Enciclopédia Arquivo7 no MEGA

sexta-feira, 28 de abril de 2017

DECIFRA-ME... OU TE DEVORO!

Desafiando esta geração com a cultura dos enigmas - Um novo capítulo da nossa Enciclopédia virtual

"Qual é o animal que, pela MANHÃ anda com 4 pés, ao MEIO DIA com 2 pés e ao ENTARDECER, com 3 pés?"

De acordo com a Mitologia Grega, era essa a pergunta que a ESFINGE fazia a quem ousava atravessar o seu caminho. Assim, quem não soubesse a resposta do enigma, era devorado.

Porém, um certo dia, um homem chamado Édipo, acabou com a graça da Esfinge ao decifrar o seu mortal enigma.

A resposta é: O HOMEM

O homem anda com 4 pés (engatinhando) ao AMANHECER da vida; anda com 2 pés ao MEIO DIA (vida adulta); e termina, no ENTARDECER da vida, andando com 3 pés (os dois pés e a bengala).

Ainda segundo a mitologia grega, ao ver o seu famoso enigma ser decifrado, a Esfinge ficou furiosa e desolada, e se matou, atirando-se de um precipício.

Desde os tempos antigos, a cultura dos enigmas, charadas e quebra-cabeças sempre foi apreciada por diversos povos. E existe abundante literatura provando que o cultivo desse tipo de cultura mental sempre beneficiou intelectual e socialmente a quem dele fez uso. Crianças acostumadas a brincarem de desafios mentais inevitavelmente possuem um desenvolvimento intelectual e social melhor.  

E O QUE A BÍBLIA TERIA A VER COM A CULTURA DOS ENIGMAS? Aliás:

POR QUE DEUS GOSTA TANTO DE ENIGMAS?

“A palavra ‘ENIGMA’ aparece 18 vezes na Bíblia, numa versão moderna, nos seguintes livros:

* Números – uma vez;
* Juízes – 8 vezes;
* I Reis – uma vez;
* II Crônicas – uma vez;
* Salmos – 2 vezes;
* Provérbios – uma vez;
* Ezequiel – uma vez;
* Daniel – 2 vezes;
* I Coríntios – uma vez).”

“O que chama atenção aí? É que o único livro onde mais aparece a palavra ‘ENIGMA’ é justamente em Juízes, o 7.º livro da Bíblia.”

“A palavra ‘ENIGMA’ aparece pela 7.ª vez justamente no 7.º livro da Bíblia, e ao lado das palavras ‘SETE DIAS’ e ‘SÉTIMO DIA’...

‘ASSIM ELA CHORAVA DIANTE DELE OS SETE DIAS EM QUE CELEBRAVAM AS BODAS. SUCEDEU, POIS, QUE AO SÉTIMO DIA LHO DECLAROU, PORQUANTO O IMPORTUNAVA; ENTÃO ELA DECLAROU O ENIGMA AOS FILHOS DO SEU POVO.’ (Juizes 14.17).”

“Vejam só! Sansão foi um personagem enigmático, e um dos fatos marcantes de sua vida foi quando ele propôs um enigma para os convidados de sua festa de casamento. O enigma era o seguinte:

sexta-feira, 21 de abril de 2017

ARQUIVO 7 – A ORIGEM, parte 7

Quando o Arquivo7 desafia uma cidade... - Um novo capítulo da nossa Enciclopédia virtual

Três fatos sobre o Grupo7

1 – Existiu, de verdade, como um grupo de pesquisas, em Igarapé Grande, entre o final da década de 80 e inicio da de 90;

2 – Atualmente, existe apenas nos romances escritos pelo seu idealizador, Moacir Junior;

3 – O Grupo7 gostava de colecionar enigmas, charadas e quebra-cabeças e toda essa coleção ainda se encontra guardada na Biblioteca Arquivo7.

A marca registrada do antigo Grupo7 era o MISTÉRIO, pois esse grupo gostava de estudar e investigar as coisas misteriosas que pairam sobre o nosso mundo.

O Grupo7 não era público e nem aberto para qualquer um. Apesar disso, não era uma sociedade secreta, tipo Maçonaria, e nem praticava rituais secretos, como uma seita ocultista. Era apenas um grupo de pesquisas sobre coisas estranhas.

E O QUE O NÚMERO 7 TEM A VER COM ENIGMAS?

“Um ‘SETE’ é um caçador de enigmas, especialmente enigmas bíblicos; é um estudioso desse tipo de coisa; é um especialista nisso. Por que esse gosto por enigmas? Na verdade, isto é mais bíblico do que imaginamos. Na verdade, o inventor dos enigmas foi o próprio Deus. Quantos enigmas Ele não usou em Sua Palavra para ensinar verdades eternas aos homens? Por que chamamos de ‘SETE’  aquele que estuda e cultiva a cultura dos enigmas? Porque a maioria dos enigmas bíblicos está relacionada com o número 7 (= por exemplo, o Apocalipse, o livro mais enigmático da Bíblia, está cheio de setes).”

* Trecho do Romance Arquivo7 “SETES – OS JOVENS QUE SABIAM DEMAIS

Uma curiosidade, na língua portuguesa, que pode não ser  SIGNIFICATIVA, mas não deixa de ser SURPREENDENTE.

DEUS
D+E+U+S
4+5+21+19 = 49 (7x7)

SETE
S+E+T+E
19+5+20+5 = 49 (7x7)

ENIGMA
E+N+I+G+M+A

5+14+9+7+13+1 = 49 (7x7)

         Portanto, Deus, enigmas e o número 7 tem tudo a ver.

“... mas há um Deus no céu,  o qual revela os mistérios;... Ele revela o profundo e o escondido; conhece o que está em trevas, e com ele mora a luz.” (Daniel 2.28,22)

Abrirei a minha boca numa parábola; proporei enigmas da antigüidade,...”
(Salmos 78.2)

O Grupo7 deixou de existir, porém, não a sua filosofia e muito menos a sua cultura dos enigmas.

Desde algum tempo, todos os anos em que acontece o aniversário da cidade de Igarapé Grande, em 20 de janeiro, é tradição que, entre as muitas e divertidas baterias da gincana, um dos destaques é para o ENIGMA DO ANO.

Usando as técnicas e estilo dos enigmas do Grupo7, o idealizador e mantenedor do Arquivo7, elabora, anualmente, um quebra-cabeça especial, um jogo intelectual que  provoca um verdadeiro frenesi. A maioria das vezes, o jogo consiste em se descobrir uma palavra-chave. Mas para isso, os jogadores terão que suar um pouco, quebrando a cabeça em jogos numéricos, anagramas de palavras, etc.

Às vezes o objetivo do jogo intelectual é identificar um certo objeto, que é escondido em alguma parte da cidade. Aí os jogadores terão que decifrar uma espécie de mapa do tesouro, um quebra-cabeças recheado de curiosidades matemáticas, quase 100% inspirado nas pesquisas misteriosas do Arquivo7.

         Neste novo estudo apresentamos alguns desses enigmas

Para saber mais detalhes sobre nosso novo estudo, acesse este link (ENCICLOPÉDIA ARQUIVO 7) e você será direcionado a uma página contendo todos os estudos em slides já publicados (cerca de 33.000 páginas). Daí é só escolher o estudo e fazer o download para o seu computador.

Também disponível no formato PDF: 
http://sdrv.ms/1a28Cw8

O número (e o título) deste novo estudo é: “259 – ARQUIVO 7 – A ORIGEM, parte 7”

Qualquer sugestão, crítica ou questionamento, escreva-me.

Moacir R. S. Junior – morganne777@hotmail.com

sexta-feira, 14 de abril de 2017

ARQUIVO 7 – A ORIGEM, parte 6

A Bíblia no Jogo da Espionagem - Um novo capítulo da nossa Enciclopédia virtual

Jy Anderson estava bastante preocupado naquela manhã. Tinha recebido uma ligação de Stanville, que disse somente o seguinte:

 - Há um traidor no Grupo 7. Ele quer aprender todos os códigos para divulgar e ridicularizar o grupo.

E desligou.

Um traidor no grupo? Era só o que faltava. Se Stanville sabia que havia um Judas na área por que não disse logo quem era? Mas fazia parte do caráter de Stanville: complicar as coisas.

Na tarde do mesmo dia, Paulo Sérgio, um dos “SETE”, da nova geração trouxe uma caneta vermelha para Anderson. Uma caneta simples, marca BIC.

 Um garoto me pediu para devolvê-la. Deve ser um aluno seu.

“Caneta vermelha – mensagem mais do que urgente e sigilosa” pensou Anderson.

Ele pediu que Paulo Sérgio aguardasse um pouco, enquanto ia apanhar umas apostilas do Arquivo 7.

Uns 4 minutos depois, Jy retornou, entregou as apostilas para Paulo Sérgio e perguntou:

- Como era esse garoto?

- Um meninote de uns 10 ou 12 anos, acho. Por que?

- Ah, deve ser o Mauro. Obrigado, Paulo.

O jovem saiu e Anderson ficou sorrindo. “Stanville é muito esperto e muito discreto” pensou “mas o caso está resolvido”.

Quando Jy recebeu a caneta foi rapidamente ao quarto – era um código que somente quatro pessoas do Grupo 7 conheciam. Na caneta haviam vários riscos feitos de propósito, divididos em três partes. Na 1.ª havia 4 riscos de um lado e 4 do outro (representava o número 44); na 2.ª havia 1 risco e do outro lado, 3 riscos (representando o número 13); por fim, haviam 7 riscos e só (representando o número 7).

Portanto, havia na caneta, de maneira bem camuflada, os números 44, 13 e 7. O que queria dizer?

Jy apanhou uma Bíblia e procurou o 44.º livro, que é Atos dos Apóstolos. No capítulo 13 e versículo 7 estava escrito:

“... que estava com o procônsul Sérgio Paulo, homem sensato. Este chamou a Barnabé e Saulo e mostrou desejo de ouvir a palavra de Deus.”

Sim, Paulo Sérgio era o traidor, e recebeu umas apostilas com códigos falsos a fim de ser confundido, enquanto os “SETES” preparavam uma armadilha especial para ele.

(*Trecho transcrito de uma das inúmeras histórias do ROMANCE ARQUIVO 7 – e inspirada em casos reais)

Apesar da Bíblia ter sido escrita para outros fins, já foi (e, muito provavelmente, continua sendo) muito usada nos jogos de espionagem mais do que qualquer outro livro na História. Existem incontáveis romances, filmes, e contos, envolvendo mistérios, espionagem e a Bíblia. E por que essa conexão?

Uma das explicações é que a Bíblia é um livro universal e que pode se encontrado em quase todos os lugares do mundo. Então, se alguém deseja transmitir uma mensagem secreta de um país para outro, só precisa selecionar certas passagens bíblicas que tenham relação com o que se deseja transmitir.

Neste novo estudo, apresentamos vários exemplos de mensagens codificadas inspiradas na Bíblia. O lendário Grupo 7 sempre gostou de enigmas e como a Bíblia é um livro de enigmas, a conexão é perfeita.

Abrirei a minha boca numa parábola; proporei enigmas da antigüidade,...”
(Salmos 78.2)

Para saber mais detalhes sobre nosso novo estudo, acesse este link (ENCICLOPÉDIA ARQUIVO 7) e você será direcionado a uma página contendo todos os estudos em slides já publicados (cerca de 33.000 páginas). Daí é só escolher o estudo e fazer o download para o seu computador.

Também disponível no formato PDF: 
http://sdrv.ms/1a28Cw8

O número (e o título) deste novo estudo é: “258 – ARQUIVO 7 – A ORIGEM, parte 6”

Qualquer sugestão, crítica ou questionamento, escreva-me.

Moacir R. S. Junior – morganne777@hotmail.com

sexta-feira, 7 de abril de 2017

ATÉ QUANDO, SENHOR?

A Segunda Vinda de Cristo e o fator TEMPO - Um novo capítulo da nossa Enciclopédia virtual

O ano 2016 não deixou saudades. Ele foi tão repleto de tragédias, guerras, violências extremas, sofrimentos, desumanidade, e tudo de ruim ou negativo que a gente possa imaginar. Mas o ano 2017 começou parecendo seguir na mesma trilha (basta pensarmos nos shows de horrores nas penitenciárias brasileiras).

O caso específico da Guerra Civil na Síria é chocante. Mais de quatro anos de conflitos, mais de 200 mil mortos, e o mundo paralisado sem poder (ou sem querer) fazer nada.

Em tempos assim, é comum muita gente se perguntar: ONDE ESTÁ DEUS?

Mas os cristãos fazem a pergunta um pouco diferente: ATÉ QUANDO, SENHOR?

Até quando, ó Senhor, te esquecerás de mim? para sempre? Até quando esconderás de mim o teu rosto? Até quando encherei de cuidados a minha alma, tendo tristeza no meu coração cada dia? Até quando o meu inimigo se exaltará sobre mim?” (Salmos 13.1,2)

Ó Senhor, até quando contemplarás isto? Livra-me das suas violências; salva a minha vida dos leões!” (Salmos 35.17)

“Até quando, ó Deus, o adversário afrontará? O inimigo ultrajará o teu nome para sempre?” (Salmos 74.10)

Até quando os ímpios, Senhor, até quando os ímpios exultarão?” (Salmos 94.3)

Até quando Senhor, clamarei eu, e tu não escutarás? ou gritarei a ti: Violência! e não salvarás?” (Habacuque 1.2)

“Ai daquele que acumula o que não é seu! (até quando?)” (Habacuque 2.6)

“Quando abriu o quinto selo, vi debaixo do altar as almas dos que tinham sido mortos por causa da palavra de Deus e por causa do testemunho que deram. E clamaram com grande voz, dizendo: Até quando, ó Soberano, santo e verdadeiro, não julgas e vingas o nosso sangue dos que habitam sobre a terra? E foram dadas a cada um deles compridas vestes brancas e foi-lhes dito que repousassem ainda por um pouco de tempo, até que se completasse o número de seus conservos, que haviam de ser mortos, como também eles o foram.” (Apocalipse 6.9-11)

O fato, claramente revelado na Bíblia, é que Deus não tarda e nem falha, e que sempre age em tempos ou épocas propícias aos Seus Olhos, determinadas por Ele, segundo padrões e princípios que nós, humanos falíveis, não conseguimos entender ou aceitar.
Em muitos estudos anteriores, temos visto, exaustivamente, dezenas ou centenas de exemplos, de que Deus sempre age em tempos matematicamente determinados, simetricamente alinhados e perfeitos. E certos eventos históricos relacionados às profecias parecem seguir uma misteriosa simetria matemática.

Exemplo:

14 de maio de 1948 – Independência de Israel

14 + 05 + 1948 = 1967

07 de junho de 1967 – Reconquista de Jerusalém por Israel

07 + 06 + 1967 = 1980

30 de julho de 1980 – Assinada a Lei de Jerusalém, decretando-a como capital eterna e indivisível de Israel.

30 + 07 + 1980 = 2017

Em 2017, o novo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, promete reconhecer Jerusalém como capital de Israel.

São coincidências demais para serem apenas coincidências, você não acha?

No estudo de hoje, veremos 7 exemplos de ciclos proféticos, envolvendo o número 7, e que provam, pelo menos, duas coisas:

1 – Deus age segundo padrões misteriosos e muitos destes envolvem o número 7;

2 – Em todos os ciclos proféticos apresentados na Bíblia, nossa geração é apontada como sendo a última.

Deu para sentir que o negócio é forte? Bem, mais detalhes sobre nosso novo estudo, acesse este link (ENCICLOPÉDIA ARQUIVO 7) e você será direcionado a uma página contendo todos os estudos em slides já publicados (cerca de 33.000 páginas). Daí é só escolher o estudo e fazer o download para o seu computador.

Também disponível no formato PDF: 
http://sdrv.ms/1a28Cw8

O número (e o título) deste novo estudo é: “257 – ATÉ QUANDO, SENHOR?”

Qualquer sugestão, crítica ou questionamento, escreva-me.

Moacir R. S. Junior – morganne777@hotmail.com

terça-feira, 28 de março de 2017

A AGENDA DO SENHOR NAS 7 PARÁBOLAS PROFÉTICAS

O Tempo da Colheita Final está próximo - Um novo capítulo da nossa Enciclopédia virtual

Em Mateus 13, Jesus revela 7 parábolas especiais sobre o Reino dos Céus. Durante Seu Ministério na terra, o Senhor usou muitas parábolas em Seus ensinos maravilhosos. Podemos classificá-las em dois tipos: ilustrativas e proféticas. Antes do capítulo 13 de Mateus, Jesus usou poucas parábolas (pelo menos uma está revelada no Sermão do Monte – a parábola dos dois fundamentos). Mas é somente aqui (Mateus 13) que Ele usa as parábolas no seu sentido profético pela primeira vez. Para entender a razão disso, devemos perguntar inicialmente:

Por que o Senhor passou a ensinar por parábolas enigmáticas?

Como afirmamos anteriormente, até Mateus 12 Jesus sempre ensinara claramente – a linguagem do Sermão do Monte não deixa dúvidas. Então, de repente, o Mestre passa a ensinar através de figuras misteriosas, incompreensíveis para muitos. Essa mudança no estilo de ensino tem relação direta com o desenvolvimento do Plano de Salvação, envolvendo Israel e os Gentios (= nações não israelitas).

Embora uma das regras para a interpretação de parábolas e alegorias seja a de que não devemos supervalorizar os detalhes, isso não significa que devemos desprezar TODOS os detalhes. E nesse capítulo 13 de Mateus, existem muitos detalhes significativos.

1 - A REJEIÇÃO DE JESUS POR PARTE DO POVO DE ISRAEL – Mateus 12 é muito claro. A tensão entre o Mestre e os fariseus chegou ao clímax. Os fariseus acusavam Jesus de realizar milagres pelo poder de Satanás. Jesus se defende dizendo que Satanás não pode expulsar a si mesmo, e aponta o dedo para os fariseus, afirmando categoricamente que toda blasfêmia contra Deus seria perdoada, mas não a blasfêmia contra o Espírito Santo. Sentindo que estava sendo rejeitado, Jesus chamou os líderes judaicos de “GERAÇÃO MÁ E ADÚLTERA”.

a) A lição do espírito imundo – “Ora, havendo o espírito imundo saído do homem, anda por lugares áridos, buscando repouso, e não o encontra. Então diz: Voltarei para minha casa, donde saí. E, chegando, acha-a desocupada, varrida e adornada. Então vai e leva consigo outros sete espíritos piores do que ele e, entretanto, habitam ali; e o último estado desse homem vem a ser pior do que o primeiro. Assim há de acontecer também a esta geração perversa.” (Mateus 12.43-45). Jesus declara aqui que a “CASA” (= isto é, o povo de Israel), seria esvaziada (da presença de Deus), e ficaria vazia. A conseqüência de alguém vazio de Deus é ficar à mercê de todo espírito imundo. Ezequiel já havia profetizado que um dia a Glória do Senhor iria abandonar o Templo (caps. 10 e 11). Jesus disse que o espírito imundo traz outros 7 espíritos (lembra-nos o capítulo 26 de Levítico, quando Deus disse que iria castigar Israel 7 vezes mais).

b) Uma nova família – É também significativo que no final de Mateus 12, Jesus, sendo informado que Sua mãe e seus irmãos queriam falar-lhe, disse aos seus ouvintes: “Quem é minha mãe? e quem são meus irmãos? E, estendendo a mão para os seus discípulos disse: Eis aqui minha mãe e meus irmãos. Pois qualquer que fizer a vontade de meu Pai que está nos céus, esse é meu irmão, irmã e mãe.” (Mateus 12.48-50). A mensagem é clara: Israel não era mais o povo privilegiado. A partir de agora, qualquer pessoa entre as nações (qualquer pagão) poderia fazer parte da família do Senhor, se abandonasse os caminhos do pecado.

02 – JESUS SAI DE CASA – Mateus 13.1, diz: “No mesmo dia, tendo Jesus saído de casa, sentou-se à beira do mar;” Parece uma frase sem importância, mas possui um forte conteúdo profético.

a) A CASA É ISRAEL - Em Mateus 23.37-39, Jesus lamenta: “Jerusalém, Jerusalém, que matas os profetas, apedrejas os que a ti são enviados! Quantas vezes quis eu ajuntar os teus filhos, como a galinha ajunta os seus pintos debaixo das asas, e não o quiseste! Eis aí abandonada vos é a vossa casa. Pois eu vos declaro que desde agora de modo nenhum me vereis, até que digais: Bendito aquele que vem em nome do Senhor.”

b) O MAR REPRESENTA AS NAÇÕES – “Disse-me ainda: As águas que viste, onde se assenta a prostituta, são povos, multidões, nações e línguas.” (Apocalipse 17.15).

c) ISRAEL ABANDONADO TEMPORARIAMENTE – As profecias ensinam claramente que, por terem rejeitado Jesus, os judeus seriam colocados temporariamente de lado, enquanto que os Gentios (= Nações) seriam privilegiados com a mensagem do Evangelho (Veja, por exemplo, Romanos 11).

O fato é que nas 7 parábolas apresentadas no capítulo 13 de Mateus, Jesus traça um panorama profético da história do Cristianismo nesses 2000 anos, e, observando os sinais dos tempos, é fácil constatarmos que chegamos aos Tempos Finais.

Bem, mais detalhes sobre as parábolas proféticas de Mateus 13, acesse este link (ENCICLOPÉDIA ARQUIVO 7) e você será direcionado a uma página contendo todos os estudos em slides já publicados (cerca de 33.000 páginas). Daí é só escolher o estudo e fazer o download para o seu computador.

Também disponível no formato PDF: 
http://sdrv.ms/1a28Cw8

O número (e o título) deste novo estudo é: “256 – A AGENDA DO SENHOR NAS 7 PARÁBOLAS PROFÉTICAS”

Qualquer sugestão, crítica ou questionamento, escreva-me.

Moacir R. S. Junior – morganne777@hotmail.com

terça-feira, 21 de março de 2017

PROJETO MATEMÁGICA BÍBLICA – O 4º Show

Os números governam o mundo; e Deus governa os números - Um novo capítulo da nossa Enciclopédia virtual

Se você se deparasse, de repente, com as duplas numéricas abaixo, seria capaz de explicar a conexão entre elas?

Qual a conexão entre:

·        7 e 13?
·        19 e 37?
·        37 e 73?
·        61 e 121?

Para aqueles acostumados com os estudos do Arquivo7, está bem claro que as duplas numéricas acima representam números hexagonais e estrelares hexagonais, respectivamente.  E cada um com o seu par matemático.

Isto é, o número estrelar hexagonal 13 tem como centro o hexagonal 7; o 37 tem o 19, o 73 possui como centro o 37; o 121 tem o 61, etc.

O fascinante da Matemática é que essas verdades são universais e eternas. Ou seja: 37 SEMPRE será o “coração”, isto é, o hexágono central do número estrelar hexagonal 73.

Agora, procure a ESPIRAL DOS NÚMEROS e faça a seguinte experiência: procure pelo quadrado do estrelar hexagonal 13. Você vai descobrir que ele (169) está localizado exatamente no 7º
 quarteirão da ESPIRAL DOS NÚMEROS. E daí? Ora, o quadrado do estrelar hexagonal 13 fica no quarteirão 7, que é o hexágono central de 13. Coincidência?

Não. É uma verdade matemática, pois:

·        O quadrado do estrelar hexagonal 37 (isto é, 1369) está justamente no 19º quarteirão (lembre-se: 19 é o centro hexagonal de 37);
·        O quadrado do estrelar hexagonal 73 (isto é, 5329) está no quarteirão 37, e este é o hexágono central de 73;
·        O quadrado do estrelar hexagonal 121 (isto é, 14.641), está no quarteirão 61, e este é o hexágono central de 121;
·        Etc.

Existe uma lógica matemática por trás disso e essa lógica gera uma simetria fascinante.

A simetria da Matemática deveria ser mais valorizada e estudada pela Humanidade. E essa simetria conectada com a Bíblia deveria causar um impacto positivo entre os estudiosos.

Nesta 4ª parte do Projeto Matemágica Bíblica, selecionamos outros 28 fatos bíblico-numéricos surpreendentes, provando que existe algo mais neste Universo, além do que possa imaginar os nossos mais profundos pensamentos.

Mais detalhes sobre o Projeto Matemágica Bíblica – o 4º show, acesse este link (ENCICLOPÉDIA ARQUIVO 7) e você será direcionado a uma página contendo todos os estudos em slides já publicados (cerca de 33.000 páginas). Daí é só escolher o estudo e fazer o download para o seu computador.

Também disponível no formato PDF: 
http://sdrv.ms/1a28Cw8

O número (e o título) deste novo estudo é: “255 – PROJETO MATEMÁGICA BÍBLICA - O 4º Show”

Qualquer sugestão, crítica ou questionamento, escreva-me.
Moacir R. S. Junior – morganne777@hotmail.com


terça-feira, 14 de março de 2017

PROJETO MATEMÁGICA BÍBLICA – O 3º Show

Deus, os Números e o Universo - Um novo capítulo da nossa Enciclopédia virtual

Mais 28 fatos bíblico-numéricos extraordinários, provando que as histórias bíblicas não podem ser meramente invenções humanas. O jeito como os números formam padrões e simetrias, harmonizando fatos bíblicos e doutrinas, merece uma investigação séria e profunda.

Alegar que tudo são meras coincidências é uma desculpa intelectual simplista, fraca, preguiçosa e desonesta. Avalie, por exemplo, os fatos numéricos abaixo (que não estão incluídos no presente estudo em slides):

Se você escolhe, ao acaso, cinco números grandes (formados por 3 ou 4 algarismos), quais as chances da média deles ser exatamente igual a um dos números?

Exemplo 1 – Imaginemos os números 560, 781, 1001, 1056 e 2045.

Agora, vamos somar: 560 + 781 + 1001 + 1056 + 2045 = 5443

Agora, vamos calcular a média, ou seja, 5443 dividido por 5: 1.088,60 (não é nenhum dos cinco números).

Exemplo 2 – Agora imaginemos os números 490, 1260, 1290, 1335 e 2300.

Somando tudo: 490 + 1260 + 1290 + 1335 + 2300 = 6675

A média deles é: 6675 / 5 = 1335 (exatamente um dos números da soma).

O primeiro exemplo, escolhido aleatoriamente por mim, não gerou um resultado significativo. Mas o segundo exemplo é impressionante. E os tais números não foram tirados de um lugar qualquer, mas da Bíblia. E aqui alguém poderia objetar:

“É claro! Você tirou esses números da Bíblia, mas isso não prova simetria nenhuma, pois a Bíblia cita muitos números e você pode muito bem ter escolhido os números certos, entre centenas de exemplos”.

Porém, essa objeção cai por terra quando consideramos que:

1 – Os cinco números foram tirados de apenas um e mesmo contexto, um cenário profético, citado em dois livros, Daniel e Apocalipse;
2 – Ou seja, os cinco números aparecem em dois livros tematicamente conectados e relacionados aos mesmos eventos.

O que eles significam? Bem, aí você precisa conhecer os outros capítulos da nossa Enciclopédia, para mais detalhes.

Mais detalhes sobre o Projeto Matemágica Bíblia – o 3º show, acesse este link (ENCICLOPÉDIA ARQUIVO 7) e você será direcionado a uma página contendo todos os estudos em slides já publicados (cerca de 33.000 páginas). Daí é só escolher o estudo e fazer o download para o seu computador.

Também disponível no formato PDF: 
http://sdrv.ms/1a28Cw8

O número (e o título) deste novo estudo é: “254 – PROJETO MATEMÁGICA BÍBLICA - O 3º Show”

Qualquer sugestão, crítica ou questionamento, escreva-me.
Moacir R. S. Junior – morganne777@hotmail.com