O BÁSICO PARA VOCÊ ENTENDER O ARQUIVO 7

O BÁSICO PARA VOCÊ ENTENDER O ARQUIVO 7
Tudo que você precisa saber para entender a principal linha de investigação do Arquivo7 - O BÁSICO SOBRE MATEMÁTICA BÍBLICA, SEGUNDO A TESE ARQUIVO 7.

CALCULANDO A VERDADE - A INSPIRAÇÃO DIVINA DA BÍBLIA PROVADA PELA MATEMÁTICA

 

Uma introdução à Matemática Bíblica defendida no Arquivo7, numa exposição bem didática, ideal para quem está entrando em contato com essa tese pela primeira vez ou deseja apresentá-la a algum amigo. 

O "cânon" bíblico está fechado, com 66 livros e 1.189 capítulos, e, neste livro, apresentamos a evidência matemática como prova. 

"Investigue tudo, acredite apenas no que for provado verdadeiro" (paráfrase de 1 Tessalonicenses 5.21)

Adquira esta obra por meio das seguintes opções:

1 - LIVRO DIGITAL - Leia através do aplicativo Kindle em seu celular, tablet, Kindle e computador. Clique neste link: 

https://amzn.to/3gwP0sA

2 - LIVRO FÍSICO (isto é, impresso) - Adquira a partir deste link:

https://loja.uiclap.com/titulo/ua9006/

sábado, 21 de maio de 2022

OS 7 NÍVEIS DA DISCORDÂNCIA NA ARGUMENTAÇÃO - A PIRÂMIDE DE GRAHAM

 

Paul Graham é programador, escritor e investidor. Também é conhecido por um ensaio divulgado em 2008 onde define sua “hierarquia da discordância”, um guia simples para analisar e melhorar argumentos em discussões. 

A pirâmide de Graham consiste em classificar os 7 níveis das críticas e dos argumentos, ou seja, do mais baixo e irracional ao mais alto e consistente. 

Parte das explicações adaptei de um artigo na internet (que vou citar no final), mas todos os exemplos citados foram criados por mim, usando a tese sobre a Matemática Bíblica (defendida por mim e por outros estudiosos), para ficar mais claro e real. 

TRÊS PRIMEIROS NÍVEIS: A PARTE MAIS BAIXA E DESONESTA DA PIRÂMIDE 

Nível 1: DESRESPEITO E XINGAMENTO 

Indiscutivelmente este é o nível que mais gera desconforto e desmotivação, pois estampa a intolerância e isso vai da forma mais grosseira até àquelas pretensamente sofisticadas, tais como: 

“Que tese idiota a sua!” 

“Essa tese é estúpida e não tem base nenhuma” 

“Nunca li tantas bobagens juntas”. 

Nível 2: AD HOMINEM (que vem do latim e quer dizer o argumento contra a pessoa) 

Consiste em desviar o foco da proposição para o autor, sem xingamento, mas colocando em dúvida sua isenção ou credibilidade ao opinar sobre o tema. 

          “O autor dessa tese não é um bom exemplo de cristão.” 

          “O autor da tese não sabe de nada”. 

          “Esse autor aí não é o mesmo que disse outro dia aquela frase idiota?” 

          “Hummm... não dá pra confiar na tese de alguém que apoia certos políticos”. 

Nível 3: RESPOSTA AO TOM 

Embora nesse nível o autor seja poupado das críticas, ao invés de se dirigirem às ideias, as críticas passam a se dirigir ao texto. Engloba desde erros ortográficos até ataques ao estilo de escrita ou fala. 

“Parei de ler quando vi três erros de português”. 

“O vocabulário usado pelo autor é muito pobre”. 

“Tese mal escrita”. 

Essa forma de discordância também é desonesta pelo fato de nada acrescentar a respeito dos pontos defendidos pelo autor, atacando a forma do discurso e não o seu conteúdo. 

          NÍVEL DO MEIO DA PIRÂMIDE – NÃO É OFENSIVO OU DESONESTO, MAS NÃO ACRESCENTA NADA AO DEBATE 

Nível 4: CONTRADIÇÃO 

A partir desse nível, passamos a falar de discordâncias que já não são desonestas e podem ou não ter algum potencial de contribuição positiva ao debate. A mais simplória delas é a contradição, que consiste na mera afirmação de uma ideia contrária à do texto original. 

“Não concordo com a tese do autor”. 

“Essa tese está errada”. 

“O autor afirma que existem códigos matemáticos na Bíblia, mas nós sabemos que não existem”. [podemos perguntar: quem são “nós”? Como é que eles sabem?] 

“O autor afirma que existem padrões matemáticos na estrutura da Bíblia, mas os teólogos discordam”. [aqui podemos perguntar pra ele: quais teólogos? Eles apenas discordam ou provam que a tese está errada?] 

