sábado, 21 de setembro de 2019

PARA QUE SERVE A MATEMÁTICA BÍBLICA, AFINAL?



Primeiramente, alguns fatos:

1 – É cada vez maior a tentação de acrescentarem livros à Bíblia;

2 – Nunca se viu tanta ênfase nos livros extra-bíblicos, supostamente escritos nos tempos bíblicos;

3 – Cresce cada vez mais o número de estudiosos ensinando que a Bíblia está incompleta;

4 – Ao mesmo tempo, crescem os ataques contra a inspiração sobrenatural da Bíblia;

5 – Muitos cristãos, inclusive, veem a Bíblia apenas como um manual de auto ajuda, não como A Palavra de Deus;

6 – Para muitos as doutrinas da Inerrância, Inspiração e Imutabilidade Bíblica não fazem sentido;

7 – Bem, senhoras e senhores, a Matemática Bíblica destrói perfeitamente todas as falsas alegações das alternativas anteriores.

É disso que trata o Arquivo7.

Os primeiros estudos sobre Matemática Bíblica (especialmente as investigações na guematria* de Gênesis 1.1) apresentavam evidências de que, pelo menos algumas passagens da Bíblia não poderiam ser obra humana. Entretanto, ficava difícil aplicar essa tese na Bíblia como um todo.

Ou seja, com a Guematria e a Lei das Probabilidades, poderíamos provar que a Bíblia não teria como ser uma obra meramente humana. Mas, com o mesmo método, não era possível provar que a Bíblia está completa. Isto é, que não podemos acrescentar mais nenhum livro ou nenhum capítulo. E nem retirar.

Existem muitos argumentos bons e excelentes provando que a Bíblia está completa, com seus 66 livros e 1.189 capítulos. Entretanto, tais argumentos podem ser rejeitados, descartados e discutidos em debates intermináveis, envolvendo documentos antigos, tradição cristã e coisas do tipo.

Por outro lado, argumentos que usam a Matemática Bíblica não podem ser rejeitados ou descartados tão facilmente.

Primeiro, os críticos têm que provar que os fatos não são fatos;

Segundo, precisam provar que as simetrias matemáticas apresentadas são somente meros acasos estatísticos;

E terceiro, precisam explicar como a estrutura da Bíblia envolve cálculos complexos e números absurdamente grandes, levando em consideração a época em que tal estrutura foi organizada.

Bem, ao nos aprofundarmos no estudo da Matemática na Bíblia, acabamos por nos deparar com um novo tipo de simetria cujas implicações são colossais. Não sei quanto tempo haverá (e nem se estarei vivo na época para testemunhar), mas tenho esperança de que um dia os teólogos despertarão para investigar essa Matemática Bíblia divulgada no Arquivo7 (mui provavelmente muitos me chamarão de herege). E espero também que uma parte desses estudiosos (tomara que a maioria) reconheça a veracidade dessas pesquisas.

Mas, aconteça o que acontecer, tenho fatos demais à minha disposição para apresentar para quem quiser. Sim, uma quantidade de evidências mais do que suficiente para discutir com qualquer tipo de estudioso, sem temer a quantidade de diplomas deles.

Aproveitando o espaço, apresentarei a seguir, mais uma dessas evidências:

Como explicado em uma postagem recente, existe uma categoria de números, chamada, pelos matemáticos, de números irracionais. Como são eles?

Não admitem serem escritos na forma de fração, pois em suas formas decimais, consistem em números infinitos não periódicos, como, por exemplo, o número Pi (3,1415926535897932384626433832795...), ou o número PHI (que começa com 1,6180339887498948482045868343656... e nunca se acaba (uma afirmação estarrecedora, mas verdadeira), um dos números mais venerados pelos matemáticos, místicos, filósofos, etc. Existem inúmeras conexões bíblicas com esse número (na Enciclopédia Arquivo7 temos uma série com 21 capítulos e centenas de páginas dedicadas a demonstrar essas conexões);

O comportamento dos números é tão impressionante que parece mágica. E a coisa fica mais chocante quando conectamos com a Matemática Bíblica. Leia com cuidado o exemplo a seguir.

Fato 1 - Os números 3, 7, 37 e 73 são os mais significativos da Matemática Bíblica (essa é, inclusive, a essência das pesquisas do Arquivo7);

Fato 2 - A raiz quadrada de 3 é também muito venerada pelos estudiosos. Ela começa com 1,7320508075688772935274463415059... outro número que nunca se acaba;

Fato 3 - A raiz de 7 é 2,6457513110645905905016157536393... também infinita;

Tendo em mente estes fatos, faremos a seguinte experiência:

1 – Vamos elaborar uma tabela com 1.189 linhas (equivalentes aos 1.189 capítulos bíblicos) e 4 colunas;

2 – Na 1ª coluna, a numeração de ordem, de 1 a 1.189;

3 – Em seguida, vamos colocar, na 2ª coluna, todos os capítulos bíblicos (Gênesis 1, Gênesis 2, Gênesis 3, etc.) até preenchermos toda a tabela;

4 – Na 3ª coluna, todos os primeiros 1.189 dígitos da raiz de 3;

5 – Na 4ª coluna, todos os primeiros 1.189 dígitos da raiz de 7;

6 – Agora destaquemos todos os dígitos da raiz de 3 que se encontram na mesma linha dos 3 capítulos de Naum (um dos dois livros CENTRAIS da Bíblia);

7 – Por último, destaquemos todos os dígitos da raiz de 7 que se encontram na mesma linha dos 7 capítulos de Miquéias (o outro livro CENTRAL da Bíblia).

Observem que estamos seguindo uma simetria clara: 3 dígitos da raiz de 3 equivalentes aos 3 capítulos de Naum e os 7 dígitos da raiz de 7 equivalentes aos 7 capítulos de Miquéias (em postagens anteriores também já explicamos, em detalhes, a importância desses dois livros na Matemática Bíblica – portanto, os tais não foram citados aqui por acaso).

Qual a bela, intrigante e surpreendente simetria matemática revelada nessa experiência?

Fato 1 – Os primeiros 1.189 dígitos da raiz de 3:

1,732050807568877293527446341505872366942805253810380628055806979451933016908800037081146186757248575675626141415406703029969945094998952478811655512094373648528093231902305582067974820101084674923265015312343266903322886650672254668921837971227047131660367861588019049986537379859389467650347506576050756618348129606100947602187190325083145829523959832997789824508288714463832917347224163984587855397667958063818353666110843173780894378316102088305524901670023520711144288695990956365797087168498072899493296484283020786408603988738697537582317317831395992983007838702877053913369563312103707264019249106768231199288375641141422016742752102372994270831059898459475987664288897796147837958390228854852903576033852808064381972344661059689722872865264153822664698420021195484155278441181286534507035191650016689294415480846071277143999762926834629577438361895110127148638746976545982451788550975379013880664961911962222957110555242923723192197738262561631468842032853716682938649611917049738836395495938145757671853373633125910899655424624834787197605235997769192323570220305302840385915414971072429559206706202509520175963185872766359975283663431080150665853710647328538625922260582220510403...

* Em destaque, os dígitos equivalentes aos 3 capítulos de Naum.

Fato 2 – Os primeiros 1.189 dígitos da raiz de 7:

2,645751311064590590501615753639260425710259183082450180368334459201068823230283627760392886474543610615064578338497463095743529888627214784427390555880107722717150729728323892299689594865087260700978054203723828023715941100341939116001578525596305945741035152396802716407373799074041581519904403474319453671399730597005051399692237545616097119027378154991633288287704000657570674651963497752083793818114613090876473786595624330579947981281632307054836501077156179463611915534545364774948205930904948498340339890021047861667332795036939246225717053716492578754832290732492671346980298949908037748251109227895568897919808814834090831685251335358295391722117707144149745769070819894444414589722847414003035023532037194870738262931851936409083228059646278376102195979419708909635469586134118179306781621360849101677835321255633463490021898146042255929503669562418692737327715022087523099664698132032128189454785680209506359624466285500761905041393504474371234885223327736251004505962108067233469812000430051449025120625731175911542319445967260497833404344683725636178255048160879406205511486397833055016369470076387773745195116580952204742020649821024440560019965909041002855340691101022611668...

* Em destaque, os 7 dígitos equivalentes aos 7 capítulos de Miquéias.

Fato 3 – A soma dos 3 dígitos equivalentes a Naum (0+6+6) é igual a 12;

Fato 4 – A soma dos 7 dígitos equivalentes a Miquéias (3+2+1+2+8+1+8) é igual a 25;
Fato 5 – Portanto, a soma final (12+25) é, incontestavelmente, o mágico 37!!!

Aí perguntamos aos céticos: Não é muita coincidência pra ser somente coincidência?

Observando aqui um detalhe: Os dígitos equivalentes a Naum reduzem-se, no final, ao número 3 e os dígitos equivalentes a Miquéias, ao número 7. Outra coincidência intrigante... para ser somente coincidência.

* Guematria (ou gematria), embora seja uma palavra bem conhecida pelos estudiosos da Matemática Bíblica de longa data, certamente é novidade para muitos dos novos leitores do Arquivo7. Por isso, uma definição básica se faz necessária: Guematria é simplesmente o método de se calcular palavras, usando os valores das letras atribuídas ao alfabeto hebraico ou grego dos tempos antigos (os gregos gostavam de usar também a palavra Isopsefia, para se referir a essa prática).

          No final, o fato é que só temos duas opções (Lei do 3º Excluído): Ou a Matemática Bíblica é verdadeira ou não é. E sendo verdadeira, creio cabalmente na afirmação do apóstolo Paulo em 2 Coríntios 13.8:

"Porque nada podemos contra a verdade, senão pela verdade.”

Moacir R. S. Junior – morganne777@hotmail.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário