O BÁSICO PARA VOCÊ ENTENDER O ARQUIVO 7

O BÁSICO PARA VOCÊ ENTENDER O ARQUIVO 7
Tudo que você precisa saber para entender a principal linha de investigação do Arquivo7 - O BÁSICO SOBRE MATEMÁTICA BÍBLICA, SEGUNDO A TESE ARQUIVO 7.

quinta-feira, 28 de novembro de 2019

O MATEMÁTICO BÍBLICO E O DESAFIO DA MATEMATICOFOBIA


VOCÊ SOFRE DE MATEMATICOFOBIA?

Você pode até ter a completa atenção dos ouvintes enquanto estiver falando de qualquer assunto. Mas, no momento em que inserir no discurso a palavra “matemática”, vai notar, imediatamente, que uma gigantesca muralha acabou de surgir, separando o palestrante do auditório.

Por esta razão um ministério de ensino que mistura Bíblia e Matemática (como o Arquivo7) dificilmente prospera, pois é claramente impopular, antipático, solitário e... diferente. 

ENTÃO, POR QUE INSISTIR NISSO?

1º - Temos provas (muito mais do que suficientes) de que existe uma conexão entre a Matemática e a Teologia Bíblica;

2º - É impossível que as simetrias matemáticas encontradas na Bíblia tenham surgido por mero acaso (cerca de 23.000 páginas* sobre o assunto me dão essa certeza);

3º - Portanto, se os ítens 1 e 2 são verdadeiros, estudar e ensinar Matemática Bíblica pode até ser uma missão impopular e ingrata, mas de maneira nenhuma é inútil, vã e sem propósitos.

DIZENDO DE OUTRA FORMA...

1º - Se Deus é matemático (e temos toneladas de provas de que Ele o É);

2º - Se a Bíblia é a Palavra de Deus (e temos toneladas de provas de que ela o É);

3º - Encontrar Matemática na Bíblia devia ser a coisa mais lógica e natural do mundo.

4º - E se tanto a Bíblia quanto a Matemática são obras divinas (e temos toneladas de provas de que elas o são);

A ÚNICA ALTERNATIVA:

5º - E se os cristãos amam a Bíblia justamente por considerá-la obra de Deus;

6º - Por que então muitos dos mesmos cristãos têm tanta antipatia pela Matemática a ponto de até demonizá-la?

Pra deixar bem claro: SE VOCÊ É CRISTÃO SUA ÚNICA ALTERNATIVA DIANTE DOS NÚMEROS E DA MATEMÁTICA É... AMÁ-LOS!!!

* A Enciclopédia Arquivo7 tem, atualmente, cerca de 47.000 páginas. Mas, além da Matemática Bíblica, ela investiga também a Profecia Bíblica, embora seja evidente que a maior parte se refere à matemática.

A CULPA É DA MATEMÁTICA?

Um fenômeno que tenho observado aqui e ali é que a simples menção da palavra “matemática” ou “números” é suficiente para apavorar as pessoas e para deixar as mesmas acuadas, como um animal diante dos caçadores.

Quando, durante um ensino bíblico, a plateia leva quase um minuto pra responder quanto é 7 x 7, é porque a coisa é bem séria. Quando tento explicar alguns dos mais simples conceitos matemáticos, as reações mais comuns (e imediatas) são: “não sei nada de Matemática”, “nunca fui bom em Matemática”, etc.

A MALDIÇÃO DO MATEMÁTICO

Como a Matemática (apesar de tão necessária ao mundo) é grandemente impopular, um matemático não nutre nenhuma esperança de ser reconhecido (em vida) ou de ser valorizado profissionalmente. A biografia de muitos dos grandes matemáticos do passado é recheada de cenas tristes, descrevendo matemáticos pobres, isolados da sociedade, acometidos por graves doenças, sem sorte na vida sentimental, etc. Será que essas pobres almas, em sua lida dura e melancólica, tiveram algum momento de alegria, de prazer, de êxtase?

Um professor apaixonado por matemática, com experiência de mais de 30 anos em sala de aula, deixou escapar o seguinte, ao falar sobre os desafios que um matemático enfrenta na vida:

“Você pode ficar solitário. Quase ninguém apreciará o seu  trabalho porque poucos serão capazes de entendê-lo”

(H. E. Huntley, no livro A DIVINA PROPORÇÃO - Um Ensaio sobre a Beleza na Matemática)

A RECOMPENSA DO MATEMÁTICO

Entretanto, apesar dos duros desafios que um matemático enfrenta, existem certas compensações, que, no final, provam que vale à pena lidar com a matemática.

QUATRO PRINCIPAIS RAZÕES QUE LEVAM OS MATEMÁTICOS PUROS A AMAREM A MATEMÁTICA


Uma breve olhada na vida desses matemáticos comprova que, apesar das adversidades cotidianas, eles viveram muitos momentos de felicidade quando estavam lidando com os mistérios da Matemática. Costuma se dizer que a maior satisfação de um matemático é resolver uma equação, um enigma matemático. Pra eles nenhum valor (em dinheiro) é tão mais importante.

Razão número 1 – O PRAZER POR RESOLVER UM INTRICADO PROBLEMA MATEMÁTICO

Em 2010, por exemplo, o russo Grigory Perelman, 44 anos, apareceu em várias manchetes descrito da seguinte forma: "HOMEM MAIS INTELIGENTE DO MUNDO RECUSA 1 MILHÃO DE DÓLARES".

Explicando: ele resolveu um dos maiores problemas de matemática do mundo (uma tal de Conjectura de Poincaré), um quebra-cabeça tão complexo que havia até um prêmio de 1 milhão de dólares para quem o decifrasse.

Bem, o Grigory recusou o prêmio. Para ele, o prazer por ter resolvido o problema (levou 10 anos tentando – em comparação, durante 100 anos ninguém havia encontrado a solução) valeu muito mais do que os “meros” 1 milhão de dólares!!! Alguns jornais ironizaram: “Ele recusou dinheiro e ainda dizem que é um gênio”.

Além disso, o matemático ama a matemática não apenas por causa dos seus mistérios e desafios, mas, principalmente, pela BELEZA dela.

Razão número 2 – A BELEZA DA MATEMÁTICA

"Tendo lecionado matemática e física a estudante de nível universitário durante trinta anos, acho-me ainda diante da dificuldade didática com que me defrontei quando comecei a lecionar, qual seja, como instilar nas mentes adolescentes o melhor e talvez único motivo permanente para se estudar matemática, que, em minha opinião, é o motivo estético [isto é, belo]"

"O matemático não estuda a matemática pura porque ela seja útil; ele a estuda porque deleita-se com ela, e deleita-se com ela porque ela é bela" (Poincaré)

"Se há algo que pode vincular a mentalidade celeste do homem a este lúgubre exilio que é o nosso lar terrestre e reconciliar-nos com o nosso fado a ponto de se poder gozar a vida - então é, em verdade, o desfrute das ciências matemáticas e da astronomia“
(Johannes Kepler)

(Citados por H. E. Huntley, no livro A DIVINA PROPORÇÃO - Um Ensaio sobre a Beleza na Matemática)

Razão número 3 – A MATEMÁTIVA É SURPREENDENTE!

Mario Livio, astrofísico israelense, escreveu:

“... prefiro abordar apenas um elemento particular da matemática que invariavelmente dá prazer tanto aos especialistas quanto aos não-especialistas – o elemento surpresa. (...) A matemática mais frequentemente tende a encantar quando exibe um resultado inesperado, do que quando vai ao encontro das expectativas do leitor.”

“Além disso, o prazer extraído da matemática está relacionado, em muitos casos, à surpresa sentida com a percepção de relações e unidades totalmente inesperadas”.

Um dos exemplos que ele cita é a Razão Áurea:

“A sensação de gratificação gerada pelo aparecimento de surpresa da Razão Áurea provavelmente está tão próximo quando poderíamos esperar do sensual prazer visual que obtemos de uma obra de arte“ (A RAZÃO ÁUREA, de Mário Lívio, editora Record)

Razão número 4 – OS VALORES ESPIRITUAIS DA MATEMÁTICA

"Talvez o melhor motivo para se considerar a matemática uma arte não seja o fato dela proporcionar uma saída para a atividade criadora, mas sim sua capacidade de proporcionar valores espirituais. Ela põe o homem em contato com as aspirações maiores e com os objetivos mais sublimes. Oferece prazer intelectual e a exaltação de resolver os mistérios do Universo."
(Morris Kline)

          Creio que o senhor Kline deu a definição que melhor explica a motivação das pesquisas matemáticas do Arquivo7. E na frase “Ela [a Matemática] põe o homem em contato com as aspirações maiores e com os objetivos mais sublimes”, temos a essência do Arquivo7.

          Pelo exposto, se você odeia Matemática, considere o seguinte:

Se, durante as aulas de Matemática, você costumava ver o diabo, pode ter certeza do seguinte: Ou o diabo estava no seu professor, ou nos seus colegas ou em você, mas jamais na Matemática, pois ela é de origem divina, não diabólica.”

“Como é profunda a riqueza, a sabedoria e a ciência de Deus! Como são insondáveis as suas decisões, e como são impenetráveis seus caminhos!”
(Romanos 11.33)

Você nunca se livrará da Matemática; Portanto, é melhor fazer as pazes com ela.

Moacir Junior – morganne777@hotmail.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário