O BÁSICO PARA VOCÊ ENTENDER O ARQUIVO 7

O BÁSICO PARA VOCÊ ENTENDER O ARQUIVO 7
Tudo que você precisa saber para entender a principal linha de investigação do Arquivo7 - O BÁSICO SOBRE MATEMÁTICA BÍBLICA, SEGUNDO A TESE ARQUIVO 7.

segunda-feira, 28 de outubro de 2019

POR QUE A MATEMÁTICA BÍBLICA É INCONTESTÁVEL?


As doutrinas fundamentais da Bíblia podem até serem verdadeiras, absolutas, etc. Entretanto, sempre serão alvo de polêmicas, debates e (tentativas de) contestações. E por quê?

Porque, mesmo fundamentadas em sólidas evidências e tendo fundamentos inabaláveis, contudo, muitas vezes depende de interpretações humanas. E, como a natureza humana é falível, os ensinamentos ministrados pelos homens sempre serão passíveis de contestações e polêmicas.

Porém, os fatos matemáticos transcendem a imperfeição humana. Ou seja, se o homem mais imperfeito do mundo afirmar que, nos infinitos números naturais só existe um que se localiza entre um quadrado e um cubo, ninguém jamais conseguirá provar o contrário. É um fato matemático, é infalível, incontestável, e não depende de interpretações de homens falíveis.

Ah, para você não ficar sem dormir, o tal número é o 26, que se localiza (na reta numérica) entre o 25 (quadrado de 5, isto é, 5 x 5) e 27 (o cubo de 3, ou seja, 3 x 3 x 3). Foi descoberto e provado por Pierre de Fermat, um notável matemático francês, do século XVII.

O Universo pode deixar de existir, mas o fato acima nunca deixará de ser verdade.

E A MATEMÁTICA BÍBLICA NÃO SERIA SOMENTE UM CASO DE INTERPRETAÇÃO E NÃO DE FATO?

Não e vou provar por que.

TRÊS RAZÕES PORQUE A MATEMÁTICA BÍBLICA É INCONTESTÁVEL

1ª Razão – A Matemática Bíblica faz constatações, não interpretações.

Aqui devemos deixar bem claro que: Matemática Bíblica não é a mesma coisa que Numerologia Bíblica.

1 – Numerologia Bíblica – É simplesmente o estudo do SIGNIFICADO dos números (tipo 6 simboliza o homem, 7 representa a aliança entre Deus e o homem, 40 fala de provação, etc.). Há unanimidade nuns casos, e discordâncias noutros (por exemplo, para uns o 5 representa a GRAÇA de Deus, para outros, RESPONSABILIDADE,...).

Em suma, o estudo do SIGNIFICADO dos números sempre envolveu discordâncias, é algo que pode ser discutido, debatido, contestado, etc. Símbolos são coisas relativas e, muitas vezes, seus significados não são absolutos, porém, dependem do contexto, das circunstâncias, etc.

2 – Matemática Bíblica – Aqui não dependemos do SIGNIFICADO dos números para provarmos alguma coisa. Basta apresentarmos os fatos e a simetria simples, clara e absoluta, falará por si mesma. Ou seja, a Matemática Bíblica simplesmente descobre (isto é, revela) os padrões ocultos e impregnados tanto no texto (nos originais hebraicos e gregos) quanto na estrutura dos livros e capítulos (como temos demonstrado no Arquivo7). As interpretações que damos aos padrões encontrados podem ser debatidas ou refutadas, mas os fatos (isto é, as constatações), jamais.

No Arquivo7 lidamos com Numerologia e Matemática Bíblica, mas a ênfase é na Matemática, como prova e autenticação das doutrinas da Inspiração, Imutabilidade, Inerrância e Plenitude Bíblica. E, repito, você pode até negar ou refutar as interpretações que damos aos padrões encontrados, mas nunca conseguirá contestar esses padrões.

2ª Razão – A Matemática Bíblica prioriza as simetrias, os padrões e não o significado teológico e simbólico dos números.

Por exemplo, o fato de somente 7 livros bíblicos possuírem capítulos de número 37, e que cada um desses capítulos está numa determinada ordem (na lista geral dos 1.189 capítulos), não tem nada a ver com o tema dos livros. Em outras palavras: Gênesis, Êxodo, Jó, Salmos, Isaías, Jeremias e Ezequiel não possuem nenhuma ligação temática especial exclusiva em comum (tipo Apocalipse e Daniel, por exemplo).

Não existe (pelo menos não encontrei ainda) uma conexão temática entre os capítulos 37 de Gênesis, 37 de Êxodo, 37 de Jó, etc. Mas a conexão matemática (em sintonia com os números-chave da Bíblia) é muito evidente. E incontestável.

Por isso, de certa forma, a Matemática Bíblica é “ecumênica” (no bom sentido, e somente entre as denominações cristãs que acreditam que a Bíblia está completa com 66 livros). Em outras palavras: a Matemática Bíblica apresentada no Arquivo7 tem como objetivo evidenciar as doutrinas da Inspiração, Imutabilidade, Inerrância e Plenitude (ou Completude) Bíblica, e nisso não há calvinistas e arminianos, pre-tribulacionistas e pos-tribulacionistas, cessacionistas e não-cessacionistas, etc.

3ª Razão – Os cálculos não são feitos de cabeça (passível de falha), mas pelo computador (que, em se tratando de cálculos, é infalível).

Um ser humano, por mais genial que seja, está sujeito a cometer erros. O equilíbrio do nosso Universo depende de cálculos exatos (e complexos). Todos os cálculos apresentados na Matemática Bíblica divulgada no Arquivo7 são realizados pelo computador (de outra forma seria até impossível, considerando o tamanho, a quantidade e a complexidade dos números envolvidos).

Em outras palavras: a simples equação (7337^7337) = Êxodo 37, envolve um número absurdo de dígitos (28.362) que a mente humana jamais conseguiria calcular. Mas podemos apostar a cabeça que este cálculo está corretíssimo e assim será para sempre.

Para concluir, eis mais um daqueles exemplos de simetrias matemáticas na Bíblia, que reúne de uma só vez (em si) a simplicidade, a beleza e a profundidade...

Primeiro, uma constatação simples e evidente: em toda a Bíblia APENAS DOIS livros possuem um total de capítulos cujos fatores numéricos são SOMENTE 3 e 7:

Juízes, 21 capítulos (3 x 7) e João, 21 capítulos (3 x 7). Alguém pode contestar isso? Não, ninguém!

Agora, eis uma fantástica constatação: Até onde testamos, QUALQUER NÚMERO QUE COMEÇA COM 7, TERMINA COM 3, TENDO SOMENTE ZEROS ENTRE ELES, SEMPRE SERÁ EQUIVALENTE OU AO LIVRO DE JUÍZES OU AO EVANGELHO DE JOÃO.

7
Juízes
21 capítulos
3 x 7
73
Juízes
21 capítulos
3 x 7
703
João
21 capítulos
3 x 7
7003
Juízes
21 capítulos
3 x 7
70003
João
21 capítulos
3 x 7
700003
Juízes
21 capítulos
3 x 7
7000003
João
21 capítulos
3 x 7
70000003
Juízes
21 capítulos
3 x 7
700000003
João
21 capítulos
3 x 7
7000000003
Juízes
21 capítulos
3 x 7
70000000003
João
21 capítulos
3 x 7
700000000003
Juízes
21 capítulos
3 x 7
7000000000003
João
21 capítulos
3 x 7
70000000000003
Juízes
21 capítulos
3 x 7
700000000000003
João
21 capítulos
3 x 7
7000000000000003
Juízes
21 capítulos
3 x 7
70000000000000003
João
21 capítulos
3 x 7
700000000000000003
Juízes
21 capítulos
3 x 7
7000000000000000003
João
21 capítulos
3 x 7
Ad infinitum?




Isso é absurdamente incrível!!!

          Veja bem: se esses livros estivessem em outra posição na Bíblia, não teríamos essa simetria. Portanto, pela Lei das Probabilidades, é altamente provável que esses livros foram colocados nessa posição propositadamente. E por quem?

Aí temos somente duas opções (Lei do 3º Excluído):

1 – Essa simetria matemática é obra humana;
2 – Essa simetria matemática não é obra humana.

A gente pode provar a premissa 2 por meio da Lei das Probabilidades. Resta a premissa 1. Aí entram as interpretações (que são falíveis e passíveis de contestações):

1 – Essa simetria é obra de Deus;
2 – Essa simetria é obra de extraterrestres;
3 – Essa simetria é obra de qualquer ser que não seja humano, e que tenha uma inteligência super avançada.

Cada uma dessas três premissas podem ser debatidas (talvez incansavelmente), entretanto, uma coisa é certa: existem muito mais evidências a favor da premissa 1 do que das outras.

Em outras palavras: o prato das evidências pesa muito mais a favor da tese “Essa simetria é obra de Deus”. Conteste, se puder!

“... [Deus] faz grandes coisas, que nós não compreendemos.”
(Jó 37.5)

“... pára e considera as obras maravilhosas de Deus.” (Jó 37.14)

Moacir R. S. Junior – morganne777@hotmail.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário