Enciclopédia Arquivo7 no MEGA

sábado, 9 de março de 2013

ENGANA-ME... SE PUDERES! – PARTE 2


DIGA-ME QUALQUER COISA... E EU TE DIREI SE ESTÁS MENTINDO OU NÃO

         Palavras! Quantas pessoas já não “quebraram a cara”, meteram-se em confusões e geraram conflitos simplesmente porque não pensaram antes de falar (crime culposo) ou falaram porque pensaram (crime doloso).

         Há poder em nossas palavras? Se há não acredito que tal poder seja algo sobrenatural do tipo “lança maldições”, ou seja: Se eu falar, com bastante fé, que você vai escorregar e cair, não acredito que minhas palavras sejam mágicas a ponto de fazer você realmente escorregar e cair.

         Mas acredito que o poder das palavras está no fato de que uma mentira bem contada, poderá levar até uma nação a guerrear contra outra. Na verdade, o mundo político vive disso (e boa parte do mundo religioso também). Palavras e mentiras. O político convence (ou melhor, seduz) a multidão é com as palavras e não com o seu rebolado ou outra coisa.

         A Bíblia nos ensina que nossas palavras são tão poderosas que seremos julgados não somente pelo nosso comportamento (isto é, obras), mas também por causa das nossas palavras.

         “Porque pelas tuas palavras serás justificado, e pelas tuas palavras serás condenado. (Mateus 12.37)

         As palavras podem revelar nossa alma.

“... pois do que há em abundância no coração, disso fala a boca.” (Mateus 12.34).

“O homem bom, do bom tesouro do seu coração tira o bem; e o homem mau, do seu mau tesouro tira o mal; pois do que há em abundância no coração, disso fala a boca.” (Lucas 6.45).

“Pois é do interior, do coração dos homens, que procedem os maus pensamentos, as prostituições, os furtos, os homicídios, os adultérios, a cobiça, as maldades, o dolo, a libertinagem, a inveja, a blasfêmia, a soberba, a insensatez;” (Marcos 7.21,22).

“Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e perverso; quem o poderá conhecer?” (Jeremias 17.9).

         Se o nosso coração é tão sujo, só existe um remédio pra ele: submetê-lo ao senhorio de Deus. Por isso o maior mandamento da Lei Divina é:

“Respondeu-lhe Jesus: Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma, e de todo o teu entendimento.” (Mateus 22.37).

         Portanto, se as maldades escondem-se no coração humano; se a boca fala daquilo que o coração está cheio; conseqüentemente, nossas palavras revelam quem realmente somos e o que estamos pensando.

         Se o homem é mentiroso por natureza, Deus é verdadeiro por natureza.

“... antes seja Deus verdadeiro, e todo homem mentiroso;” (Romanos 3.4).

         Então, somente se as palavras de Deus ocuparem o nosso coração, coisas boas sairão da nossa boca.

“Escondi a tua palavra no meu coração, para não pecar contra ti.” (Salmo 119.11).

         Quem fala demais, costuma (como se diz aqui no Nordeste) se lascar.

“Na multidão de palavras não falta pecado, mas o que modera os seus lábios é sábio.” (Provérbios10.19).

         Quanto maior o discurso, maiores as mentiras. Especialistas dizem que uma pessoa mente, em média, 3 vezes a cada 10 minutos enquanto conversa. O homem passou a mentir por causa da Queda (ou seja, o afastamento de Deus). Ele não foi projetado para mentir. A prova é que, quando mentimos, todo o nosso corpo se rebela. Nossa respiração se altera, as batidas do coração se alteram, suamos, tentamos esconder as mãos, e muitos outros sinais estudados exaustivamente por psicólogos e demais profissionais especialistas no estudo do comportamento humano.

         E esses abalos no corpo quando mentimos é universal. O corpo (inclusive o rosto) do africano, do europeu, do asiático e do americano reage da mesma forma diante de uma mentira.

         A mensagem é clara: Deus não mente; o homem foi criado à Imagem de Deus; portanto, o homem não foi projetado para mentir. Quando mente, o corpo se revolta. Por isso que a mentira tem pernas curtas e que é mais fácil pegar um mentiroso do que um aleijado.

         E se o aleijado também for mentiroso, então a caçada não tem nem graça.

         Existem pessoas que dependem tanto da mentira que acabam se tornando especialistas em mentir. E com isso, tornam-se mestres em esconder as emoções e os sinais de mentira emitidos pelo corpo. Políticos fazem parte desse grupo, assim como advogados. Atores também são treinados para “enganar bem” o público (se bem que, por uma boa razão). Para desmascarar esses “profissionais da mentira” (refiro-me aos políticos e advogados) somente especialistas na arte de detectar a mentira, como o psicólogo americano Dr. Paul Ekman, conhecido internacionalmente como o maior “expert” do mundo nessa área.

         Bem, mas como detectar a mentira nas palavras de um individuo quando o corpo dele não estiver à mostra? Se não pudermos ver o seu rosto ou parte do seu corpo, se apenas ouvirmos sua voz ou se suas palavras estiverem apenas escritas?

         Existe uma Lei universal, infalível, inegável e inevitável. Se essa Lei não existisse o Universo não teria sentido nenhum. Na verdade, tudo seria um caos. Estou falando da Lei da Não-Contradição. Já escrevi muito a respeito.

         (Leia mais a respeito aqui: NADA PODEMOS CONTRA A VERDADE - PARTE 1 e aqui: NADA PODEMOS CONTRA A VERDADE - PARTE 2).

         Se as pessoas soubessem o quanto do equilíbrio do nosso mundo depende dessa Lei. Se as pessoas tivessem consciência do valor dessa Lei para o pleno funcionamento de tudo aquilo que faz parte da vida humana neste planeta.

         Sim, mas afinal o que essa Lei diz? Simplesmente que DUAS COISAS OPOSTAS NÃO PODEM SER VERDADE AO MESMO TEMPO E NO MESMO SENTIDO.

         Quem ousar transgredi-la só poderá ser uma das duas coisas: um débil mental (na melhor das hipóteses) ou um mentiroso (na pior das hipóteses).

         Hoje está na moda a filosofia pluralista, onde se ensina que tudo é verdade, a verdade é relativa, os opostos são verdadeiros, etc. Mas, se esse conceito pluralista for verdadeiro, nada no Universo faz sentido.

         Exemplos: O hinduísta acredita que o mal é uma ilusão. O cristão crê que o mal é real. Acreditar que os dois conceitos, totalmente contrários, estão corretos é a mesma coisa que acreditar que 3 + 4 é igual a 7 e que 3 + 4 não é igual a 7.

         Mas o nosso mundo está assim hoje. Nos ensinam que tanto está certo o crente que diz que Deus existe quanto o ateu que proclama que Deus não existe. Se for pra acreditar que todos os conceitos são verdadeiros, precisamos acabar com as escolas, com as universidades, ou no mínimo, eliminar as provas, os concursos ou coisas parecidas.

         Se todos os conceitos são verdadeiros, por que reprovar o aluno ao responder errado? E existe essa coisa de certo e errado?

         Nos dias atuais, a Lei da Não-Contradição é violada a cada segundo, por todas as classes sociais e as pessoas não sentem um pingo de vergonha ao cometerem essa transgressão.

         O sujeito vai protestar e chama o outro de intolerante. Na verdade, quem protesta contra alguma coisa é porque não tolera essa coisa. Então, o “protestador” também está sendo intolerante.

         Especialmente nas redes sociais, lemos todos os dias frases que aparentam ser profundamente sábias, mas no final não passam de tolices com aparência de sabedoria. Repito: qualquer frase que viole a Lei da Não-Contradição revela ser mentirosa, falsa, estúpida.

         Eu adoro ouvir discurso político. Não por gostar de política (na verdade, o que penso a respeito dos políticos é até impublicável), mas para me divertir ao ouvir a Lei da Não-Contradição sendo violada de minuto em minuto. Com isso não estou me referindo necessariamente à hipocrisia (o cara fala uma coisa, mas pratica outra), mas às contradições escondidas nas palavras.

         Por exemplo: “Não votem em Fulano porque ele sempre foi um ladrão” (sim, e se SEMPRE foi um ladrão por que você o apoiou na eleição passada? Quem apóia ladrão não merece confiança).

         Ou: “O nosso grupo é o da paz, é o grupo do bem. Nós não temos nada contra ninguém.” Ora, se o meu grupo é o da paz e do bem, logicamente o seu (que é meu adversário) é o grupo da guerra e do mal. Como posso dizer que não tenho nada contra o seu grupo se o chamo de grupo do mal?

         Ou: “Meus amigos, no dia da eleição, seja inteligente. Não se deixe influenciar pelo que os outros dizem. Vote consciente. Vote nos nossos candidatos.” Espera aí! Se não é pra me deixar influenciar pelo que OS OUTROS DIZEM, por que quer que eu seja influenciado pelo o que VOCÊ ESTÁ DIZENDO?

         Pois é! A seguir, uma pequena lista com as frases que adoramos dizer, mas que são verdadeiramente mentirosas. Lembrando que a incoerência não é somente exclusividade da maioria dos políticos. O povão em geral adora se expressar ilogicamente no dia-a-dia.

         E lembrando também que às vezes a contradição não está nas palavras, mas nos atos que contradizem as palavras. É a maldição dos hipócritas.

AS PÉROLAS DA FALSIDADE – PARTE 2 (a primeira parte você pode ler aqui: ENGANA-ME ... SE PUDERES! FRASES MENTIROSAS E LUNÁTICAS QUE QUASE TODO MUNDO ADORA FALAR). A numeração continua do ponto em que parou no artigo anterior.

50 – PRESTA ATENÇÃO NO QUE EU VOU TE FALAR: NÃO TÔ NEM AÍ PARA A TUA OPINIÃO!
- Ah, é? Se não tá “nem aí”, por que faz questão que eu preste atenção?

51 – EU NÃO ME IMPORTO COM AQUELES QUE ME CALUNIAM.
- Se não se importa, por que está se importando em nos informar isso?

52 – NÃO ESTOU NEM AÍ PARA O QUE VOCÊ PENSA SOBRE MIM.
- Então por que ainda perde tempo me contando isso, já que não está nem aí para o que eu penso sobre você?

53 – RESPEITE A MINHA IGREJA COMO RESPEITO A SUA. MINHA IGREJA É A ÚNICA VERDADEIRA.

         Li essa pérola recentemente. O individuo pede respeito e diz que respeita a igreja do outro. Mas logo em seguida afirma que sua igreja é a única verdadeira, deixando logicamente claro que qualquer outra igreja é falsa, mentirosa.

         Então eu chamo sua igreja de mentirosa e ainda tenho o atrevimento de dizer que a estou respeitando? Imagine se não estivesse. Observem que são duas frases. Cada uma por si só não fere a Lei da Não-Contradição, mas quando juntas são claramente contraditórias.

54 – “PAI NOSSO, QUE ESTÁS NO CÉU... SEJA FEITO A TUA VONTADE ASSIM NA TERRA COMO NO CÉU.” Frase dita quase todos os dias em várias reuniões, por milhares de pessoas que, nas caladas da noite, entregam-se à prostituição. E qual é a VONTADE DE DEUS, revelada na Bíblia? “ESTA É A VONTADE DE DEUS... QUE VOS ABSTENHAIS DA PROSTITUIÇÃO.” (1 Tessalonicenses 4.3). Isso é que é mentir descaradamente na presença de Deus.

55 - “PAI NOSSO, QUE ESTÁS NO CÉU... PERDOA AS NOSSAS OFENSAS, ASSIM COMO PERDOAMOS A QUEM NOS OFENDE.” O individuo repete essa oração todas as noites, mas no dia-a-dia... ISSO NÃO VAI FICAR ASSIM! NÃO VOU DEIXAR BARATO O QUE VOCÊ ME FEZ!
        
         Nesses exemplos, a contradição se encontra no fato da pessoa falar uma coisa e praticar o oposto. Tem certeza de que deseja que Deus te perdoe da mesma forma que você “perdoa” o próximo?

“... PERDOA AS NOSSAS OFENSAS, ASSIM COMO PERDOAMOS A QUEM NOS OFENDE.” Reza o jogador antes de entrar no campo, mas durante o jogo, logo que é ofendido, retribui a ofensa.

56 – NÃO TENHO NADA CONTRA A SUA PESSOA, MAS CONTRA O QUE VOCÊ ANDA DIZENDO POR AÍ...
- E o que estou dizendo por aí tá saindo de qual boca? O que EU estou falando por aí sou EU que estou falando. E se EU não faz parte de MINHA PESSOA, quem faz? Você? Portanto, se você tem algo contra  o que estou falando, logicamente você tem algo contra a minha pessoa.

57 – NÃO TENHO NADA CONTRA A SUA PESSOA, MAS SOU CONTRA O QUE VOCÊ ANDA FAZENDO...
- Você está me dizendo que NÃO TEM NADA CONTRA A MINHA PESSOA, mas é contra o que A MINHA PESSOA ESTÁ FAZENDO? Quer dizer que as ações da MINHA pessoa não fazem parte da MINHA pessoa?

58 – NÃO TENHO NADA CONTRA NINGUÉM.
- Essa merece um prêmio pela tamanha afronta à Lei da Não-Contradição. O fato é que não existe ninguém neste planeta que não tenha nada contra alguém. Você é a favor das drogas? Não? Ah, então, de alguma forma, é contra alguém que usa drogas. Você pode até retrucar: Bem, mas eu não sou contra a pessoa, mas sim contra os seus atos. Nem preciso responder. É bem parecida com a frase número 57.

59 – SE CADA UM SE IMPORTASSE COM A SUA PRÓPRIA VIDA, O MUNDO SERIA BEM MELHOR.
         Geralmente o individuo diz isso com irritação, demonstrando claramente que ele SE IMPORTA COM AQUILO QUE DIZEM SOBRE ELE. Portanto, ele mesmo não obedece o que aconselha para os outros.

- Já pensou se os médicos não se importassem com a nossa vida? Se os nossos pais não se importassem com a nossa vida? Etc., etc., etc.

60 – ESTOU DECEPCIONADO COM VOCÊ, POIS SEMPRE TE CONSIDEREI MAIS INTELIGENTE DO QUE EU.
- Então se SEMPRE me considerou mais inteligente do que você, não devia se decepcionar comigo, pois se sou mais inteligente do que você, logicamente eu é que devia me decepcionar com você por ser MENOS inteligente do que eu.

61 – EU ME ODEIO POR SER TÃO BURRO!
- Se realmente se odeia, logicamente deve desejar o mal pra si. O mal tem a ver com coisas negativas. Ser inteligente é algo positivo. Ser burro é algo negativo. Devia então estar feliz por ser burro já que se odeia.

62 – ACEITA OS CONSELHOS DOS OUTROS, MAS NUNCA DESISTAS DE TUA OPINIÃO.
- Me explica como posso ACEITAR teu conselho sem DESISTIR da minha opinião?

63 – EU SEI QUE VOCÊ É MAIS INTELIGENTE DO QUE EU, POR ISSO VOU TE DAR UM CONSELHO...
- Se sou mais inteligente do que você, você é quem devia ser aconselhado por mim.

64 – SE CONSELHO FOSSE BOM, ERA VENDIDO E NÃO DADO.
- Podemos fazer uma das duas perguntas ao individuo:

a) Quanto você está me cobrando por esse conselho?
Provavelmente ele achará estranho a sua pergunta e dirá que não está cobrando nada... e você poderá responder: “Então seu conselho não é bom.”

b) Então você está declarando claramente que as coisas VENDIDAS é que são boas enquanto que as DADAS são ruins?

65 – ODEIO GENTE PRECONCEITUOSA. EU, POR EXEMPLO, NUNCA TIVE NENHUM TIPO DE PRECONCEITO.
- É incrível como a pessoa diz besteira com a maior facilidade. A grande maioria das frases que possui as palavras “NUNCA” e “TODO” violam a Lei da Não-Contradição.

         Uma verdade é que todo mundo possui algum tipo de preconceito. Todo adulto já foi criança e toda criança é preconceituosa. No processo de educação, ela vai sendo ensinada o que significa ter preconceito e por que é errado.

         Mas a “cereja no meio do bolo” é o individuo dizer que não é preconceituoso, mas odeia gente preconceituosa. Pelo menos um tipo de preconceito ele tem: contra gente preconceituosa.

66 – TODA VERDADE TEM DOIS LADOS.
- Escutamos essa frase com muita freqüência, e especialmente durante um julgamento. Quando alguém a pronuncia parece que quer provar que tanto o acusador quanto o acusado estão certos.

         Ora, uma história pode ter muitas versões, mas a verdade é somente uma. Se é verdade que Carlito atirou em Joãozito e se esta é apenas UM dos lados da verdade, qual seria o outro? Logicamente, o inverso, ou seja: que Carlito NÃO ATIROU em Joãozito. Mas é claro que ATIROU e NÃO ATIROU não é a mesma coisa. Portanto, ambos não podem ser verdadeiro ao mesmo tempo e no mesmo sentido.  Ou Carlito atirou ou não atirou. A verdade tem somente um lado, somente uma versão: a VERDADEIRA!

         Mas a mentira é diferente. Tem não somente um lado (uma versão da história), mas milhares.

67 - EU NÃO ME IMPORTO COM A VERDADE.
- Acuse essa pessoa de algum crime e logo logo ela demonstrará que se importa com a verdade sim.

68 – EU NÃO SEI O QUE ISSO SIGNIFICA, MAS SEI QUE É ERRADO.
- Como assim? “EU NÃO SEI... MAS SEI”.???!!!

69 – EU NÃO MENTI. DISSE APENAS UMA MEIA VERDADE.
- Meia verdade? Seria uma verdade pela metade? Nesse caso a outra metade seria pura mentira. Existe essa tal meia verdade?

- Existe sim, pois Abraão quando desceu ao Egito, escondeu dos egípcios que Sara era sua esposa. Disse que era sua irmã. Não mentiu, pois Sara realmente era meia irmã dele (mesmo pai, porém mães diferentes). Também não falou a verdade, pois ela era mais esposa do que irmã. Portanto, falou uma meia verdade ou uma meia mentira.

- Sara era mesmo irmã de Abraão?

- Sim, por parte de pai.

- Portanto, quando ele disse: “ela é minha irmã”, mentiu?

- Não.

- Então, como você afirma que ele disse uma “meia verdade”?

- Mas não disse que Sara era a esposa dele.

- Nesse caso OMITIU a informação, não mentiu. Não disse: “Ela NÃO É minha esposa.”*

- ???

- Uma frase pode conter uma verdade e uma mentira, nunca uma meia verdade.

“O PAI DO JOÃO BATISTA DA BÍBLIA SE CHAMAVA ZACARIAS E SUA MÃE SE CHAMAVA SEVERINA.”

         A frase contém uma verdade (O PAI DO JOÃO BATISTA DA BÍBLIA SE CHAMAVA ZACARIAS) e uma mentira (E SUA MÃE SE CHAMAVA SEVERINA).

- Então a frase é verdadeira e falsa ao mesmo tempo (violando a Lei da Não-Contradição)?

- Não, pois ela não está afirmando e negando uma coisa ao mesmo tempo. O contrário de “O PAI DO JOÃO BATISTA DA BÍBLIA SE CHAMAVA ZACARIAS” não é “E SUA MÃE SE CHAMAVA SEVERINA”, mas sim: “O PAI DO JOÃO BATISTA DA BÍBLIA NÃO SE CHAMAVA ZACARIAS.”

* A Bíblia não diz que Abraão foi perguntado sobre a mulher que o acompanhava, pois se alguém tivesse indagado:

- É sua esposa?

E ele tivesse respondido:

- Não. É minha irmã (nesse caso mentiu, pois ela era sua esposa, mais esposa do que irmã).

         Mas se ele se apressou em informar “Ela é minha irmã”, antes que alguém o questionasse, não mentiu, apenas omitiu informações.

70 – NÃO HÁ FATOS ETERNOS, NÃO HÁ VERDADES ABSOLUTAS.

         Esta frase é atribuída ao famoso filósofo alemão Nietzsche. É uma das mais populares nas redes sociais. Porém, é mais falsa do que uma nota de 3 reais. A demonstração é simples:

         Primeiro, ele afirma que “NÃO HÁ FATOS ETERNOS”. Essa afirmação ou é VERDADEIRA ou é FALSA (não existe 3.ª opção – isso é chamado de Lei do 3.º Excluído, outra Lei universal, infalível e inevitável).

         Se a frase acima for VERDADEIRA, a segunda parte não pode ser, pois afirma que a VERDADE ABSOLUTA não existe.

         E se NÃO HÁ VERDADES ABSOLUTAS, não podemos acreditar que “NÃO HÁ FATOS ETERNOS”.

         Conclusão: A frase é totalmente contraditória, e, portanto, falsa. A Lei da Não-Contradição não perdoa.

         O mundo está cheio de intelectuais que se acham o mais “sábio do mundo”, mas tropeçam nas próprias palavras. Antes de divulgar uma frase filosófica, passe a lente da Lei da Não-Contradição sobre ela.

         Para concluir, reproduzo um pequeno trecho de um artigo do filósofo brasileiro Olavo de Carvalho, demonstrando como e quando o famoso e respeitado filósofo Maquiavel tropeçou na Lei da Não-Contradição:

“Maquiavel ensina que o Príncipe deve conquistar o poder absoluto e em seguida livrar-se dos que o ajudaram a subir. Ora, quem pode ter ajudado mais ao Príncipe do que o filósofo que lhe ensinou a fórmula da conquista do poder absoluto? Se o Príncipe o levasse a sério, ele próprio, Nicolau Maquiavel, seria o primeiro a ser jogado no lixo junto com o seu livro, prova do crime. Contrariando o louvor geral que consagra Maquiavel como o primeiro observador "realista" da política, o Príncipe é um modelo idealizado que só pode ser descrito em literatura precisamente na medida em que nenhum contemporâneo logre encarná-lo na realidade. A alienação chega ao cúmulo quando Maquiavel diz que todos os males do Estado vêm dos intelectuais contemplativos que, não podendo atuar na política, teorizam sobre ela -- o que é precisamente o que ele está fazendo.”

         E, como já demonstrei em outros artigos, se nem Deus NUNCA violou a Lei da Não-Contradição (Ele não pode mentir, não pode se contradizer), significa que ela é ETERNA, ou seja: não foi criada por Deus, mas faz parte da Natureza Dele. Isto é, ela existe desde que Ele existe.

         E desafio você a me provar o contrário.

“... nenhuma mentira vem da verdade.” (1 João 2.21)

“Porque nada podemos contra a verdade, porém, a favor da verdade.”
(2 Coríntios 13.8)

Moacir R. S. Junior – morganne777@hotmail.com


Atenção! O texto abaixo foi acrescentado em 18 de março de 2013. Ele demonstra o quanto as pessoas violam a Lei da Não-Contradição sem o menor constrangimento.

Dois dias após ter escrito o texto principal desta postagem, deparei-me com um pequeno debate no Facebook, a respeito do caso “Pastor Marco Feliciano”. No meio da conversa alguém publica a seguinte frase:
        
“A verdade é que os protestantes, são todos homofóbicos e preconceituosos.”

         Em seguida ele continuava criticando os protestantes, sempre generalizando. Logo depois eu o alertei sobre a insensatez de se usar generalizações:

         Eu escrevi: "’OS protestantes... OS protestantes!’ Como as pessoas têm a mania de GENERALIZAR! Afirmar que TODO pastor é LADRÃO é tão idiota quanto dizer que TODO padre é PEDÓFILO.”

         Alguns minutos depois ele procurou se desculpar, e disse, entre outras coisas, o seguinte:

“... eu não quis me referi [sic] a todos os evangélicos, e sim a uma boa parte, pois ando em todas as igrejas e comparo uma a uma, ...”

         Como assim? Anteriormente tinha escrito claramente:

“A verdade é que os protestantes, são todos homofóbicos e preconceituosos [negritos meus].”

         Depois tentou negar, dizendo que não quis se referir a “todos os evangélicos, e sim a uma boa parte,... [negritos meus]”. Não adianta, meu caro. “Todos” não é a mesma coisa que “uma boa parte”. Você violou a Lei da Não-Contradição, portanto mentiu descaradamente. 

         Mais adiante ele escreveu: “... eu não tenho nada contra protestantes, admiro muito e os respeito,...”. Todo mundo tem sempre alguma coisa contra o outro (nem que seja uma pequena discordância filosófica). Quem diz “NÃO TENHO NADA CONTRA NINGUÉM” está mentindo de cara limpa.

         Numa frase o sujeito chama toda uma denominação religiosa de homofóbica e preconceituosa. Logo depois diz que não tem nada contra essa denominação. A contradição aí já está clara demais. Mas ele ainda piora as coisas ao completar: “...admiro muito [os protestantes] e os respeito.”

         Como assim? Ah, não pode ser a mesma pessoa que escreveu a frase preconceituosa lá em cima. Primeiro xinga todos os protestantes, depois diz que  não quis se referir a todos os protestantes; depois já diz que não tem nada contra os protestantes. Por último confessa até que os admira e respeita (e diz que os admira muito).

         Se demorasse mais um pouco iria dizer que está APAIXONADO pelos protestantes.

         Bem, não seria melhor se ele simplesmente reconhecesse o erro e pedisse desculpas? Há muito mais pérolas em seu texto, mas quero destacar somente mais uma para fechar com chave de ouro:

“... apenas fui imparcial, e levei pelo lado que eu via as coisas [negrito meu].” Como? Imparcial? Acredito que o bom homem quis confessar que foi PARCIAL em seu julgamento, pois em seguida, acrescentou: “... e levei pelo lado que eu via as coisas.”

         Não é demais essa Lei da Não-Contradição?