Embora não seja uma forma desonesta de discordar, a contradição raramente contribui com o debate. Sem apresentar argumentos sólidos, a afirmação apenas se posiciona como alternativa à proposição original, sem rebatê-la. Ou seja, o indivíduo simplesmente nega a tese defendida, sem apresentar uma argumentação contrária. Nega por negar. 

A PARTIR DO PRÓXIMO NÍVEL, PASSAMOS PARA O LADO POSITIVO DA PIRÂMIDE 

Nível 5: CONTRA-ARGUMENTO 

É uma forma de discordância superior às anteriores, e com maior potencial para afetar positivamente a discussão em alguns casos. Consiste em uma forma mais sofisticada de contradição, onde além de confrontar o conteúdo da proposição original, também são apresentados argumentos sólidos e logicamente sustentáveis como embasamento [não necessariamente significam que estão corretos]. Vamos analisar o comentário abaixo: 

“É normal a gente encontrar várias coincidências numéricas em um texto. Por exemplo, no primeiro parágrafo do poema ‘O corvo’, de Allan Poe, podemos destacar vários padrões envolvendo o número 7.” 

O problema com esse nível de discordância é que, apesar de apresentar bom embasamento, ele não ataca de fato as afirmações feitas pelo autor original. Ou seja, na Matemática Bíblica não apresentamos só padrões envolvendo números pequenos, como o 7, mas números maiores em operações matemáticas com até centenas de dígitos. 

Nível 6: REFUTAÇÃO 

É um nível onde há contribuição real ao debate, e consiste em uma evolução do contra-argumento. Mas agora, atacando um ponto relevante da ideia original e que de fato tenha sido defendido pelo autor. 

          “O autor defende que a quantidade de números 3 e 7 inseridos no texto original de Gênesis 1.1 é a prova de um desígnio divino. Mas o teólogo Norman Geisler, em sua Enciclopédia de Apologética discorda pelas seguintes razões:” 

          A refutação derruba uma parte relevante da proposição original. O único problema é que o ponto refutado não é central ao argumento defendido pelo autor, de forma que sua refutação não o rebate completamente. 

          Em outras palavras: o argumento central do autor é que existe uma série de padrões numéricos envolvendo os números 3, 7, 37 e 73 em Gênesis 1.1 e na estrutura da Bíblia. O refutador contestou apenas os padrões relacionados a 3 e 7, que são os mais fracos, mas não conseguiu contestar os envolvendo 37 e 73, que são os mais fortes e os pontos centrais da tese defendida. 

          Para apresentar exemplos fáceis de serem verificados: no final do século XIX, um russo (naturalizado americano), Ivan Panin, fez várias descobertas interessantes nos textos originais da Bíblia, entretanto, enfatizou mais o número 7 (até porque não chegou a descobrir a riqueza maior da Matemática Bíblica, que envolve os números 37 e 73). Em anos recentes, boa parte da tese de Panin tem sido questionada pelos céticos. 

          Porém, nas décadas de 80 e 90, alguns pesquisadores fizeram descobertas sobre a Matemática Bíblica tão complexas e interessantes, que as de Panin é como se fossem coisas do jardim de infância. Dois desses estudiosos (Peter Bluer e Vernon Jenkins) fizeram as descobertas mais profundas (e Vernon ainda mais), de modo que hoje não conheço nenhum cético que tenha ousado contestar as teses desses dois ingleses. E muitos outros tem se levantado (John Elias, Leo Tavares, etc.).  

Nível 7: REFUTAÇÃO DO PONTO CENTRAL 

Esse é o nível máximo de discordância, onde a refutação tem como alvo o ponto central da ideia defendida pelo autor original. Uma vez refutado o ponto central, toda a argumentação precisa ser abandonada ou revista, levando a discussão a níveis cada vez mais altos e gerando aprendizado. Vamos aos comentários abaixo: 

          Exemplos: [Na verdade, nunca encontrei uma refutação que derrubasse a tese central da Matemática Bíblica. Por tese central, quero dizer os padrões envolvendo os números 37 e 73, que, na matemática, pertencem ao conjunto dos números ESTRELARES HEXAGONAIS, uma categoria que aparece de forma impressionante no texto hebraico de Gênesis 1.1 e que foi descoberta, principalmente, pelo inglês Vernon Jenkins]. 

* Algumas explicações dos tópicos (sem os exemplos) foram adaptadas do artigo deste site:

https://prolifeengenharia.com.br/metodo-graham-saiba-como-aplicar-na-sst-e-na-vida 

Moacir Junior – moacir37junior@gmail.comwww.arquivo7.com.br

 


Nenhum comentário:

Postar um comentário