Enciclopédia Arquivo7 no MEGA

domingo, 7 de fevereiro de 2016

UMA MÚSICA PARA A MORTE DANÇAR – Parte 2

Pior que “24 horas” - Um novo capítulo do nosso “livrão” virtual

Não sei se alguma pessoa (com o juízo normal) adora problemas. Não falo aqui daqueles problemas (quebra-cabeças) para treinarem o raciocínio, usando a lógica ou a matemática, e sim, dos problemas da vida, do dia-a-dia, envolvendo sentimentos, pessoas, dívidas, etc.

Esse tipo de problema traz estresse, depressão, infarto, e coisas do gênero. Podemos resumi-lo numa frase bíblica: “Pela manhã dirás: Ah! quem me dera ver a tarde; E à tarde dirás: Ah! quem me dera ver a manhã!”

Essa frase aparece no contexto das tribulações do povo de Israel, entre as nações:

E nem ainda entre estas nações descansarás, nem a planta de teu pé terá repouso; mas o Senhor ali te dará coração tremente, e desfalecimento de olhos, e desmaio de alma. E a tua vida estará como em suspenso diante de ti; e estremecerás de noite e de dia, e não terás segurança da tua própria vida. Pela manhã dirás: Ah! quem me dera ver a tarde; E à tarde dirás: Ah! quem me dera ver a manhã! pelo pasmo que terás em teu coração, e pelo que verás com os teus olhos.” (Deuteronômio 28.65-67)

Os piores problemas que alguém pode enfrentar envolvem dilemas ou trilemas, ou seja: aquelas situações desesperadoras onde as únicas soluções apresentadas são as piores possíveis. Popularmente: Se correr o bicho pega, se ficar o bicho come; sair da panela para cair no fogo, etc.

A gente gosta de se divertir vendo outros enfrentando dilemas. Nos romances, nos filmes, nos seriados de TV, é comum os heróis enfrentarem todo tipo de dilema e saírem ilesos (ou feridos) no final. É fácil sorrir dos dilemas dos outros. Mas quando chega a nossa vez...


Bem, o estudo da vez envolve alguns dos piores dilemas que a Humanidade está enfrentando atualmente. E, como comparação, usamos o exemplo de uma popular série americana (de TV), conhecida no Brasil como “24 HORAS”. Conta a história de Jack Bauer, um agente na luta contra o terrorismo, que, em cada episódio, vive cercado de dilemas. Num só dia tem que salvar um candidato a presidente, tem que salvar a esposa e a filha nas mãos de terroristas, tem que descobrir um traidor entre os próprios companheiros, tem que evitar uma destruição nuclear, etc.

Enquanto as cenas se desenrolam, o nosso coração vai pulsando aceleradamente, por causa da alta carga de tensão e suspense.

Mas a Humanidade atual está vivendo num cenário pior do que “24 Horas”, tendo como palco central, o Oriente Médio. Só como um pequeno exemplo, temos a guerra na Síria, onde não sabemos para quem torcer. Qualquer que seja o vencedor, não será bom para Israel.

Neste exato momento (segunda semana de outubro de 2015), a situação está cada vez pior, pois a Rússia entrou no jogo (há duas semanas), para ajudar o governo da Síria contra os rebeldes (apoiados pela oposição).

O pretexto dos russos é que estão combatendo o terrível grupo terrorista Estado Islâmico – porém, muitas informações dão conta de que a Rússia está disparando também contra os opositores do governo sírio. Mas do lado dos opositores estão os Estados Unidos.

E, ao enviarem armas para os opositores sírios (para que estes consigam derrubar o governo de Bashar Al-Assad), os americanos correm o risco de estarem armando também os terroristas do EI e da Al-Qaeda.

E, no meio de tudo isso, está Israel. Ameaçado pelo Norte (o caos na Síria vai acabar sobrando para Israel); ameaçado pelo Sul (o Estado Islâmico está provocando o inferno no Egito e na Líbia); ameaçado pelo Oriente (o caos no Iraque e sua luta desesperada contra o avanço do Estado Islâmico), e ainda contando com ameaças dentro de casa (os crescentes ataques do Hamas).

É ou não é um cenário pior do que os apresentados em “24 horas”?

Mais detalhes, acesse este link (http://sdrv.ms/ZHobAh) e você será direcionado a uma página contendo todos os estudos em slides já publicados (25.000 páginas). Daí é só escolher o estudo e fazer o download para o seu computador.

Também disponível no formato PDF: 
http://sdrv.ms/1a28Cw8

O número (e o título) deste novo estudo é 201 – UMA MÚSICA PARA A MORTE DANÇAR – Parte 2.

*Observação: O estudo em slides foi elaborado ainda em outubro (de 2015), mas a propaganda está sendo publicada neste blog somente agora, porque (desde 2014) fazemos isso a cada 7 dias. Ou seja, elaboramos os estudos, publicamos imediatamente na internet, mas a propaganda dele no blog é programada para ser publicada somente numa data determinada.

Hoje, por exemplo (14 de outubro de 2015) o blog está publicando a propaganda do estudo 186 – ARQUIVO 7 – A ORIGEM – PARTE 3, restando ainda 14 estudos (ou 14 semanas) até chegar a vez do atual (201). Por isso, quando este texto for publicado, talvez a situação da Síria seja outra (torcemos para que o conflito tenha terminado e que o povo sírio tenha um pouco de paz). Mas pode estar pior. Particularmente, não posso saber com certeza, apenas conjecturar, com base das profecias bíblicas.

Mas espero que se cumpra logo o que está escrito no Salmo 46:

“Bramam nações, reinos se abalam; ele levanta a sua voz, e a terra se derrete. O Senhor dos exércitos está conosco; o Deus de Jacó é o nosso refúgio. Vinde contemplai as obras do Senhor, as desolações que tem feito na terra. Ele faz cessar as guerras até os confins da terra; quebra o arco e corta a lança; queima os carros no fogo. Aquietai-vos, e sabei que eu sou Deus; sou exaltado entre as nações, sou exaltado na terra. O Senhor dos exércitos está conosco; o Deus de Jacó é o nosso refúgio.”


Qualquer sugestão, crítica ou questionamento, escreva-me.


Moacir R. S. Junior – morganne777@hotmail.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário