis.” (Daniel 7.24)

         Mais uma vez: Se Roma não for o quarto animal (Daniel 7) ela também não pode ser as pernas e pés da estátua (Daniel 2). Mas se a cabeça da estátua é Babilônia, Roma tem que ser o quarto reino.


         Tudo que temos visto até agora evidencia que as profecias finais envolverão não nações das Américas (pelo menos não diretamente), nem nações do extremo oriente (Índia, Japão, China, etc.), nem nações de toda a Europa (a menos que se tornem um só reino), mas sim, as mesmas nações e povos que, durante séculos tiveram como palco de guerra o Mar Grande (Mediterrâneo), e foram diretamente envolvidas com o povo de Deus na Bíblia.

(Trecho retirado do livro “UM DETETIVE INVESTIGA A BESTA”, de Moacir Junior)