Enciclopédia Arquivo7 no MEGA

sexta-feira, 14 de junho de 2019

SETE DAS SIMETRIAS NOS CAPÍTULOS BÍBLICOS QUE MAIS ME IMPRESSIONARAM (até agora)...



Nos últimos meses (desde o inicio de 2018, na verdade), boa parte das pesquisas matemáticas do Arquivo7 tem focado na estrutura dos livros e capítulos da Bíblia. E qual foi a evidência que me levou a essa investigação?

Primeiro, observei que, de todos os livros bíblicos, somente um continha, ao todo, 7 capítulos. E esse livro (Miquéias) está localizado onde? Exatamente no CENTRO da Bíblia. Era algo pra se pensar: o único livro com 7 capítulos estava bem na ordem 33 da Bíblia. Seria apenas coincidência?

Outra coisa: Na lista dos 66 livros só existe um lugar onde 3 e 7 se encontram (na ordem e total de capítulos dos livros). Na ordem 33, com os 7 capítulos de Miquéias. Era outra coincidência pra não ser desprezada.

Então, observei mais uma coisa: A Bíblia contém 66 livros (canônicos), e como 66 é um número par, o centro deve conter DOIS LIVROS. Em outras palavras, contando a partir de Gênesis até o 33º livro, chegamos a Miquéias, com 7 capítulos; e se contarmos, a partir de Apocalipse (pra trás), até o 33º livro, chegaremos a Naum, com 3 capítulos.

Espera aí! Os dois livros CENTRAIS da Bíblia, Miquéias e Naum, contém, respectivamente, 7 e 3 capítulos! Os dois principais números da Matemática Bíblica estão no centro da Bíblia. Isso poderia ter sido projetado pelo senhor Stephen Langton (professor da Universidade de Paris e mais tarde arcebispo da Cantuária, que dividiu a Bíblia em capítulos em 1227)? Sim, poderia. É algo fácil de se elaborar. Mas resolvi aprofundar a investigação.

Outro detalhe que me chamou a atenção. O primeiro livro, cuja quantidade total de capítulos é múltipla exata de 3, é justamente o 3º (Levítico, com 27 capítulos: 3 x 3 x 3). E o primeiro cuja quantidade total de capítulos é múltipla exata de 7 é justamente o 7º (Juízes, com 21 capítulos, ou 3 x 7). Poderia ser apenas coincidência? Ou algo projetado pelo senhor Langton?

Mais tarde descobri outra simetria, ainda mais complexa. Primeiro, selecionei todos os livros que estão nas ordens múltiplas de 3, tipo: Levítico (3º livro), Josué (6º livro), 1 Samuel (9º livro), etc. Em seguida, somei o total dos capítulos desses livros. O resultado me deixou perplexo: 343. Ou seja, 7 x 7 x 7.

Em suma, a soma total de todos os capítulos dos livros bíblicos que ocupam as ordens 3 e seus múltiplos dá exatamente o cubo de 7.

Fiz a experiência com o 7. Todos os livros que ocupam as ordens de 7 e seus múltiplos. A soma total é 120. Primeiro, este número é significativo na Bíblia; segundo, é um tríplice 40 (não somente o 40, mas a sua triplicidade é significativa na Bíblia); e terceiro, 120 é múltiplo de 3.

Ou seja, os livros que ocupam a ordem de 3 somam um múltiplo de 7 e os que ocupam a ordem de 7 somam um múltiplo de 3. Uma simetria simples, mas clara o suficiente.

Isso poderia ser artimanha humana? Sim, com um pouco de paciência e inteligência, essas simetrias matemáticas poderiam ser projetadas por uma mente privilegiada. Até porque é um fato bem claro que os números 3 e 7 são os mais significativos da Bíblia e aparecem quase em todas as páginas das Sagradas Escrituras. Portanto, alguém tendo conhecimento disso, ao dividir a Bíblia em capítulos, poderia ter pacientemente arquitetado essas coincidências numéricas.

Entretanto...

Avançando e aprofundando a investigação, as simetrias começaram a ficar mais complexas, até chegar a um ponto em que, acredito, ESTÃO ALÉM DA CAPACIDADE HUMANA. A seguir, elencarei 7 dentre as evidências que mais me impactaram (lembrando que já descobri MAIS DE 100 simetrias matemáticas na estrutura dos livros e capítulos bíblicos, de 2018 até agora).

1 – A conexão com o nome ELOHIM nas 5 datas do Dilúvio – Veja os detalhes aqui:



2 – O valor do Nome de Jesus que abre e fecha o calendário – Veja os detalhes aqui:


3 – 3 elevado a 3 e 7 elevado a 7 diretamente conectados com um dos 7 capítulos 37 da Bíblia – Veja os detalhes aqui:


4 – 7337 elevado a 37 diretamente conectado com Êxodo 37; quando elevado a 337 também; e quando elevado a ele mesmo (7337^7337), incrivelmente, também conectado com Êxodo 37 (isso me deixou quase sem fôlego, e foi, para mim, a prova definitiva da impossibilidade humana de elaborar tais simetrias). Veja os detalhes aqui:


5 – As várias simetrias matemáticas surpreendentes envolvendo os 7 capítulos 37 da Bíblia – Veja os detalhes aqui:



6 – A soma de todos os capítulos equivalentes às 3ª e 7ª letras do alfabeto hebraico produz um múltiplo de 37; e repetindo a experiência usando os livros no lugar dos capítulos, temos como resultado final um belo e limpo 73!!! – Veja os detalhes aqui:


7 – Os números 3, 7, 37 e 73 (as quatro celebridades da Matemática Bíblica) ocupam uma posição imutável (e eterna) na infinita reta numérica. Um gigantesco número (formado de 1 a 73, com os zeros ocupando o espaço de todos os números diferentes de 3, 7, 37 e 73 (003000700000000000000000000000000000370000000000000000000000000000000000073), é equivalente ao capítulo 37 de Jeremias. Isso já seria uma coincidência chocante, mas o inverso do numerozão acima está conectado justamente com outro capítulo 37 da Bíblia, Jó 37!!! – Veja os detalhes aqui:



Sem sombras de dúvidas, pela Lei das Probabilidades, é impossível que essas simetrias existam por mero acaso ou que tenham sido projetadas pela mente humana em uma época tão antiga e sem os avançados recursos tecnológicos que temos hoje.

E ainda que alguém tente plagiar essas simetrias, mesmo usando a tecnologia atual, com certeza encontrará sérias dificuldades. Pra quem acha que a tecnologia da informação do presente século fez a Bíblia se tornar um livro ultrapassado, as simetrias matemáticas apresentadas claramente provam o contrário.
  
"Que coisas Deus tem feito!" (Números 23.23)

Moacir R. S. Junior – morganne777@hotmail.com

sexta-feira, 7 de junho de 2019

QUATRO OPERAÇÕES BÁSICAS DA MATEMÁTICA E MAIS SURPRESAS DA MATEMÁTICA BÍBLICA


Usando somente os números 3 e 7, quantas operações diferentes poderemos executar?

1 – ADIÇÃO:                  3 + 7 = 10

2 – SUBTRAÇÃO:          7 – 3 = 4

3 – MULTIPLICAÇÃO:   3 x 7 = 21

4 – DIVISÃO:                 7/3: 2,333333...

Somando tudo (10+4+21+2,333...) teremos: 37,333...

Vejam, senhoras e senhores, somente 3 e 7 são capazes desta proeza. Ou seja, são os únicos algarismos que, submetidos às 4 operações, resultam num número que contém somente eles. Podem tentar com outras combinações que não encontrarão nenhum outro exemplo. Esta é mais uma singularidade de 3 e 7, os números preferidos por Deus.

Entretanto, das 4 operações básicas, duas são negativas (subtração e divisão), que produzem resultados menores do que 7. Mas, usando 3 e 7 podemos ainda utilizar outra operação matemática, considerada por muitos como a “5ª operação básica”: A POTENCIAÇÃO.

E com isto, temos dois resultados:

1ª operação: 3^7 (lê-se: 3 elevado a 7): 2187

2ª operação: = 343

Agora, temos quatro resultados inteiros e positivos gerados por 3 e 7. A seguir, vamos procurar, quais capítulos bíblicos são equivalentes a esses resultados:

1 – ADIÇÃO:                  3 + 7 = 10 (10º capítulo bíblico: Gênesis 10)

2 – MULTIPLICAÇÃO:   3 x 7 = 21 (21º capítulo bíblico: Gênesis 21)

3 – POTENCIAÇÃO:      3^7 = 2187 (2187º capítulo bíblico: João 1)

4 – POTENCIAÇÃO:      7³ = 343 (343º capítulo bíblico: 1 Crônicas 5)

Por último façamos a soma 10 + 21 + 1 + 5 e teremos, inevitavelmente, ele, nosso velho amigo: 37!!!

Como isso é possível?!!!

"Se a tua lei não fora toda a minha recreação, há muito que pereceria na minha aflição." (Salmos 119.92)

Moacir R. S. Junior – morganne777@hotmail.com